PAÍSES MISTERIOSOS: A INICIAÇÃO

Pois francamente, meu amor
Meu ambiente é o que se instaura de repente
Onde quer que eu chegue só por eu chegar
Como pessoa soberana nesse mundo
Eu vou fundo na existência
E para nossa convivência você também tem que saber
                                                             [se inventar
 
                                                       (Caetano Veloso, “Diamante verdadeiro”)
 
 
saber inventar-se e reinventar-se, inventar A SUA moda, a sua roupa, a sua roda, brincar entre o que deve e o que não deve ser.
 
reinventar-se é sempre um reinício, um recomeço.
 
saber inventar-se é um grande barato. é um grande barato caro, às vezes um barato difícil, porém necessário.
 
pois a todo tempo é preciso, a toda hora, um novo viço. a todo momento, um novo estímulo. de tempo em tempo, um novo vício.
 
algo de nós, na mudança, no começar de novo, permanece. um tanto de nós persiste, insiste, um tanto de nós ressoa o passado, ressoa o que fica em nós das experiências vivenciadas, corroborando com o que principia, com o que re-inicia. afinal, o ato da “estréia”, o fato de estrear na vida, pode (deve) ser um acontecimento incessante para todos que buscam viços & estímulos & vícios que renovem.
 
(o haver conhecido outros começos favorece este novo que começa.)
 
partir, andar, posto que é este o movimento da vida. passa o tempo e a vida passa. 
 
nesta viagem que é a existência, estar sempre pronto a descobertas, a países misteriosos e suas línguas, suas gentes. em terras distantes há tantas surpresas, em países longínquos, tantas estranhas belezas…
 
em países distantes, tantas paisagens a despontar, tanto para ver & conhecer… 
 
partir, andar, em busca de novos lagos, novos sóis, novos sons.
 
é bom aportar em países distantes, uma vez que, em países distantes, desconhecidos, nos perdemos. e é bom que nos percamos porque, nas voltas que o mundo dá, 
 
não somos mais quem éramos.
 
proponham-se ao eterno começo!
 
proponham-se a uma eterna viagem por lugares misteriosos! 
 
(o pôr do sol em outras cores, os lagos claros de um outro verde…)
 
bitoca nocês!
paulo sabino / paulinho.   
___________________________________________________________________
 
(do livro: Estúdio. autora: Janice Caiafa. editora: 7Letras.)
 
 
INICIAÇÃO
 
Começa. É difícil
passar a essa atitude
conseguir um novo início.
 
E a todo tempo é preciso
fora da esfera da juventude
a toda hora: um novo viço.
 
Começa agora. Algo que voa
envia, arremessa
aproveitando o que era, ressoa
 
o passado e principia.
 
O tempo não é um peso,
o vivido é viver e é promessa —
o haver conhecido outros começos
 
favorece este novo que começa.
 
 
PAÍSES MISTERIOSOS
 
Em terras distantes chega o trem devagar
Em terras distantes há tantas surpresas.
 
Em países longínquos vou encontrar
tantas estranhas belezas.
 
Em países distantes é bom aportar
Em países distantes nos perdemos.
 
Em lugares estranhos podemos chegar,
não somos mais quem éramos.
 
O pôr do sol em outras cores 
Os lagos claros de um outro verde
 
Os sons de tantas línguas
de repente,
 
Ali…
 
Em terras distantes chega o trem devagar
Em terras distantes há tantas surpresas
 
Em países longínquos vou encontrar
tantas estranhas belezas.
 
O sol se põe em várias cores
Os lagos claros de um azul-verde
Os sons de outras línguas
ouvimos
 
Ali…
 
Em países distantes é bom aportar
Em países distantes nos perdemos.
 
Em lugares estranhos podemos chegar,
não somos mais quem éramos.
Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: