FRAGMENTOS EM PROSA: A PROSA EM POEMA

abaixo,
 
fragmentos em prosa, isto é, pedaços, trechos, tascos, em prosa, duma prosa disposta em poema.

abaixo,

o que chamaria duma verdadeira & bela: prosa em poema.

fragmentos — pedaços, trechos, tascos — de memórias.

as memórias são fragmentadas. a claridade, neste caso, não é objetiva. o poeta fabrício carpinejar já de-clarou: o passado só tem sentido se permanecer desorganizado.

nesta prosa em poema, a visão do poeta acerca da sua infância, rodeada de tristezas, e da sua confusa adolescência-juventude (período de enfrentamentos, de bravuras, de petulâncias, de atrevimentos, como também de muitas lágrimas & conflitos & sofrimentos), que, relembrada à luz da maturidade, ganha outra dimensão. os problemas da adolescência não são compreendidos na idade madura, porque problemas datados, porque problemas circunscritos apenas àquela realidade, à realidade juvenil — as vigílias, as angústias, as armas utilizadas nos combates travados —. as atribulações perdem o sentido quando vistas de fora, numa outra realidade. ao mesmo tempo, o poeta percebe que, junto à época perdida, preservada apenas na memória, foi-se também um tanto da sua bravura, da sua coragem, foi-se também uma palpitação, um frêmito constante, um inconformismo, foi-se também uma força louca de poesia, uma força bruta & crua, inconformada, a força adolescente que nos joga & nos impulsiona à vida & ao seu desbravamento, desbravamento que é realizado à base de inconseqüências — a inconseqüência é uma das grandes tônicas da juventude —.

a seguir,

fragmentos que re-montam um tanto das histórias traçadas na existência do GRANDE & EXUBERANTE poeta paulo mendes campos:

a primeira infância, que não deixou, no coração do bardo, uma saudade direta, e suas estampas essenciais (as tristezas de sexo precoce, as primeiras letras, o ódio à disciplina, as molecagens & maldades aprontadas);

a reprovação no primeiro ano ginasial e a ida para o colégio interno dom bosco, que, segundo o poeta, foi uma ida acompanhada de muitas lágrimas e uma estada que durou três anos intermináveis de tristezas. aos olhos do poeta, foi uma experiência irremediavelmente infeliz, infeliz até mesmo nas lembranças;

a mudança para o ginásio de santo antônio, onde paulo mendes campos teve acesso a várias liberdades desconhecidas e a histórias mais felizes;

a ida para porto alegre como aluno da escola preparatória de cadetes, a fim de se tornar aviador, e suas aventuras (numa delas, acabou dez dias preso – rs). em dez meses de disciplina, de estudos bélicos, de marchas, ordem unida, o poeta (que havia, já na infância, declarado o seu ódio à “disciplina” – rs) não descobriu, em si, sob a farda, o soldado. foi, definitivamente, um paisano (rs);

o tribunal inopinado que é a adolescência — o julgamento do pai pelo filho & o julgamento do filho pelo pai (as ações do poeta-filho, peralta, difícil, insubordinado, certamente obtinham apenas as reprovações do pai, assim como as ações austeras do pai, relacionadas à educação familiar & escolar, também descontentavam o filho-poeta);

a figura doce & meiga da mãe, concebida, pelo vate, com ternura milagrosa;

o amor pelas mulheres & pelo álcool;

a atração pelas coisas que, segundo o bardo, concentram um poder suicida, concentram um poder de auto-aniquilamento; a atração pelas coisas que existem e que deixam de existir por força dessas mesmas coisas — o vento, o azul, a mulher, a aurora, a tarde arrastando-se no quintal —.

deliciem-se com esta maravilha de prosa poética, com estes fragmentos que, desenhados sob a luz da poesia, conferem um outro matiz (um matiz mais bonito, um matiz mais feliz) aos acontecimentos da vida.

beijo todos!
paulo sabino.

_________________________________________________________________________

(do livro: Melhores poemas. autor: Paulo Mendes Campos. seleção: Guilhermino Cesar. editora: Global.)

FRAGMENTOS EM PROSA

Nasci a 28 de fevereiro de 1922, em Belo Horizonte,
No ano de Ulysses e de The Waste Land,
Oito meses antes da morte de Marcel Proust,
Um século depois de Shelley afogar-se no golfo de Spezzia.
Nada tenho com eles, fabulosos,
Mas foi através da literatura que recebi a vida
E foi em mim a poesia uma divindade necessária.

Da casa em que nasci não me lembro nada.
Contam que via o demônio e o apontava na parede,
Alvoraçadamente, como se fora um anjo.
Minha vida começa em Saúde, arraial da minha infância,
De que cito algumas estampas essenciais:
Eu e Íris brincando no jardim.
Íris no caixão sobre a mesa escura.
A notícia do assassinato de meu tio Arquimedes,
Chegada cautelosamente no serão familiar,
Seu Rodolfo caçador com sua perna de pau
(Derrubou o cacho de cocos com um tiro),
Minha mãe, revólver em punho, procurando ladrão no quintal,
O leproso dos Correios que comia ovos cozidos,
A besta Mascote, a besta Mansinha,
Meu encontro com a morte de um tuberculoso em uma casa desconhecida,
O guizo da mula sem cabeça tilintando na várzea.
Lembro-me da partida sem pena.
Ainda hoje, quando subo os degraus do avião, do navio,
É sempre a mesma emoção, uma alegria doloridamente física,
Uma névoa infantil nos olhos, imitando as lágrimas,
Uma pulsação dentro de mim como antes de um beijo.

Não sei se foi feliz a minha primeira infância.
Não trouxe no coração uma saudade direta
E tive terror dos mascarados e do batuque noturno dos tambores.

Em Belo Horizonte,
Ao grito de “avião! avião!” corria para a rua em uma agitação de fim de
                                                                                           [mundo.
Quantas tristezas de sexo precoce eu tive!
Não sei como dizer de todas as aflições
Quando senti, como um alarme, a violência do corpo.
Muitos anos esperei em dor para ter nos braços a mulher
E quando penso nisso sinto uma vontade pesada de ajoelhar.

As primeiras letras. Meu ódio à disciplina.
O mistério do pátio das meninas.
Minha primeira paixão chamava-se Maria e usava tranças.
Minha segunda paixão chamava-se Maria e tinha olhos bonitos.
A minha terceira paixão chamava-se Maria.

Brincar de grande era a gente mesmo, a correr em cavalos de pau,
Brincar de pequeno era retirar da caixa as figuras recortadas
E tecer os enredos.
As fitas em série aos domingos: O Grande Guerreiro!
Os filmes de cobói: Bob Steele! Buck Jones!
Ruas de Nova Iorque! Tempestade sobre a Ásia!
Os livros! A importância de retirar um livro da Biblioteca Pública!
Robinson, Gulliver, Dom Quixote! O Duplo assassinato da rua Morgue!
Quando veio a revolução de 30 estava de braço quebrado.
As negras se arrastavam da Barroca até a Serra
E aí chegavam famintas, esfarrapadas, apavoradas.
Lembro de meu pai comprando e distribuindo alimentos no armazém.
Da Caixa D’água da Serra, aos oito anos,
Vi pela primeira vez um avião atirar bombas.
Nossas molecagens! Nossas maldades!
Furto de frutas! A incrível pontaria de Mário Carolla!
As brigas da quadrilha do Abrigo Pernambucano.
O desprezo pela polícia, as excursões ao Banheirinho.
As árvores não cresciam em nossas ruas,
A grama não pegava nos jardins,
As lâmpadas não ficavam nos postes.

O resto de coragem física em mim vem desses tempos.

O Colégio Arnaldo, aversão à matemática, nulidade em desenho,
O dedo imenso e estúpido do Padre Coqueiro…

Aos onze anos, armado de revólver, fugi de casa.

Foi o romancista Osvaldo Alves que me vendeu latas de conservas no
                                                                                      [armazém.
Em companhia de Georges e Aristeu,
Demandei Goiás em busca de índios.
A primeira sede violenta,
O desconhecido amedrontando e tentando,
Cardoso, venho lenheiro, homem bom já falecido, que em sua casa na
                                               [Mutuca nos deu cama de palha, café
                                               [com broas e conselhos mansos:

Acho que vocês vão dar uma estopada, meninos. O mundo é grande!
Reprovado no primeiro ano ginasial,
Fui mandado para o colégio inter no de Cachoeira do Campo.
Lágrimas convulsas na primeira noite.
Lágrimas depois em muitas noites.
Conheço a pusilanimidade, a traição, a delação.
Conheço a covardia, a bofetada de um padre.

Feroz e indisciplinado é o coração da infância.

Experiência da solidão:
Um grande pátio com uma paineira e um retângulo no alto
De estrelas.
A saudade à hora do crepúsculo estragou-me todos os outros crepúsculos.
Tragédias do sexo e da afeição
Tiveram apenas o testemunho irreal dos professores.
Minha rebeldia fez-me a vida infeliz.
Meu medo do inferno fez-me a vida infeliz.
Minha sensibilidade fez-me a vida infeliz.
Meu tempo de internato em Dom Bosco, durante três anos intermináveis,
                                               [foi uma coisa infeliz, irremediavelmente
                                               [infeliz, até hoje infeliz.

No segundo ano, segundo a linguagem salesiana,
Comecei a ficar tíbio; participava da Société Impieté
Como um de seus mais revoltados membros.

Devo a Mário Lúcio Brandão minhas primeiras conversas literárias.
Achávamos uma injustiça Abílio Barreto não pertencer à Academia
                                                                    [Brasileira de Letras.
Não esquecer as férias e o esperar por elas;
O sorriso de convivência feliz e de vingança contra o assistente,
Quando a primeira horda de bichinhos de luz invadia o estudo da noite,
prenunciando as férias.
Não esquecer os cigarros fumados sob o risco de dez escasso,
Não esquecer os tapas nas caras dos xibungas, dos decuriões,
Não esquecer nada que seja contra o Colégio Dom Bosco,
Nada que haja escapado à vigilância.
Nenhuma rebeldia.
Alunos fortes que desafiavam professores,
Putas-que-o-pariu na cara deles,
Nada esquecer,
Os que fugiam e levavam os nossos votos de boa sorte,
O ridículo de certos pe-da-go-gos,
A oratória besta de Padre Benedito,
A vaidade de Padre Alcides,
A cara cruel de seu Yzver,
A raposice de um, lambdacismo de outro.
Não esquecer…
Não esquecerei nada.
Seu João Maria me chamava de Laplace:
Não me puniu quando me viu roubar laranjas.
Obrigado, seu João Maria,
seu Vicente era manso e consolava os que choram.
Obrigado, seu Vicente.
Seu Gilberto era um ótimo sujeito.
Obrigado, seu Gilberto.
Era suave o perfume do eucalipto, suave era o ar,
Doces eram as laranjas, as ameixas, as jabuticabas,
Majestosos eram os pinheiros,
Frescas eram as águas nascentes,
Ásperos e belos os caminhos da montanha.
Coisas da natureza, obrigado, obrigado.
Obrigado, amigos meus.

Que contentamento deixar Dom Bosco e seus fantasmas!
Ah! se pudesse levar apenas o aroma das resinas!
Que contentamento tomar o trem na antiga Hargreaves
E voltar à casa. Que alvoroço de abelhas voltar!
Foi em Georges Bernanos que li esta passagem que sempre me comoveu.
A honra e a pouca coragem que possuo herdei-as da criatura, hoje para mim misteriosa, que caminhava sob a chuva de setembro, através dos campos encharcados de água, o coração já cheio do próximo regresso, dos recreios fúnebres, onde a acolheria logo o negro inverno, dos refeitórios invadidos de um hálito gorduroso, das intermináveis missas cantadas, onde uma pequena alma fatigada só poderia compartilhar com Deus o seu tédio — criança que fui e que é hoje para mim como um antepassado. Por que, entretanto, terei mudado? Por que mudarei? As horas me são medidas, as férias vão terminar como sempre e o pórtico negro que me espera é ainda mais negro do que o outro.

Em 1937, fui para o Ginásio de Santo Antônio, em São João del-Rei,
De sadios holandeses franciscanos.
Várias liberdades desconhecidas:
A de fumar,
A de pôr as mãos dos bolsos,
A de fazer rodinhas,
A de sentar-se nos recreios,
A de conversar com maiores e menores,
A de sair aos domingos,
A de namorar,
A de opinião.

Pouco a registrar.
O esporte,
As namoradas sem consistência,
Os primeiros amigos mortos, a desfiar um rosário de tristezas minhas,
Aplicação e desprezo pelos estudos,
Uma adivinhação de poesia nos florilégios estúpidos,
Estudos de gramática portuguesa
(Nasóculos, quotiliquê, ludopédio),
Romances: Júlio Diniz, Júlio Verne, Camilo, Coelho Neto;
Desorientadas e frustradas inquietações políticas e patrióticas;
A amizade dura de Frei Godberto;
Orador do grêmio Literário Jackson de Figueiredo;
A vontade de escrever uma coisa;
O medo da morte;
O medo do tempo.

Registrem-se ainda algumas ternuras da memória:
A voz grossa e rápida de Frei Rufino,
A vaguidão de Frei Lau querendo escrever com o charuto,
O irrepreensível Frei Norberto,
O sorridente Frei Virgílio,
Un tas de choses,
Coisas inocentes que gelam dentro de mim um bloco de saudade.

Ginasial — é o grau de instrução que tenho.
Em 1940, em Porto Alegre,
Aluno da Escola Preparatória de Cadetes,
Queria ser aviador.
Em dez meses de disciplina, de estudos bélicos,
De marchas, de ordem unida, maneabilidade,
Manobrando fuzis e metralhadoras,
Não descobri dentro de mim, sob a farda, o soldado.
Fui definitivamente um paisano.

Elza era delicada e ia ser dentista.
Altamira apaixonou-me logo, muito branca de olhos verdes.
Uma judia guardei como lembrança de perfeição adolescente.
Também as decaídas inesquecíveis.
As putas são ásperas e guardam purezas intratáveis.

Os dias de acampamento ficaram inesquecíveis
Com suas estrelas
Suas alvoradas em cima do Guaíba,
E o brincar de guerra em correria pelos montes.
Inesquecível minha fuga, à noite, por uma corda
E os dez dias de cadeia que se seguiram
Ao lado de um colega de pincenê que lia O Vento Levou.
Em Florianópolis, um catraieiro me salvou de morrer afogado.
Inesquecível.

A adolescência é um tribunal inesperado:
O julgamento do pai pelo filho,
O julgamento do filho pelo pai.

Nesse conflito de culpas, apreensões, incertezas,
Está o mistério dos caminhos da vida sempre errados.
Toda a perplexidade do homem cabe no encontro do pai e do filho
Quando se encaram com um rancor de acusados à luz da madrugada.
Cabe às mulheres a melhor parte do amor e do sofrimento
Porque as mães não podem julgar.
Na ternura milagrosa das mulheres
É como se o filho não houvesse se desprendido do ventre —
E este é o mais simples e doce de todos os mistérios.
 
Em 1939, cursando o primeiro ano complementar de Odontologia.
Ainda tonto e feliz da liberdade, caí de amores.
Chamava-se Maria e era linda e magra.
Que sofrimento olhar o tempo quando se ama.
Só a lembrança de teu chapéu de palha, Maria,
Nas tardes cálidas do Minas Tênis me arrancariam muitas lágrimas.
Fantasiou-se de pirata no carnaval e me deixou.
Morreu tuberculosa, de repente. Fui à missa de sétimo dia.
Desde então me arrepio quando escuto o Dies Irae.
 
Outra Maria. Maria Elvira.
Deu-me o carinho de suas pernas claras.
Obrigado, Maria.
Simpáticas como você há poucas.
Poucas têm olhos cinzentos tão lindos quanto os seus,
Poucas tanta fraqueza no desejo da carne como você.
 
Vem de longe, dos tempos de ginásio, o meu gosto pelo álcool.
Vem de mais longe talvez, de regiões oprimidas da infância,
De um ancestral incompetente, de uma horda de heranças infelizes,
Uma vontade de falar, de cuspir.
 
Folha morta, déçà, délà, fui arrastado pelas ruas
Na tranqüilidade fresca da madrugada de Minas.
Havia um poder suicida em cada coisa:
O vento era uma coisa forte e me estremecia,
O azul era uma coisa forte e me estremecia,
A mulher era uma coisa forte e me estremecia,
A aurora, a tarde arrastando-se no quintal,
Tudo me estremecia e me empurrava para a vida e para a morte.
Em meus versos havia uma força louca de poesia,
Nos pensamentos meus e alheios radiavam deuses violentos,
Em todos os meus gestos, uma grandeza pensada e magnífica.
 
Ó confusa adolescência! já não entendo teu clamor,
Tuas vigílias, tuas angústias, as armas de teu combate.
Meu rosto está sereno quando penso em ti
Mas bem no íntimo tenho uma vontade de unhar-me,
De esbofetear-me, de morrer. Morreu contigo
O sol denso da tragédia. Morreu contigo
O pássaro rubro amigo de meu ombro. Morreu contigo
Uma palpitação, um frêmito constante. Morreu contigo
Meu inconformismo cruel, minha dignidade na desgraça. Contigo
A parte de mim mais infeliz e fiel.
Anúncios

7 Respostas

  1. Gostei muitíssimo, quer da sua introdução ,quer do longo poema em prosa ou prosa poética enviados. E muito de saber que a antologia era de um dos melhores professores que tive na vida:guilhermino César, infelizmente já falecido . Foi meu professor quando esteve uns 2 ou 3 anos como professor de Literatura Brasileira. Com ele aprendi a amar Drummond, de quem ele era amigo e outros…que eu já congecia, mas aprendi a conhecer melhor, na Universidade de Coimbra. Uma personalidade única. Infelizmente tenho tentado encontrar livros de poesia dele dele mas não parece haver no mercado brasileiro e muito menos no português.

    • amelia, querida,

      que GRATA coincidência! que BACANA saber que você conheceu o guilhermino cesar sendo uma de suas alunas! salve!

      melhor ainda é saber que você gostou desta publicação.

      é MUITO BOM contar com a sua presença neste espaço, amelia.

      beijo ENORME!

  2. Que bom estar aqui lendo estes fragmentos em prosa de Paulo Mendes Campos e me deparar com o comentário de Amelia sobre o Professor Guilhermino César, uma lenda, uma grande literato, uma Memória Poética Literária, para seus alunos e muitos escritores de nossos tempos…

    Bom estar aqui Paulo, sempre em conexões de amor de construção. Beijos.

    • carmen, querida,

      bom mesmo é contar com a sua presença & com as suas belas palavras neste espaço.

      isso é muito bacana!

      salve paulo mendes campos! salve guilhermino cesar!

      beijo GRANDE!

  3. Salve este tempo internetês, onde aproximamos ideias, poemas, amigos, crescimento a todos e diminuimos fronteiras… boa noite, bom dia e seguimos, Paulo.

    Beijos.

  4. beijO! 🙂

  5. Beleza!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: