APRENDENDO A LIÇÃO

mergulhar nas funduras de si, sem o medo paralisante das escuridões — um náufrago existencial —.
 
olhar-se como se um espelho à primeira vista, sofrendo espanto, horror, pela coisa avistada. mirar-se egresso do próprio espírito, da própria enfibratura. 
 
precipitar-se ao abismo. à sua beira, tirar os pés do chão, e pular, saltar, arriscadamente. quedar-se em si, sem medo de onde irá parar. (livrar-se da mediocridade.)
 
ter a existência como um trampolim. o salto no escuro. o não entendimento. a complexidade dos sentimentos. a perplexidade ante a vida e seus acometimentos.
 
aprendendo a viver. (aprendendo a ser duas cadeiras e uma maçã, sem me somar.)
 
aprendendo a lição. mas quem o professor? e quem o aluno? (vida: escola onde o que aprende é o mesmo que ensina, sem diferenciações. um mestre aprendiz, a esfinge sem enigma decifrado.)
 
abaixo, mais um tanto de trechos das obras da grande e sempre espetacular clarice lispector. um tanto de poesia em prosa.
 
aproveitem toda a prosa poética, vale a leitura! 
 
beijo em vocês,
paulo sabino / paulinho.
_______________________
 
(citações extraídas do livro: Aprendendo a viver — imagens. autor: Clarice Lispector. edição de texto: Teresa Montero. editora: Rocco.)
 
Se uma pessoa fizesse apenas o que entende,
jamais avançaria um passo. 
 
***
O presente é o instante em que a roda do automóvel
em alta velocidade toca minimamente no chão.
E a parte da roda que ainda não tocou,
tocará num imediato que absorve
o instante presente e torna-o passado.
Eu, viva e tremeluzente como os instantes,
acendo-me e me apago, acendo e apago, acendo e apago.
 
***
Pelas plantas dos pés subia um estremecimento de medo,
o sussurro de que a terra poderia aprofundar-se.
E de dentro erguiam-se certas borboletas batendo
asas por todo o corpo.
 
***
Não nos temos entregues a nós mesmos, pois isso
seria o começo de uma vida larga e nós a tememos.
 
***
Saudade é um pouco como fome. Só passa quando
se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão
profunda que a presença é pouco: quer-se absorver
a outra pessoa toda. Essa vontade de ser o outro
para uma unificação inteira é um dos sentimentos
mais urgentes que se tem na vida.
 
***
Você de repente não estranha de ser você?
 
***
Vou continuar, é exatamente da minha natureza
nunca me sentir ridícula, eu me aventuro sempre,
entro em todos os palcos.
 
***
A revelação do amor é uma revelação de carência —
bem-aventurados os pobres de espírito porque
deles é o dilacerante reino da vida.
 
***
Esperança é como o girassol que à toa se vira
em direção ao sol. Mas não é à toa: virar-se
para o sol é um ato de realização de fé.
 
***
Não temos sido puros e ingênuos para não rirmos
de nós mesmos e para que no fim do dia possamos
dizer “pelo menos não fui tolo” e assim não ficarmos
perplexos antes de apagar a luz.
 
***
Quero escrever movimento puro.
 
***
Eu, gazela espavorida e borboleta amarela.
Eu não passo de uma vírgula na vida.
Eu que sou dois pontos. Tu, és a minha exclamação.
Eu te respiro-me.
 
***
Ah, milhares de pessoas não têm coragem
de pelo menos prolongar-se um pouco mais
nessa coisa desconhecida que é sentir-se,
e preferem a mediocridade.
 
***
Olha para mim e me ama.
Não: tu olhas para ti e te amas.
É o que está certo.
 
***
Não se pode falar do silêncio como se fala da neve.
O silêncio é a profunda noite secreta do mundo.
E não se pode falar do silêncio como se fala
da neve: sentiu o silêncio dessas noites?
Quem ouviu não diz. Há uma maçonaria do silêncio
que consiste em não falar dele e de adorá-lo sem palavras.
 
***
Parambólica — o que quer que queira dizer essa palavra.
Parambólica que sou. Não me posso resumir porque
não se pode somar uma cadeira e duas maçãs.
Eu sou uma cadeira e duas maçãs. E não me somo.
 
***
Respeite a você mais do que aos outros, respeite
suas exigências, respeite mesmo o que é ruim em você —
respeite sobretudo o que você imagina que é ruim em você
— pelo amor de Deus, não queira fazer de você uma pessoa
perfeita — não copie uma pessoa ideal, copie você mesma —
é esse o único meio de viver.
 
***
Eu te conheço até o osso por intermédio
de uma encantação que vem de mim para ti.
Só há uma coisa que me separa de você:
o ar entre nós dois. Às vezes para ultrapassar
esse quase cruel afastamento, eu respiro
na tua boca que então me respira e
eu te respiro. Mas só por um único instante,
senão sufocaríamo-nos: seria o castigo
que se recebe quando um tenta ser o outro.
 
***
Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome.
 
***
Não haverá nenhum espaço dentro de mim para
eu saber que existe o tempo, os homens, as dimensões,
não haverá nenhum espaço dentro de mim para notar
sequer que estarei criando instante por instante,
não instante por instante: sempre fundido, porque então
viverei, só então viverei maior do que na infância,
serei brutal e malfeita como uma pedra, serei leve
e vaga como o que se sente e não se entende,
me ultrapassarei em ondas.
 
***
Existir é tão completamente fora do comum que
se a consciência de existir demorasse mais de alguns
segundos, nos enlouqueceríamos. A solução para esse
absurdo que se chama “eu existo”, a solução é amar
um outro ser que, este, nós compreendemos que exista.
 
***
Mas o que é verdadeiramente imoral é
ter desistido de si mesma.
 
***
Amar os outros é a única salvação individual
que conheço: ninguém estará perdido se der amor e
às vezes receber amor em troca.
 
***
Eu vou lhe dar de presente uma coisa.
É assim: borboleta é pétala que voa.
 
***
Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém.
Provavelmente a minha própria vida. Viver é uma espécie
de loucura que a morte faz. Vivam os mortos
porque neles vivemos.
 
***
Ah, Deus, e que tudo venha e caia sobre mim,
até a incompreensão de mim mesma em certos
momentos brancos porque basta me cumprir e então
nada impedirá meu caminho até a morte-sem-medo,
de qualquer luta ou descanso me levantarei
forte e bela como um cavalo novo.

2 Respostas

  1. Prosa e poema….Paulinho….
    Poemas assim como sorrisos sinceros e olhares cheios de presença emocionam, deixam uma sensação boa de que vale a pena existir!
    Que delícia sentir isso! obrigada pela prosa e pelos poemas! Beijos

    • bianca, querida e doce e meiga e delicada bianca,

      que prazer tê-la aqui!

      venha sempre que quiser, as portas estão abertas!

      beijo grande!
      outro enorme no pedrinho!

Deixe uma resposta para Bianca Innocencio Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: