ANTIMÉTODO

Estante anti-método

(Na foto, a estante que é, em si, o próprio antimétodo.)
_____________________________________________________________
 
para mim não existe método à leitura dos livros de poesia. (e à de quaisquer outros.)
 
não existe método à publicação dos poemas neste espaço.
 
a leitura de poesias, as publicações deste espaço, se dão de forma caótica.
 
não há método para leituras, publicações, audições de música: tudo se dá de forma desordenada, tudo se dá de forma desorientada.
 
assim, vidafora, desoriento-me sem qualquer método ou sem qualquer fim (sem qualquer finalidade, sem pragmatismos).
 
desorientando-me sem qualquer método, pode-se dizer que o “antimétodo” é o método de vida escolhido.
 
a orientação: seguir a desorientação.
 
o método: seguir o antimétodo. 
 
vou & não vou, mas vou: na desorientação seguida, na total falta de método, transformações ocorrem: durante o percurso, parte do ser vai, parte do ser não vai, mas o ser — o todo — vai, o ser continua sua caminhada. o ser segue sua sina.
 
vou & não vou, mas vou: caio sem alardes. o que tiver de tombar, o que tiver de cair, o que tiver de despencar, do ser, caia, tombe, despenque, do ser, sem alardes. parte natural do processo: deixar, ao longo da caminho, cair as máscaras que não servem mais enquanto outras novas são forjadas.
 
(caio sem alardes: aquele que se propõe ao antimétodo bem sabe da existência dos riscos de quem se põe ao sabor das errâncias.)
 
o que é & não é: mas é: o ser: eu sou & não sou, tudo ao mesmo tempo já, desordenado, desorientado, contraditório, múltiplo: di-verso.
 
o que é & não é: mas é: o ser: “desorientar-me” é meu método.
 
desoriento-me sem qualquer método: pois “desorientar-me” é a regra, “desorientar-me” é minha escolha, meu método.
 
pouco a pouco, embaralho tudo & nada (assuntos, livros, filmes, discos, os mais diversificados).
 
(vou & não vou, mas vou. o que é & não é: mas é.)
 
sou meu próprio espantalho: fujo de mim mesmo. finjo-me da minha própria esfinge (sempre um enigma): algo de mim me escapa, algo de mim desconheço, algo de mim não alcanço. 
 
(eu prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter a mesma velha opinião formada sobre tudo: sobre, inclusive, o que eu “nem sei quem sou”…)
 
perdido em meu labirinto, sou o que sou (será o paulo sabino a imagem que o paulo sabino tem de si, perdido em seu próprio labirinto?) ou minto (para mim)?…
 
sou o que sou ou a imagem que projeto de mim é falha? será isso uma regra secreta, uma regra escondida até de mim mesmo (projetar uma imagem equivocada de mim)?
 
afinal, sem qualquer fim (sem qualquer finalidade, sem pragmatismos), desoriento-me sem qualquer método: “desorientar-me” é meu método.
 
ser humano: incompleto, inconstante, inacabado, imperfeito: ser em permanente construção: ser humano: lugar de passagem: ponte entre o que vai fora & o que vai dentro do ser.
 
(vou & não vou, mas vou: o que é & não é: mas é: eu prefiro ser esta metamorfose ambulante. sempre sempre sempre.)
 
beijo todos!
paulo sabino.
_____________________________________________________________
 
(do livro: Ciranda da poesia — Sebastião Uchoa Leite por Franklin Alves Dassie. autor dos poemas: Sebastião Uchoa Leite. editora: EdUERJ.)
 
 
 
ANTIMÉTODO
 
 
Desoriento-me
Sem qualquer
Método
Ou sem
Qualquer fim
Vou e não vou
Mas vou
Caio sem qualquer
Alarde
O que é
E não é: mas é
Desorientar-me
É meu método
 
 
 
ANTIMÉTODO 2
 
 
Pouco a pouco
Embaralho tudo e nada
Sou meu próprio
Espantalho
Fujo
De mim mesmo
Finjo-me
Da minha própria
Esfinge
Perdido em meu próprio
Labirinto
Sou o que sou
Ou minto? Será isso
Uma regra secreta?

2 Respostas

  1. Rsrsrsrs, gostei da estante, é bem como as minhas! Do caos, sai a ordem, faça-se poesia sempre, parece dizer Sebastião Uchoa Leite, e confirmar Paulo Sabino. Faça-se poesia ! Caótica, ordenada, rota, costurada, indo e vindo, colada, recortada, levantando e caindo, enviesada, alinhavada, embaralhando e fingindo, mas sempre “poemando” ! Faça-se a luz! Beijos, Paulo.

    • Que maravilha as suas palavras, Lígia Sacras querida!

      Que a luz se faça através da luz que emanam os versos, sempre!

      Beijo grande!

Deixe uma resposta para prosaempoema Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: