A SURPRESA: ROSTO AO ESPELHO

__________________________________________________________________________

que cara é essa, descobrindo-se no espelho, atrás de cada pêlo de barba?
 
de repente, a surpresa: olhar-se ao espelho e dizer-se, deslumbrado:
 
EU?
UE?
 
interrogar-se sobre si.
 
(mas que diabos é isso (rs)?)
 
olho por olho, dente por dente, ruga por ruga:
 
EU?
UE?
 
o fio da barba, o fio da lâmina, a vida por um fio, sendo revisitada, ante o espelho…
 
interrogar-se de estar sendo:
 
EU?
UE?
 
por uma fração de segundo a gente se vê como a um objeto a ser olhado.
 
aprofundar-se nesse olhar: um certo conhecimento de si contribui, ao menos, para que saibamos o que não queremos da vida. o que querer, do que gostar, como amar, isso podemos ir tentando, podemos ir testando trilhafora.
 
é bom não saber. acho importantíssimo para vida. porém, não saber, em determinada medida, pode representar um (grande) problema.
 
EU?
UE?
 
assim, em meio a divagações, concluir, surpreendido de ser: ah, então é verdade que eu não me imaginei, eu existo…
 
e aceitar, aceitar mais um dia, reafirmando-se:
 
EU
EU
 
e acenar, de si para si, como se acena a um (bom & velho) companheiro de viagem. 
 
e seguir o rumo, batalhando, matando um leão por dia, buscando a trilha do bem-estar & do bem-fazer.
 
(neste fim de semana com feriado, pego estrada com muitos amigos, grandes na minha existência, para um passeio na roça. semana próxima estamos aí. até lá!)
 
beijo terno em todos!
paulo sabino / paulinho.
__________________________________________________________________________
 
(do livro: A descoberta do mundo. autora: Clarice Lispector. editora: Rocco.)
 
 
 
A SURPRESA
 
 
Olhar-se ao espelho e dizer-se deslumbrada: Como sou misteriosa. Sou tão delicada e forte. E a curva dos lábios manteve a inocência.
 
Não há homem ou mulher que por acaso não se tenha olhado ao espelho e se surpreendido consigo próprio. Por uma fração de segundo a gente se vê como a um objeto a ser olhado. A isto se chamaria talvez de narcisismo, mas eu chamaria de: alegria de ser. Alegria de encontrar na figura exterior os ecos da figura interna: ah, então é verdade que eu não me imaginei, eu existo. 
 
 
 
(do livro: Em trânsito. autor: Alberto Martins. editora: Companhia das Letras.)
 
 
 
ROSTO
 
 
que cara é essa
se descobrindo no espelho
atrás de cada pelo
de barba?
 
de longe
levanto as sobrancelhas
e aceno
como se deve
a um discreto companheiro de viagem
 
 
 
(do livro: Poesia completa. autor: José Paulo Paes. editora: Companhia das Letras.)
 
 
 
O POETA AO ESPELHO, BARBEANDO-SE
 
 
o rito
do dia
o ríctus
do dia
o risco
do dia
 
EU?
UE?
 
olho
por olho
dente
por dente
ruga
por ruga
 
EU?
UE?
 
o fio
da barba
o fio
da navalha
a vida
por um fio
 
EU?
UE?
 
mas a barba
feita
a máscara
refeita
mais um dia
aceita
 
EU
EU
Anúncios

2 Respostas

  1. Paulinho,

    Que beleza de postagem!

    Abraços,
    A. Nunes.

    • meu LINDO & TALENTOSO poeta das alagoas,

      é sempre motivo de MUITA SATISFAÇÃO saber que você gosta do que é encontrado neste espaço.

      que BOM!!

      beijo beijo beijo!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: