DAR-SE, DE PRESENTE, O PRESENTE

_____________________________________________________________

nihil: do latim, pronome indefinido neutro que significa “nada”, “coisa nenhuma”.

 nada (nenhum deus, ou deuses) sustenta, no nada (no silêncio escuro que é o universo), esta terra onde vivemos.
 
nada (nenhum deus, ou deuses) sustenta este ser que sou eu.
 
nada (nenhum deus, ou deuses) sustenta a beleza que o dia descerra.
 
nada (nenhum deus, ou deuses) sustenta a beleza que a noite acendeu.
 
nada (nenhum deus, ou deuses) sustenta esse sol que ilumina enquanto erra, nada sustenta esse sol enquanto vagueia (enquanto ilumina sem o propósito de iluminar), pelas estradas do breu.
 
não acredito em deus porque nunca o vi. se ele quisesse que eu acreditasse nele, sem dúvida viria falar comigo, dizendo-me: “aqui estou!” 
 
há metafísica bastante em não pensar em nada. a experiência humana, sem deus ou deuses, é já uma experiência transcendental pelo tanto de achados & riquezas que se nos apresentam todos os dias, vidadentro.
 
viver a vida que se apresenta ao alcance das nossas parcas mãos, viver a vida que se apresenta diante dos olhos, materializada: viver a vida: 
 
por isso, por que não me deitar sobre o gramado, se o consente o tempo (se há tempo para tanto), e há um cheiro de flores & verde & um céu azul por firmamento & a brisa, displicentemente, acaricia-me os cabelos? e por que não, por um momento, nem me lembrar que há sofrimento no mundo e, ouvindo os pássaros ao vento, de repente, dar a mim mesmo este presente? por que não dar a mim mesmo, já que me permite o tempo, o momento de um instante feliz & sereno? por que não dar a mim mesmo, já que me permite o tempo, este presente, este mimo, este regalo? 
 
permitir-se presentes no presente: caminhos para o melhor viver. 
 
a vida é uma só. por isso, é melhor que saibamos aproveitá-la. não sou mais tolo (como quando mais jovem, a reclamar de tudo), não mais me queixo (como quando mais jovem, a queixar-me de tudo):
 
enganassem-me mais, desenganassem-me mais; mais rápidas, mais vorazes & arrebatadoras; mais volúveis, mais voláteis; mais aparecessem para mim & desaparecessem; mais velassem, mais desvelassem, mais revelassem & mais tornassem a velar mais (isto é: mais re–velassem, mais velassem novamente):
 
eu viveria tantas mortes, morreria tantas vidas, e jamais me queixaria, jamais!
 
apesar dos pesares, sou um apaixonado pela vida — não sou mais tolo, não mais me queixo. viveria todas as vidas que me fossem possíveis, apesar dos pesares, apesar dos desenganos.
 
todavia, a via-vida é uma só. 
 
paulo sabino: apenas nesta existência aqui, não mais.
 
vida: livro que não pode ser relido. 
 
vida: uma única chance, não mais. 
 
portanto, como única chance, é melhor que valha.
 
vida: valeu! não a repetirei jamais!
 
beijo todos!
paulo sabino.
____________________________________________________________
 
(do livro: Porventura. autor: Antonio Cicero. editora: Record.)
 
 
 
NIHIL
 
 
nada sustenta no nada esta terra
nada este ser que sou eu
nada a beleza que o dia descerra
nada a que a noite acendeu
nada esse sol que ilumina enquanto erra
pelas estradas do breu
nada o poema que breve se encerra
e que do nada nasceu
 
 
 
PRESENTE
 
Para Eucanaã Ferraz
 
 
Por que não me deitar sobre este
gramado, se o consente o tempo,
e há um cheiro de flores e verde
e um céu azul por firmamento
e a brisa displicentemente
acaricia-me os cabelos?
E por que não, por um momento,
nem me lembrar que há sofrimento
de um lado e de outro e atrás e à frente
e, ouvindo os pássaros ao vento
sem mais nem menos, de repente,
antes que a idade breve leve
cabelos sonhos devaneios,
dar a mim mesmo este presente?
 
 
 
APARÊNCIAS
 
 
Não sou mais tolo não mais me queixo:
enganassem-me mais desenganassem-me mais
mais rápidas mais vorazes e arrebatadoras
mais volúveis mais voláteis
mais aparecessem para mim e desaparecessem
mais velassem mais desvelassem mais revelassem mais re-
velassem
mais
 
eu viveria tantas mortes
morreria tantas vidas
jamais me queixaria
jamais.
 
 
 
VALEU
 
 
Vida, valeu.
Não te repetirei jamais.
Anúncios

2 Respostas

  1. Muito bom, querido! Saudades, só do mundo que ainda não vivemos. Para o qual partimos com a bagagem acumulada na existência que, ‘pelo que já foi, valeu!’ Grande beijo!

    • QueridÍSSIMO,

      Saudades suas também!

      Quando estiver na área, avise! Os nossos encontros são sempre muito divertidos!

      Beijo GIGANTE!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: