AQUISIÇÃO FABULOSA

este que vos escreve possui uma estória curiosa com um dos poemas que seguem.
 
ao findar a sua leitura, fiquei fascinado pelos versos e, por um erro de leitura, pensei que eram da autoria de joão cabral de melo neto; mas não. os versos eram dedicados a joão cabral, foram criados PARA joão cabral, e não POR joão cabral.
 
daí, a descoberta: na verdade, linhas poéticas delineadas pelo meu AMADO & TALENTOSO poeta das alagoas, que TANTO ADMIRO por uma série de questões, adriano nunes.
 
antes desse ocorrido, havia dito já ao adriano que, muitas vezes, leio poemas de outros vates, vates que eu e o meu poeta das alagoas admiramos, e vejo que tais poemas poderiam, perfeitamente, ter saído da sua esfero-gráfica afiada, pronta para grandes sobrevôos ao papel.
 
uma aquisição fabulosa feita por adriano, feita por mim, a partir de tudo o que o mestre joão cabral de melo neto nos deixou de herança: 
 
a lapidação do poema, para que este seja, sempre, lançado lindo à língua, sem o peso do vácuo, sem o peso do que não é cheio (paradoxo poético lindíssimo), sem o peso do vazio, do vão.
 
cuidar do texto poético, palavra por palavra, pensá-lo milimetricamente, com precisão cirúrgica, sem proezas supérfluas, sem pretensões precárias.
 
para, assim, devolvê-lo nu aos deuses, devolvê-lo nu, devolvê-lo descoberto, ao seu lugar de origem — ao olimpo, casa dos deuses, ao lado das musas.
 
acompanhando a pérola poética, uma outra que ilustra bem os meios alcançados pelo GRANDE mestre (meu, do adriano) para transportar a sua poesia:
 
o trabalho obstinado com os versos, para que eles abriguem estritamente o essencial; para tanto, o estudo no uso de cada palavra lançada ao papel, lançada ao poema, a fim de extrair todo o sumo que elas, as palavras, têm a oferecer e de, assim, criar as imagens as mais potentes possíveis.
 
(tudo isso sem perder o humor nas linhas, traço forte na poética de joão cabral.)
 
deliciem-se com os poetas a seguir. ninguém se arrependerá das aquisições feitas, aquisições sempre fabulosas.
 
GRANDE beijo nos senhores!
um outro, GIGANTE, no meu poeta das alagoas, adriano nunes!
paulo sabino / paulinho.
__________________________________________________________________________________________
 
(do livro: A educação pela pedra e depois. autor: João Cabral de Melo Neto. editora: Nova Fronteira.) 
 
 
MEIOS DE TRANSPORTE
 
§ O câncer é aquele ônibus
   que ninguém quer mas com que conta;
   não se corre atrás dele,
   mas quando ele passa se toma;
 
   que ninguém quer mas sabe;
   e que um dia ao sair-se do sono,
   lá está, semi-surpresa,
   quase pontual, no seu ponto.
 
§  Sem pontos de parada
   solto nas ruas como um táxi,
   sem o esperar, querer,
   sem ter por que, se toma o enfarte:
 
   táxi que, de repente,
   ao lado de quem não se pensava,
   pára, no meio-fio,
   toma, quem não o vira ou chamara.
 
 
(autor: Adriano Nunes.)
 
 
AQUISIÇÃO FABULOSA  (para João Cabral de Melo Neto)
 
Lapidar o poema.
Lançá-lo lindo à língua,
sem o peso do vácuo.
Palavra por palavra,
 
Sem prematura pressa.
Palavra por palavra,
Sem proezas supérfluas.
Palavra por palavra,
 
Sem pretensões precárias.
Para depois de pronto,
devolvê-lo nu aos deuses,
sem o peso do véu.  
Anúncios

2 Respostas

  1. Amado paulinho,

    Muito obrigado! Estou muito feliz! Salve o “Prosa em Poema”!

    Abraço fraterno,
    Adriano Nunes.

    • sou eu quem agradeço, meu poeta!

      que beleza a sua produção poética!

      salve adriano nunes!

      beijO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: