UM PARA DENTRO TODO EXTERIOR

____________________________________________________________
 
o mundo possui os seus mistérios embora destes não faça segredos: se se for capacitado a desvendá-lo, a desvendar o mundo, bem; se não, bem também. a questão do desconhecimento do mundo não está no mundo, mas na carência nossa de instrumentação necessária ao conhecimento do mundo, à apreensão das coisas mundanas: todas as coisas ao alcance dos dedos.
 
o mundo é um: o mundo, e nada mais. o mundo é um: único, ímpar, singular, ele & nada mais.
 
nada é o que há para além do que há, nada é o que há para além do que se compõe mundo, para além do que se impõe existência.
 
o mundo é um todo exterior: se o homem não possui olhar capacitado a enxergar, sem a ajuda de aparelhos, os átomos dançando ao vento, isso não é problema do mundo. não é o mundo que esconde os átomos que bailam ao vento: é o homem que não possui a capacidade de enxergá-los a olho nu.
 
por essa & por outras incapacidades o homem apreende o seu entorno de maneira errante, de modo movediço.
 
o mundo, assim, à nossa experiência, torna-se um “para dentro” (necessita-se de um aprofundamento no conhecimento de qualquer objeto que se queira bem conhecer) “todo exterior” (o mundo está à mostra, às vistas de quem possa ver o que está às vistas).
 
o mundo (à nossa experiência): o oculto às claras, fundura em superfície, o mistério sem segredos:
 
nada é o que há para além do que há, nada é o que há para além do que se compõe mundo, para além do que se impõe existência.
 
(nada a esconder mesmo que muito por saber…)
 
o mundo é mistério não porque seja misterioso mas porque não possuímos a capacitação necessária para enxergá-lo na sua totalidade & em suas especificidades.
 
somos muito muito muito pouco ante a sua grandeza.
 
(pensem a respeito.)
 
beijo todos!
paulo sabino.
____________________________________________________________
 
(autor: Paulo Sabino.)
 
 
 
UM PARA DENTRO TODO EXTERIOR
 
 
nada  a  esconder
mesmo  que
muito  por
saber
 
o  mundo
é  um
para  dentro
todo  exterior
 
nada
é  o  que  há
para  além
do  que  há:
 
o  oculto
às  claras
 
fundura
em  superfície
 
o  mistério
sem  segredos:
 
todas  as  coisas
ao  alcance  dos  dedos
Anúncios

2 Respostas

  1. Lindo e inspirador, ‘Amoreco’ querido (e agora com exclusividade.. rsrsrs)!!!….sim, “somos muito pouco ante sua grandeza”… mas, sendo parte constituinte desta grandeza… que, por não reconhecermo-nos enquanto tal, ao mundo e a nós como um todo, seguimos nas brumas deste mistério….. “não porque seja misterioso, mas porque não possuímos a capacitação necessária para enxergá-lo na sua totalidade”…. besos, desde acá, en esta historia, ‘que es una red, y no una via’…

    • Amorecoooo! E com exclusividade (rs rs rs)!

      Você, como sempre, muy requintado nos seus comentários.

      Adoro receber visitas suas aqui neste espaço, apareça mais, apareça SEMPRE!

      E, por favor, vamos marcar um encontro quando você estiver por estas bandas!

      Beijo IMENSO!
      Saudades INFINITAS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: