NA ERRÂNCIA, A CONSTRUÇÃO DE TORRES

errância: vagar pelos caminhos sem saber o destino, sem saber onde a trilha vai dar.

vida: caminhos & mais caminhos que não sabemos, exatamente, onde darão.

a existência é cheia de nuances, de possibilidades, de escolhas.

por isso não existe um caminho CERTO a ser seguido, não existe uma trilha CERTA a ser inventada: por isso erramos.

e, errando, isto é, construindo o rumo mundo afora, vamos inventando os nossos labirintos, vamos confeccionando as nossas vastas redes de salas & galerias que se entrecruzam, na busca pelas coisas que queremos, que ambicionamos, e topando igualmente com coisas que, antes, não procurávamos, para, desta maneira, a construção do ser, sempre em formação, pois que sempre ser errante, pois que sempre ser vago a vagar.

só porque erramos, acertamos: esta é a única maneira de nos forjarmos.

(lembrem-se: não existe um caminho CERTO a ser seguido. a existência é cheia de nuances, de possibilidades, de escolhas: por isso errar, por isso enganar-se, por isso incorrer em erro; por isso erramos, por isso andamos sem um rumo certo, sem saber onde chegaremos.)

poder errar é sinal claro de que possuímos alternativas, de que possuímos liberdade para setas, para segui-las ou não.

assim sendo,

margem de erro: margem de liberdade.

sempre sabedor de que, na errância, a vida é árdua missão.

a vida, na “cadeia” do pensamento (na sua “cela”, na sua “prisão”), dói.

os problemas, estes batem à porta de qualquer um, não é preciso procurá-los.

(o real nos doerá para sempre.)

portanto, é justo construir torres abstratas, construir estruturas elevadas, altivas, que sirvam de fortaleza à luta, porém sabendo que a luta, diferentemente das torres, abstratas, a luta é real.

a construção de fortalezas abstratas, de torres que sirvam à proteção (eu tenho a minha: a poesia!) é de suma relevância, mas é preciso cuidado para que não nos enclausuremos nelas:

afinal, nossa visão se constrói sobre a luta, nossa visão se constrói quando debruçados na vida, quando de olhos atentos a ela.

não desistamos da batalha que a vida é!

não nos fechemos em torres abstratas!

sigamos juntos, em prol de melhorias constantes!

beijo bom em todos!
paulo sabino / paulinho.
___________________________________________________________________________

(do livro: Poesia reunida [1969-1996]. autora: Orides Fontela. editoras: 7Letras / Cosac Naify.)

 

ERRÂNCIA

Só porque
erro
encontro
o que não se
procura

só porque
erro
invento
o labirinto

a busca
a coisa
a causa da
procura

só porque
erro
acerto: me
construo.

Margem de
erro: margem
de liberdade.

 

TORRES

Construir torres abstratas
porém a luta é real. Sobre a luta
nossa visão se constrói. O real
nos doerá para sempre.

Anúncios

2 Respostas

  1. Paulinho,

    Que bom que você consegue reunir as partes num todo belíssimo! Todos nós sonhamos com o poema ideal. Esse poema de Waly é lindo demais, talvez um dos mais belos que já li. Nem sei.

    Beijo no coração,
    A. Nunes.

    • bom saber que um poeta do seu quilate, com o seu talento, gosta do trabalho que este pretinho aqui vem realizando com a poesia.

      isso me dá uma satisfação… que MARAVILHA!

      beijo IMENSO em você, meu poeta das alagoas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: