PÓS-MODERNIDADE

senhores,
 
o artigo a seguir, do meu querido amigo, e poeta, e letrista, e filósofo, e ensaísta, antonio cicero, foi publicado primeiramente na sua coluna da “ilustrada”, do jornal “folha de são paulo”, e, posteriormente, no seu blog, o “acontecimentos” (http://www.antoniocicero.blogspot.com/).
 
no referido artigo, cicero trata das pretensões do que é intitulado por alguns de “pós-modernidade”. e trata de pôr abaixo tais pretensões. 
 
o mais SENSACIONAL, o mais SURPREENDENTE, nas linhas do cicero, e isto aqui eu já lho disse, é que o autor nem precisou tocar nos “preceitos”, nas “idéias”, que guarda o que se intitula “pós-modernidade”. somente com o sentido próprio do termo “modernidade” antonio cicero “mata a pau” (rs). comecei a ler pensando num tipo de arcabouço para o texto e o cicero me apresentou um outro, tão sólido & resistente quanto o arcabouço por mim engendrado. 
 
aproveitem a prosa que segue! 
 
(serviço de utilidade pública – rs.)
 
beijo em vocês!
paulo sabino / paulinho.
__________________________________________________________________________
 
(do blogue: Acontecimentos. de: Antonio Cicero.)
 
 
AS ILUSÕES PÓS-MODERNISTAS
 
AS NOÇÕES de “pós-modernidade” e “pós-modernismo” entraram em voga há cerca de trinta anos, a partir da publicação de “La condition postmoderne”, do filósofo francês Jean-François Lyotard. Hoje, “pós-modernismo” designa apenas uma tendência eclética, maneirista e inteiramente datada. Já a noção de “pós-modernidade” — que significa uma pretensa superação da época moderna — não passou de uma ilusão, que a pós-pós-modernidade, isto é, a modernidade mesma, encarregou-se de desmentir.

De nada adianta substituir a expressão “pós-modernidade” por “contemporaneidade”, como faz o famoso crítico norte-americano Arthur Danto. O conceito de contemporaneidade simplesmente não é epocal e, se conseguisse sê-lo, não se distinguiria do de modernidade.

Antes da modernidade, eram quase sempre nomes próprios, de lugares, dinastias, monarcas ou fundadores de religiões que denominavam ou demarcavam as diferentes épocas. Na Roma republicana, por exemplo, demarcava-se o tempo tendo por referência a fundação (mítica ou real, pouco importa) de Roma. Os chineses e egípcios usavam os nomes das suas dinastias para diferenciar as épocas, inclusive aquelas em que viviam. Já os primeiros cristãos passaram a demarcar o tempo tendo por referência o nascimento (mítico ou real, pouco importa) de Cristo: para eles, sua época era a época cristã. Um francês do século 12 d.C., por exemplo, não supunha haver qualquer solução de continuidade entre a sua época e a do apóstolo Paulo.

A partir principalmente dos séculos 14 e 15 d.C., porém, a Europa começou a passar por uma espécie de desprovincianização. Com as descobertas geográficas, “viu-se a terra inteira de repente / surgir redonda do azul profundo”, como diz o Fernando Pessoa de “Mensagem”. Isso relativizou a Europa, do ponto de vista espacial. Do ponto de vista temporal, ela foi relativizada pela valorização, graças aos humanistas, da cultura clássica e pagã.

Contra seus contemporâneos escolásticos, os humanistas ambicionaram emular o modo de pensar e escrever, assim como o gosto dos antigos. Entre estes e aqueles, porém, se interpunha um período extenso, que tivera início na invasão e na destruição do Império Romano pelos bárbaros. A essa longa intermissão, que passaram a desprezar como um período de barbárie entre a morte da civilização antiga e seu moderno renascimento, por eles promovido, chamaram de “medium aevum”, de onde “medioevo”, isto é, “Idade Média”. Entre os séculos 16 e 18, estabeleceu-se o esquema tríplice de periodização que persiste até hoje. Tem-se a Antiguidade, a Idade Média e a Modernidade.

Ora, “moderno”, etimologicamente, quer dizer referente a agora ou, se quisermos, “agoral”. Modernidade, portanto, é a “agoralidade”. Isso significa que, pela primeira vez, a palavra com a qual se denomina uma época é um conceito universal. Há nisso um paradoxo. Sendo um universal, “moderno” não se reduz a coisa alguma que possa particularizar a época assim autodenominada. Em princípio, qualquer época poderia ter-se chamado “moderna” ou “agoral”. Entretanto, justamente o fato de que, apesar disso, nenhuma outra o tenha feito, constitui, para a época que o faz, uma diferença mais radical do que qualquer outra concebível.

Trata-se de um sintoma da extraordinária cisão experimentada pelos homens da Renascença. É que eles se haviam tornado capazes de criticar, isto é, tanto de se distanciar da própria cultura em que viviam, quanto de questioná-la. Montaigne, por exemplo, reconhecia ser cristão por acaso. “Somos cristãos”, dizia ele, “ao mesmo título que somos perigordinos ou alemães”.

Descartes, leitor de Montaigne, sabia que “um mesmo homem, com seu mesmo espírito, sendo nutrido desde a infância entre franceses ou alemães, torna-se diferente do que seria se tivesse sempre vivido entre chineses ou canibais”. Evidentemente, não foi de dentro da cultura cristã e francesa que Montaigne e Descartes a relativizaram desse modo, mas a partir da razão, que foi capaz de dela se separar e de criticá-la.

Sendo a modernidade a época em que a razão já reconheceu o caráter contingente das culturas, de modo que não se identifica com nenhuma, segue-se que qualquer “superação” dessa época não poderia deixar de ser uma regressão ao estado em que essa verdade ainda fosse ignorada.

Anúncios

2 Respostas

  1. Eu li isso no blog do Cícero. É incrível esse moço. Gosto muito do trecho abaixo, principalmente sob o ponto-de-vista de como somos influenciados pelo meio a que estamos inseridos:

    “Montaigne, por exemplo, reconhecia ser cristão por acaso. “Somos cristãos”, dizia ele, “ao mesmo título que somos perigordinos ou alemães”.

    Descartes, leitor de Montaigne, sabia que “um mesmo homem, com seu mesmo espírito, sendo nutrido desde a infância entre franceses ou alemães, torna-se diferente do que seria se tivesse sempre vivido entre chineses ou canibais”. Evidentemente, não foi de dentro da cultura cristã e francesa que Montaigne e Descartes a relativizaram desse modo, mas a partir da razão, que foi capaz de dela se separar e de criticá-la.”

  2. esse moço, o cicero, como dizemos na gíria, “é o que há” (rs)!

    não é à toa que estou sempre atento ao que ele me oferece.

    (as ofertas são sempre MUITO boas, MUITO inteligentes, MUITO sofisticadas.)

    decididamente, antonio cicero, que é um amor de pessoa, com um humor fantástico, não veio ao mundo só para brincar, não (rs).

    beijO, queridão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: