DIAS CLAROS 2

________________________________________________________

às manhãs & aos dias claros,
 
que, de tão belos, avistados (à primeira vista) da janela do meu quarto de dormir como revelam as fotos acima, revelam (a mim) a sua verdade inconteste:
 
o nada declarado de luz, o vazio declamado de azul, por sobre nossas cabeças, com sua voz mansa — língua lenta — de silêncio.
 
(que nos venham muitas manhãs & dias claros e nos cubram da luz das palavras que faltam para descrever o que se apresenta às retinas!)
 
beijo bom e luminoso em todos!
paulo sabino / paulinho.
_______________________________________________________________________________
 
(do livro: A moeda do tempo e outros poemas. autor: Gastão Cruz. editora: Língua Geral.) 
 
 
A  MANHÃ
 
É assim a manhã, um nome
para o mundo, abrir os olhos como
alguém que fala
Podem o tempo ou a
morte diurna
dar aos olhos abertos o nada das palavras
 
O sol será então
o silêncio no olhar ou a mão
sobre a testa
que faz descer as pálpebras
como se os dedos dessem à cabeça a verdade
submersa nesse nada
 
e a manhã viesse
não como a sombra vasta a vestir a voz
do corpo
mas cobri-la da
luz
das palavras que faltam
Anúncios

3 Respostas

  1. Que lindas fotos!

    • “o rio de janeiro continua lindo”…

      as paisagens desta cidade são inspiradoras!

      beijo, sussú!

  2. Paulinho,

    Tudo lindo! Poema maravilhoso!

    Abração,
    Adriano Nunes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: