AOS PAMPAS, AOS BAMBAS

queridos & queridas,
 
nos últimos dias, como há muito não acontece — mesmo em viagens —, li absolutamente nada. nadinha de nada.
 
passei esses dias com a minha atenção voltada “exclusivamente” para fora. sim sim, sei que a atenção voltada para fora é também uma atenção voltada para dentro. aliás, que toda atenção voltada para fora é uma atenção voltada para dentro. todavia, a atenção estava voltada mais para fora do que para dentro. não havia a pretensão de achados & conclusões “existenciais”, só mesmo as verificações despreocupadas das coisas arredor. e uma comoção por verificações que apenas acalmam, que fazem um bem danado pela tranqüilidade inócua que contêm.
 
daí, me bateu uma incerteza sobre o que publicar. estou num momento tão sereno, de paz tão aguda (por isso mesmo, por sua agudeza, ela tende a extinguir brevemente), tão feliz, que desejava compartilhar poemas delicados, sensíveis, que me trouxessem as sensações que me percorrem hoje.
 
de repente, não mais que de repente, surgiu-me, num lampejo, a vontade de publicar algumas poesias da poeta norte-americana emily dickinson. 
 
na verdade, estou conhecendo a poeta por agora, mas me encanta a maviosidade que envolve o que li até aqui. uma brandura mesmo quando em linhas duras. uma doçura atrelada à sua profundidade ao falar do que a toma em pensamentos, verificações, constatações.
 
adoro uma foto sua tirada em 1847, quando tinha os seus 17 aninhos. sempre que a vejo na foto sinto uma espécie de ternura. e lhe faço um carinho com as pontas dos dedos (rs). um rosto suave, delicado, uma pluma — parece que pode quebrar a qualquer toque mais bruto —.
 
contudo, ao mesmo tempo, seus olhos negros, grandes, vivos, acesos, metem-me um pouco de medo (rs). verdade. porque me parece que eles podem desvendar uma alma, que podem fazer com que ela, a alma, confesse os seus segredos mais bem guardados. pessoas com esse tipo de olhar me assustam um bocadinho (rs).
 
trago aos senhores a minha carta endereçada ao mundo, que nunca me escreveu. as notícias da carta? estas: notícias que a natureza me deu através de mãos que não posso ver, notícias que atraem pelos (tantos & grandes) enigmas que abrigam. 
 
à beleza gratuita que a natureza nos oferta, às lindezas que me são oferecidas por gente da melhor qualidade, gente que faz a minha vida melhor, mais digna de ser vivenciada, seguem as linhas.
 
(aos pampas do meu brasil varonil,
 aos bambas do meu covil,
 
 o meu muitíssimo obrigado.)
 
beijo (e)terno em todos,
o preto,
paulo sabino / paulinho.
____________________________________________________________________
 
(do livro: Alguns Poemas. autora: Emily Dickinson. tradução: José Lira. editora: Iluminuras.)
 
*   *   *
 
Não nos atraem os Enigmas
Que pouco nos escondem –
Nenhuma coisa está mais morta
Que a surpresa de Ontem –
 
The Riddle we can guess
We speedily despise –
Not anything is stale so long
As Yesterday’s surprise –
 
*   *   *
 
Borboletas assim se vêem
Nos Pampas do Brasil –
Ao meio-dia – só – e acaba
A amável Permissão –
 
Sabores assim – vêm e voltam –
Depois de dar-se – a Ti –
Como Estrelas – que viste à Noite –
Estranhas – de Manhã –
 
Some such Butterfly be seen
On Brazilian Pampas –
Just at noon – no later – Sweet
Then – the License closes –
 
Some such Spice – express and pass –
Subject to Your Plucking –
As the Stars – You knew last Night –
Foreigners – This Morning –
 
*   *   * 
 
Florir  – é um Fim – casualmente
Vendo uma Flor no campo
Talvez sequer alguém perceba
A Sutil Circunstância
 
Que há na Lúcida Tarefa
A tal custo cumprida
Para se abrir qual Borboleta
Ao Sol do meio-dia –
 
Encher Botão – evitar Bicho –
O Orvalho obter bem cedo –
Expor-se à Luz – fugir ao Vento –
Precaver-se da Abelha
 
E não frustar a Natureza
Que nesse Dia a aguarda –
Ser uma Flor é uma profunda
Responsabilidade –
 
Bloom – is Result – to meet a Flower
And casually glance
Would scarcely cause one to suspect
The minor Circumstance
 
Assisting in the Bright Affair
So intricately done
Then offered as a Butterfly
To the Meridian –
 
To pack the Bud – oppose the Worm –
Obtain its right of Dew –
Adjust the Heat – elude the Wind –
Escape the prowling  Bee
 
Great Nature not to desappoint
Awaiting Her that Day –
To be a Flower, is profound
Responsibility –
 
*   *   *
 
É certa a Opinião geral
Pensamos nós
Que a Eloqüência é o Coração
Ficar sem Voz.
 
Confirming All who analyze
In the Opinion fair
That Eloquence is when the Heart
Has not a Voice to spare –
 
*   *   *
 
Eis minha carta ao Mundo
Que nunca me escreveu –
Breves Notícias que com Fidalguia
A Natureza deu
 
Trazem Sua Mensagem
Mãos que não posso ver –
Por Ela me julgueis – gentis Senhores –
Com brando parecer
 
This is my letter to the World
That never wrote to Me –
The simple News that Nature told –
With tender Majesty
 
Her Message is committed
To Hands I cannot see –
For love of Her – Sweet – countrymen –
Judge tenderly – of Me
      
*   *   *
 
Se ao mar se foi meu barco –
Se enfrentou as procelas –
Se em busca de ilhas encantadas
Abriu as dóceis velas –
 
Em que místico porto
Está seguro agora –
Esta a missão que têm os olhos
Pela Baía afora.
 
Whether my bark went down at sea –
Whether she met with gales –
Whether to isles enchanted
She bent her docile sails –
 
By what mystic mooring
She is held today –
This is the errand of the eye
Out upon the Bay. 
Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: