TEU CORPO

benvindos,
 
abaixo,
 
linhas que tratam do corpo, este ser estranho, que muda independentemente das nossas vontades. é um ser estranho que possui o nosso rosto, ri o nosso riso, goza com o nosso sexo, e não nos pergunta se queremos, ou devemos, engordar. se lhe damos de comer, ele fica quieto. penteamos os cabelos do corpo como se fossem nossos.
 
num relance, achamos que apenas estamos dentro dele, dentro do corpo. 
 
mas como estamos “apenas” dentro dele se nele nascemos e, sem ele, não somos? 
 
ao que tudo indica, não estamos “apenas” dentro do corpo que nos cabe. nós SOMOS o corpo que nos cabe:
 
o joelho que tocamos, a mão que olhamos, a forma sentada de bruços na mesa, quem se senta, quem se move, quem leva o cigarro à boca, e o traga, e bate sua cinza, somos nós (que somos nosso corpo).
 
então: se a conclusão é que este corpo, a princípio um ser estranho, na verdade, não nos é estranho, na verdade, nós somos o corpo que nos cabe, então:
 
quem morre? quem decide a hora derradeira? quem diz ao corpo: “morre!”? quem diz a ele: “envelhece!”?
 
se queremos continuar vivos & jovens por infinitas manhãs:
 
quem encerra o jogo? quem cessa o jorro? quem ceifa o joio? 
 
(quem?)
 
beijo saboroso em todos!
paulo sabino / paulinho.
________________________________________________________________
 
(do livro: Toda poesia. autor: Ferreira Gullar. editora: José Olympio.)
 
 
TEU CORPO
 
O teu corpo muda
independente de ti.
Não te pergunta
se deve engordar.
 
É um ser estranho
que tem o teu rosto
ri em teu riso
e goza com teu sexo.
Lhe dás de comer
e ele fica quieto.
Penteias-lhe os cabelos
como se fossem teus.
 
Num relance, achas
que apenas estás
nesse corpo.
Mas como, se nele
nasceste e sem ele
não és?
Ao que tudo indica
tu és esse corpo
— que a cada dia
mais difere de ti.
 
E até já tens medo
de olhar no espelho:
lento como nuvem
o rosto que eras
vai virando outro.
 
E a erupção
que te surge no queixo?
Vai sumir? alastrar-se
feito impingem, câncer?
 
Poderás detê-la 
com Dermobenzol?
ou terás que chamar
o corpo de bombeiros?
 
Tocas o joelho:
tu és esse osso.
Olhas a mão:
tu és essa mão.
A forma sentada
de bruços na mesa
és tu.
Quem se senta és tu,
quem se move (leva
o cigarro à boca,
traga, bate a cinza)
és tu.
Mas quem morre?
Quem diz ao teu corpo — morre —
quem diz a ele — envelhece —
se não o desejas,
se queres continuar vivo e jovem
por infinitas manhãs?
Anúncios

2 Respostas

  1. Não gosto da poesia de Adília Lopes, nem mesmo com a sua interpretação do que é essa poesia. .No entanto gosto muito de Gullar, cuja obra completa possuo. Abraço.
    É verdade: e gosto deste seu blogue e das suas introduções.

  2. amelia, querida,

    fico feliz por saber que você gosta do “prosa em poema”. você sempre mostrou um carinho grande por este espaço, por meus textos e pelos textos que posto. muitíssimo obrigado!

    quanto à adília lopes: todos nós temos o direito de gostar ou de não gostar deste ou daquele autor. acho naturalíssimo. eu também não gosto de todos os poetas que me chegam.

    continue, por favor, com as suas visitas!

    beijo GRANDE!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: