PANTEÍSMO

 

Vamos chamar o vento
Vamos chamar o vento
Vento que dá na vela
Vela que leva o barco
Barco que leva a gente
Gente que leva o peixe

(trecho da letra-poema “o vento”, autor: dorival caymmi.)
__________________________________________________________________________

panteísmo:

doutrina filosófica caracterizada por uma identificação entre deus e o universo, em oposição ao tradicional postulado teológico segundo o qual a divindade transcende absolutamente a realidade material e a condição humana.

deus e o universo são uma única coisa, um só organismo.

se o universo é deus, conclui-se que este é pura materialidade.

sendo pura materialidade, deus não se manifesta de uma mesma forma, pois várias são as formas que compõem o universo:

desde os astros imortais, com o seu silêncio gritado, até o mar e seu tumultuado rebôo; desde a fatal obscuridade da massa inerte até a mente humana.

através de mil formas, mil visões, o universal espírito, que é deus (que significa materialidade), palpita na espiral das criações.

mil formas, mil visões, mil vidas: misteriosa escrita do poema indecifrável que, na terra, se faz de sombra & luz, inconstante, mutante, que não pára, que sempre se agita: o deus imóvel.

o deus imóvel chora na voz do mar, o deus imóvel canta no vento.

o vento, o “ancião-dos-dias”, velho companheiro do mundo, existe desde a sua gênese.

imensa é a voz do vento, que sacudia e dominava o planeta, e que viu o princípio de tudo. encarou o inconsciente face a face, quando a luz fecundou o tenebroso.

e o vento me diz que as coisas no mundo são fecundadas.

fecundadas de idéias — por nós — são as coisas. pois, para vivenciarmos a existência, necessitamos saber, precisamos ter uma idéia do que é existência. para aproveitarmos ou para lamentarmos a vida, precisamos, antes, ter uma idéia, ter um conceito, sobre o que é a vida.

as coisas acabam fecundadas pelas idéias que delas fazemos.

para que um punhado da poeira do chão seja “um punhado da poeira do chão”, este carece tornar-se idéia, carece ser pensado & nomeado por nós.

isto aqui, uma flor; aquilo ali, uma árvore; acima, o céu; por sob, a terra; avante, o mar; além, os astros: o mundo e as nomenclaturas que usamos para lhes dar forma, um “espírito”, uma idéia.

o mundo e as terminologias utilizadas para dar forma, um “espírito”, uma idéia, a fim de que nos surja o mundo, a fim de que se nos apresentem as riquezas da existência.

surgir o mundo diante de nós: pensá-lo & nomeá-lo: mundo que é, ao mesmo tempo, astro & flor, onda & granito, luz & sombra, atração & pensamento.

eis o quanto me ensinou a voz do vento.

beijo carinhoso em todos!
paulo sabino / paulinho. 
___________________________________________________________________________

 
(do livro: Antologia. autor: Antero de Quental. organização: José Lino Grünewald. editora: Nova Fronteira.)
 
 
PANTEÍSMO
 
 
I
 
Aspiração… desejo aberto todo
Numa ânsia insofrida e misteriosa…
A isto chamo eu vida: e, d’este modo,
 
Que mais importa a forma? silenciosa
Uma mesma alma aspira à luz e ao espaço
Em homem igualmente astro e rosa!
 
A própria fera, cujo incerto passo
Lá vaga nos algares da deveza,
Por certo entrevê Deus — seu olho baço
 
Foi feito para ver brilho e beleza…
E se ruge, é que agita surdamente
Tua alma turva, ó grande natureza!
 
Sim, no rugido há uma vida ardente,
Uma energia íntima, tão santa
Como a que faz trinar a ave inocente…
 
Há um desejo intenso, que alevanta
Ao mesmo tempo o coração ferino,
E o do ingênuo cantor que nos encanta…
 
Impulso universal! forte e divino,
Aonde quer que irrompa! e belo e augusto.
Quer se equilibre em paz no mudo hino
 
Dos astros imortais, quer no robusto
Seio do mar tumultuando brade,
Com um furor que se domina a custo;
 
Quer durma na fatal obscuridade
Da massa inerte, quer na mente humana
Sereno ascenda à luz da liberdade…
 
É sempre a eterna vida, que dimana
Do centro universal, do foco intenso,
Que ora brilha sem véus, ora se empana…
 
É sempre o eterno gérmen, que suspenso
No oceano do Ser, em turbilhões
De ardor e luz, envolve, ínfimo e imenso!
 
Através de mil formas, mil visões,
O universal espírito palpita
Subindo na espiral das criações!
 
Ó formas! vidas! misteriosa escrita
Do poema indecifrável que na Terra
Faz de sombras e luz a Alma infinita!
 
Surgi, por céu, por mar, por vale e serra!
Rolai, ondas sem praia, confundindo
A paz eterna com a eterna guerra!
 
Rasgando o seio imenso, ide saindo
Do fundo tenebroso do Possível,
Onde as formas do Ser se estão fundindo…
 
Abre teu cálix, rosa imarcescível!
Rocha, deixa banhar-te a onda clara!
Ergue tu, águia, o vôo inacessível!
 
Ide! crescei sem medo! não é avara
A alma eterna que em vós anda e palpita…
Onda, que vai e vem e nunca pára!
 
Em toda a forma o Espírito se agita!
O imóvel é um deus, que está sonhando
Com não sei que visão vaga, infinita…
 
Semeador de mundos, vai andando
E a cada passo uma seara basta
De vidas sob os pés lhe vem brotando!
 
Essência tenebrosa e pura… casta
E todavia ardente… eterno alento!
Teu sopro é que fecunda a esfera vasta…
Choras na voz do mar… cantas no vento…
 
II
 
Porque o vento, sabei-o, é pregador
Que através das soidões vai missionando
A eterna Lei do universal Amor.
 
Ouve-o rugir por essas praias, quando,
Feito tufão, se atira das montanhas,
Como um negro Titã, e vem bradando…
 
Que imensa voz! que prédicas estranhas!
E como freme com terrível vida
A asa que o libra em extensões tamanhas!
 
Ah! quando em pé no monte, e a face erguida
Para a banda do mar, escuto o vento
Que passa sobre mim a toda a brida,
 
Como o entendo então! e como atento
Lhe escuto o largo canto! e, sob o canto,
Que profundo e sublime pensamento!
 
Ei-lo, o Ancião-dos-dias! ei-lo, o Santo,
Que já na solidão passava orando,
Quando inda o mundo era negrume e espanto!
 
Quando as formas o orbe tenteando
Mal se sustinha e, incerto, se inclinava
Para o lado do abismo, vacilando;
 
Quando a Força, indecisa, se enroscava
Às espirais do Caos, longamente,
Da confusão primeira ainda escrava;
 
Já ele era então livre! e rijamente
Sacudia o Universo, que acordasse…
Já dominava o espaço, onipotente!
 
Ele viu o Princípio. A quanto nasce
Sabe o segredo, o gérmen misterioso.
Encarou o Inconsciente face a face,
Quando a Luz fecundou o Tenebroso.
 
III
 
Fecundou!… Se eu nas mãos tomo um punhado
Da poeira do chão, da triste areia,
E interrogo os arcanos do seu fado,
 
O pó cresce ante mim… engrossa… alteia…
E, com pasmo, nas mãos vejo que tenho
Um espírito! o pó tornou-se idéia!
 
Ó profunda visão! mistério estranho!
Há quem habita ali, e mudo e quedo
Invisível está… sendo tamanho!
 
Espera a hora de surgir sem medo,
Quando o deus encoberto se revele
Com a palavra do imortal segredo!
 
Surgir! surgir! — é a ânsia que os impele
A quantos vão na estrada do infinito
Erguendo a pasmosíssima Babel!
 
Surgir! ser astro e flor! onda e granito!
Luz e sombra! atração e pensamento!
Um mesmo nome em tudo está escrito —
…………………………………………………….
Eis quanto me ensinou a voz do vento.
 
 
1865 — 1874.
Anúncios

2 Respostas

  1. Paulinho,

    Que coisa mais linda! Adorei! Valeu pela part-ilha!

    Abração,
    Adriano Nunes.

    • que bom que você gostou, meu poeta!

      sempre fico MUITO feliz por saber!

      beijo beijo beijo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: