O TAL DO TÃO DO “X” DA QUESTÃO

queridos,
 
aqui,
 
abaixo,
 
o tal do tão do “x” da questão: linhas que se indagam sobre o desejo. deste, qual a sua procedência? de que natureza?
 
o desejo: do que sobrevive? e, da substância que o inventa, seja ela o que for, do quanto precisa para fazer valer-se, para firmar-se (pés rijos em terreno movediço)?
 
há quem não deseje? tudo o que vive deseja? existe maneira de evitá-lo? como estancá-lo?
 
por conta e graça do desejo, removem-se montanhas? vira-se o mundo de cabeça para baixo?
 
com que olhos o desejo enxerga? com que ouvidos escuta? são os nossos os seus olhos? o desejo nos ouve? possui vida própria ou vida conjugada à nossa?
 
o “não”, uma espécie de seta em negação, o “não”, um tipo de flecha fechada em si, consegue matar o desejo? consegue aniquilá-lo? extirpá-lo do ser? ou ao contrário?: o não, esta espécie de farpa, que incomoda, que atormenta, será que incita o desejo de ainda mais desejo ao invés de acalmá-lo, de domá-lo?
 
são tantas as perguntas, tantas as incertezas e tantas as respostas não conhecidas, não sabidas para esta questão — para as perguntas suscitadas pelo desejo —, que não vale o esforço qualquer pesquisa a seu respeito.
 
daí, a matéria que compõe a poesia que segue: poesia feita de matéria leve, muito frágil, sensível, tênue, um “poema-pluma”, assim como as questões levantadas por drummond em seus versos intitulados “tristeza no céu”    (https://prosaempoema.wordpress.com/2009/08/05/sobre-plumas-que-sustentam-um-mundo/):
 
Todas as hipóteses: a graça, a eternidade, o amor
caem, são plumas.
 
saibam-se não sabedores dos caminhos maquinados pelo desejo e, vida afora, desejem!
 
um ótimo dia para todos nós é o que desejo neste momento.
 
beijo bom,
o preto,
paulo sabino / paulinho.
___________________________________________
 
(do livro: Rua do mundo. autor: Eucanaã Ferraz. Editora: Companhia das Letras)
 
A questão
 
Como decidir do desejo?
Algum padrão diz do que
e de quanto vive?
 
Ele vive do que deseja?
É uma necessidade?
Subsiste no fundo do tempo?
 
Faz-se num minuto? Morre
no outro? Perdura uma existência inteira?
O desejo nos ouve?
 
É cego? É doido? O desejo vê
mais que tudo? São os nossos
os seus olhos? Se os fecharmos,
 
ele finda? Quem pôs o desejo em nós?
Onde está posto? E onde não?
Penetra o sonho, o trabalho, infiltra
 
nos livros, no óbvio, nos óculos,
na cervical, na segunda-feira e os versos
não sabem outro tema.
 
Há quem não deseje?
Tudo o que vive deseja?
Faça-se o exercício: não desejar,
 
por um mês, uma semana,
um dia. O desejo fabrica-se
de nenhum aval? Ele não teme?
 
Não receia o sal à face da razão?
Não teme a dor, decerto, que dela
parece, por vezes, primo-irmão.
 
E perguntamos, perplexos. O desejo
é uma forma oblíqua de alegria? Brinca
conosco? Mas, brincarmos com ele,
 
ai de nós, é de seus truques
o mais fatal. Morremos de desejo?
Com ele removemos pedras?
 
Por ele removemos montanhas?
Pode o desejo mover o não?
(O não: esta seta o mata?
 
Ou esta farpa fomenta o que nele nos ultrapassa
e que, sem nome nem fim, não desistirá
senão quando tudo morto em nós?)
 
Química tão secreta,
não vale a pena qualquer pesquisa,
uma pluma, este poema.
Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: