DÚVIDAS

prezados,
 
o poema que segue, de minha autoria, ganhou sua primeira forma em 1998, ou seja, há doze anos atrás, quando tinha os meus 22 aninhos.
 
vinha pensando nele. ontem, peguei-o para ler. e, juro a vocês, fiquei um bocado surpreso com o que reencontrei. achei engraçada a minha visão sobre o assunto com apenas 22 anos. nos doze anos que se passaram, amadureci muitíssimo para uma série de coisas. na verdade, para todas (rs). a vida, hoje, mostra-se de modo mais confortável, é mais bem aproveitada, livre que estou de diversos medos e inseguranças.
 
o que me surpreendeu foi que os versos já apontavam para o que se constituiu doze anos depois, para o que se constitui hoje, com o paulo sabino e os seus 33 aninhos.  
 
a terceira estrofe do poema continuou intocada. a primeira e a segunda, repaginadas. e ficaram, aos meus olhos, a contento, bem bonitas (rs).
 
a poesia trata de dúvidas, de muitos questionamentos que não encontram respostas. trata de um sentimento tão denso & exato, de um sentimento que é como um aprendizado para a morte. tanto, que a expressão “morrer de amor” não existe em vão, ela tem as suas razões (rs). 
 
obtenham tal afeto, pois é nele que se vive o sentimento de ser eterno (mesmo num tempo transitivo), e viajem, caminhem, mergulhem nele!
 
beijo grande,
o preto,
paulo sabino / paulinho.
_________________________________
 
(autor: Paulo Sabino.)
 
  
DÚVIDAS
 
tomado de questionamentos sobre
o amor, ou melhor,
sobre o que reflexionamos sobre
o ser do amor,
traço passos que me levam a
lugar nenhum.
 
sentimentos vagueiam, labirínticos,
num sorvedouro de dúvidas entesouradas
— a raiva  a loucura  o rancor,
    a fúria do furor,
    como cabem dentro do amor?,
    ou antes,
    como cabem dentro da ilusão do amor?
 
tão denso e exato, que é como
um aprendizado para a morte:
a obtenção da eternidade,
o viajar sobre o indecifrável,
o caminhar no inopinado,
o mergulhar no abismo.
_________________________________
 
transversado em 11/03/10 – rio – 23h44.
Anúncios

4 Respostas

  1. negão…gostei da relação. A terceira estrofe realmente é de uma coerencia e beleza única.

    bjs

  2. mutíssimo obrigado, meu amor!

    eu também gostei bastante do resultado final.

    beijo GRANDE!

  3. Paulinho,

    Que beleza! Muito bom!

    Grande abraço,
    Adriano Nunes.

    • querido & sempre benvindo poeta das alagoas,

      vindo de você o elogio, percebo este poema mais que validado.

      grande beijO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: