NOTAS DE UM ANTOLOGISTA

queridões e queridonas, 

abaixo, um texto que é, sem sombras de dúvida, um veneno antimonotonia; um texto iluminado e elucidativo. 

linhas que falam sobre “poemas”, estas pílulas superpotentes, capazes de esmurrar o tédio, a monotonia das palavras, existente no uso cotidiano que fazemos delas, derrotando-o/a (o tédio, a monotonia) por nocaute. 

linhas escritas para a apresentação do livro “veneno antimonotonia – os melhores poemas e canções contra o tédio”, debuxadas por um poeta que possui uma grande responsabilidade pelo meu esmero, pelo meu carinho, pelo meu cuidado para com a língua portuguesa. um poeta com o qual muito aprendi, e continuo aprendendo: eucanaã ferraz. 

fartem-se com tamanha riqueza! 

beijo bom em todos.

o preto.

____________________________ 

 NOTAS DE UM ANTOLOGISTA  (eucanaã ferraz) 

Todo poema é, por princípio, um veneno antimonotonia. 

O uso contínuo, repetitivo e mecânico da língua torna-a enfadonha, rotineira. O poema, ao contrário, faz-se por deslocamentos da língua e acarreta no seu ponto ideal uma ruptura da monotonia em vários campos da realidade: arte, política, subjetividade, comportamento, gosto, moral. Na escrita poética, suspende-se o valor lógico-utilitário das coisas cotidianas e com ela transportamo-nos em movimentos de fruição e reflexão novos, inesperados, anteriores mesmo à compreensão, pois antes de “entendermos” os versos, sentimos que com eles uma parte de nós — antes sedimentada — lançou-se para uma zona de prazer e surpresa. 

Entendamos a monotonia como um fato da linguagem. Ou, ainda, como uma patologia nascida das repetições, do ramerrão de fórmulas e clichês. Contra ela, textos — sobretudo em versos, estas pílulas superpotentes — capazes de avançar contra o ritualismo do tédio com uma linguagem fundada no deslocamento, na verticalidade e na pluralidade. 

O sentido único é a máxima monotonia. Aquilo que a envenena é o nosso antídoto: textos que nunca descansarão na horizontalidade de uma significação estática e fazem ver inequivocamente a dimensão que os caracteriza: serem ilimitados. 

(…) 

A alegria, a saúde, a sedução, o desejo, as intensidades.

Este seria, portanto, o que se chama livro “de auto-ajuda”. Algo possível, sim, desde que ajuizemos as obras de arte em geral como objetos capazes de fazer bem à alma, afiar a inteligência, ajudar a compreender o mundo, reafirmando-se com isso, especificamente, a vocação utópica da poesia. 

Pondo em juízo, porém, os tais livros “de auto-ajuda”, percebemos sem esforço o quanto são uma fala-farmácia alicerçada no bom senso, na norma, na regularização e na satisfação otimista da opinião ordinária, a oferecer-nos ideais de equilíbrio, receitas de felicidade e sucesso, bem como adequações a uma normalidade social cujo caráter ideológico se dissimula numa áurea de (impossível) naturalidade psicológica, sociológica, estética e moral. O que procuram instituir, então, é uma espécie de quietude do imaginário, já que apaziguado pela orientação fácil e pela cessação da dúvida. Mas o que seria isto senão uma absoluta monotonia? 

Uma reunião de poemas-venenos contra a monotonia deve, portanto, ser o inverso dos livros “de auto-ajuda”, caracterizando-se como uma orientação (uma desorientação?) para fora dos circuitos dos padrões convencionais. Em vez da economia restritiva dos afetos, da cautela diante do prazer, ponham-se o desperdício e a livre energia que faz passar à frente dos limites acanhados do que represa, do que é previsível, do que é apenas regular. O excesso antimonótono é o que estimula, seduz, incita a agilidade, sem nunca chegar ao fim. 

(…) 

A monotonia faz-nos sérios e aborrecidos. 

Os poemas (…) têm espírito (palavra que nomeia a parte imaterial do humano que é ao mesmo tempo a alma, a inteligência, o afeto, o brilho, ou ainda o ânimo para um posicionamento inesperado da linguagem, capaz de seqüestrar o desgosto, a náusea). 

(…) 

Aqui, desde o início, a palavra poemas nomeia igualmente os versos escritos para o livro e aqueles feitos para a canção. Recuando de uma institucionalização imobilizadora, os versos, independentemente de seus suportes e de suas especificidades estruturais, podem ser pensados como peças do intertexto da cultura e viver (…) a vizinhança harmoniosa que experimentam em outras esferas. Suspensos os falsos conflitos e aceitas as diferenças essenciais, a conciliação faz brilhar um campo vasto, um horizonte de linguagens cuja potência magnífica nos promete a aventura e o conhecimento. 

(…) 

Veneno antimonotonia: designação genérica para aquilo que o verso traz vivo — beleza, rebelião, humor, delicadeza, espanto, entusiasmo, delírio, construção. 

Este texto não é uma bula. 

(texto de apresentação do livro veneno antimonotonia – os melhores poemas e canções contra o tédio. autores: vários. organização dos textos: eucanaã ferraz.) 

 

Uma resposta

  1. […] o texto de apresentação, belíssimo e escrito pelo poeta eucanaã ferraz, pode ser lido aqui: https://prosaempoema.wordpress.com/2009/09/18/notas-de-um-antologista/.    nas linhas que seguem, as minhas estima e admiração pelos que ardem, pelos que queimam, […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: