ADEUS

adeus também foi feito para ser dito.
 
(adeus, adeus…)
 
todos os dias é um “vai & vem”.
 
a vida vem em ondas, como o mar.
 
tudo o que um dia se inicia, um dia termina.
 
em alguns momentos é muito duro dizer adeus, em alguns momentos é muito difícil assistir, de perto, ao fim de determinadas coisas, porém o fim de determinados fatos é necessário.
 
quando as palavras estão gastas e o que ficou não chega, não basta, para afastar o frio de quatro paredes, quando gastos os olhos com o sal das lágrimas, quando gastas as mãos com a força de terem sido apertadas, quando gasto o relógio — o tempo — e gastas as pedras das esquinas em esperas inúteis, quando sobrar apenas o silêncio, a boca muda, quando sobrar apenas a falta do verbo:
 
adeus.
 
se não há nada para dar, se, dentro, não há nada mais que peça a água de um corpo que, outrora, foi o aquário de uns olhos-peixes, peixes verdes, peixes imersos naquela natureza aquática, se as coisas não mais estremecem, quando murmurado o nome de quem se ama, no silêncio do coração, se o passado é inútil como um trapo, se, como já dito, as palavras estão gastas:
 
adeus.
 
beijo todos!
paulo sabino.
_________________________________________________________________________________________________________
 
(do livro: Poemas de Eugénio de Andrade. seleção: Arnaldo Saraiva. autor: Eugénio de Andrade. editora: Nova Fronteira.)
 
 
 
ADEUS
 

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sol das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.

E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

 

2 Respostas

  1. Ótima lembrança, recomendação, indicação, apresentação e seleção. O entusiasmo é tanto com a boa poesia que um atrevimento nunca é demais…

    Entre os teus lábios

    Entre os teus lábios
    é que a loucura acode,
    desce à garganta,
    invade a água.

    No teu peito
    é que o pólen do fogo
    se junta à nascente,
    alastra na sombra.

    Nos teus flancos
    é que a fonte começa
    a ser rio de abelhas,
    rumor de tigre.

    Da cintura aos joelhos
    é que a areia queima,
    o sol é secreto,
    cego o silêncio.

    Deita-te comigo.
    Ilumina meus vidros.
    Entre lábios e lábios
    toda a música é minha.

    • Edu,

      que atrevimento pra lá de BOM!

      ADOREI os versos, LINDOS!

      abraço GRANDE!

Deixe uma resposta para prosaempoema Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: