AVISO AOS NAVEGANTES — VIAGEM

_______________________________________________________________________________________________________

prezados,

18 de junho (segunda-feira), pela manhã, embarco para uma viagem de duas semanas com grandes & queridos amigos, onde comemorarei as minhas 36 primaveras a serem vencidas no dia 24 de junho, domingo próximo.

para a viagem não levarei computador, de modo que o meu acesso à máquina, durante esse período, será restrito. pode ser que não consiga publicar coisa alguma nestas duas semanas de viagem. levarei pelo menos 2 livros & penso em aproveitar parte do tempo para preparar, ao menos, uma publicação para o “prosa em poema”.

retorno ao rio de janeiro no dia 2 de julho, e, com o retorno, à regularidade de, no mínimo, uma publicação semanal.

aproveito o aviso para deixar-lhes uma bela prosa poética, prosa que realça o encanto de estâncias onde se avistam todos os movimentos dos que partem & dos que voltam, dos que ainda têm a  força de querer, dos que ainda têm o desejo de viagens ou de riquezas.

as minhas riquezas: sempre ligadas ao bem-estar do ser.

e comigo sempre esta certeza: as viagens são os viajantes.

beijo todos!

_______________________________________________________________________________________________________

(do livro: Poesia e Prosa – Volume único. autor: Charles Baudelaire. organização: Ivo Barroso. tradução: Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. editora: Nova Aguilar.)

XLI

O PORTO

 

 

O PORTO é uma estância encantadora para a alma fatigada pelas lutas da vida. A amplitude do céu, a movediça arquitetura das nuvens, as colorações cambiantes do mar, a cintilação dos faróis, constituem um prisma singularmente adequado a recrear os olhos sem nunca os entediar. As formas esbeltas dos navios, de complicadas enxárcias, aos quais o marulho imprime oscilações harmoniosas, servem para entreter na alma o gosto do ritmo e da beleza. E, sobretudo, há uma espécie de prazer misterioso e aristocrático, para aquele a quem já não resta curiosidade nem ambição, em contemplar, esquecidamente, deitado no miradouro ou debruçado no quebra-mar, todos os movimentos dos que partem e dos que voltam, dos que ainda têm a força de querer, o desejo de viagens ou de riquezas.

Anúncios

2 Respostas

  1. Conheci hoje e gostei muito! Parabéns! Pelo blog e pelo seu aniversário no dia 24! BOA VIAGEM!

    • Muitíssimo obrigado, Ale!

      Bom saber que gostou!

      A casa é nossa!

      Abraço grande!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: