A MANCHA ESCURA

queridões & queridonas,
 
há bastante tempo penso em publicar este poema. quando terminei a primeira leitura que fiz, chorava sem conseguir conter as lágrimas (rs). fiquei tão emocionado que, à primeira oportunidade, li-o para minha mãe, a cabocla jurema armond, e ela também se emocionou muito.
 
na verdade, o que desejo é fazer uma espécie de filme com estas linhas. elas são cinematográficas; tenho tudo na cabeça: planos, contraplanos, cortes, ângulos, fotografia, tudo para a realização da película. pela ambição deste que vos escreve, a produção não sairia nada barata (rs), mas o vídeo ficaria lindíssimo (rs).
 
e já que ontem, 13 de maio, foi o dia em que se decretou oficialmente o fim da escravidão, a razão de publicar os versos a seguir surgiu (e caiu) como uma luva.
 
o poema trata da chegada, numa manhã, de uma mancha negra que toma, por completo, tudo o que encontra pela frente. há, na vida de quem vive tal experiência, um grande desconcerto pelo acontecimento. a flor-manhã, que nos chega sempre clara, desabrochou em naco de carvão. cidades inteiras encobertas por essa “estranha” mácula negra que aterrisou por sobre tudo & todos. 
 
junto com a mancha escura, podia-se ouvir, e até mesmo ver, certa música a crescer como o raio daquela nódoa que atingia o centro das coisas, o coração do mundo.
 
de maneira poética (e lindíssima), o poema anuncia a chegada da mancha escura, isto é, anuncia a chegada da marca negra, (im)posta, pela força da cultura africana, no dia-a-dia nosso. no fundo, o poema, liricamente, aponta para a chegada dos traços de uma cultura que se fincou e deu raízes, mesmo contra a vontade de muitos. a introdução, com a chegada forçosa dos negros, da nódoa que esses negros traziam consigo, a nódoa das palavras, a nódoa das religiões, a nódoa dos ritmos musicais, a nódoa da sua existência. 
 
hoje, queiram ou não, a cultura brasileira é tomada por signos que se desdobraram do que trouxeram os africanos. no cancioneiro popular, se pensarmos nos ritmos aqui criados, tal influência é notória. por isso o título da poesia funciona muitíssimo bem: o tambor, instrumento africano percussivo de vários tamanhos e formas, amplamente utilizado na nossa música.
 
muita luta, muito suor, muito sangue derramado, muitas lágrimas & pesares, para que eu, paulo sabino, um preto (com todas as letras – rs), chegasse até aqui.
 
portanto, o meu respeito & a minha reverência a todos os homens & mulheres que dedicaram as suas vidas à causa da liberdade. 
 
somos, ainda, um país racista, bem preconceituoso. como preto, sinto isso “na pele”. porém, como sou abusado & atrevido e não suporto gente burra (rs), ao meu modo faço com que a mancha escura continue a penetrar o coração do brasil.
 
ao toque do tambor, saúdo tal mancha: saravá, negrada!
 
beijo bom & carinhoso em TODOS,
paulo sabino / paulinho.    
____________________________________________________________________
 
(do livro: Cinemateca. autor: Eucanaã Ferraz. editora: Companhia das Letras.)
 
 
TAMBOR
 
Entrada a manhã, açafatas
qual baratas tontas para todos
os lados dobram no cesto negro
de vime negros lenços
 
e toucados. Horas em ponto
em todas as cidades, negro
um ponto surge por sobre todas,
como nas frutas o sinal maduro
 
faz anúncio de que algo ali
se abrevia: negro Coqueiral, negro
Aracaju, negra Laranjeiras, negra
Bocaiúva, negra Buriti dos Lopes,
 
negra Araçatuba. As palmeiras
reais (levam às casas do barão,
do desembargador, do capitão,
do visconde & cia.), rainhas
 
sobre o vasto cafezal, fincadas
ali tais e quais pés de mil-réis,
já não se parecem, para o espanto
de quem por elas passe, colunas
 
gregas, assim, negras. Do paço
a camareira-mor assombra-se
ao ver o luto das roupas de cama,
antes alvas como hóstias;
 
Dignitários da Ordem da Rosa
bravejam indignados com a flor-manhã
que desabrochou em naco de carvão;
os cônegos da Capela Imperial
 
não esperavam por isso, tampouco
os gentis-homens da Câmara, os lentes,
os lírios; a aia depara apavorada
com a água na taça: negra.
 
E pode-se ouvir, pode-se mesmo ver,
certa música a crescer como o raio
daquela mancha escura no centro
de tudo, no coração do mundo.
Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: