PROPOSTA

Balões no céu

 

______________________________________________________________________

a proposta:

esquecer a cicuta, esquecer a culpa.

esquecer o gatilho, esquecer o que for preciso (a culpa que atormenta).

esquecer o salto da ponte — para que ir tão longe?

(ir para lugar que, de tão longe, não se pode mais regressar.)

esquecer o gás cianídrico, o gás que sufoca o dia.

(o dia está tão lindo!)

esquecer os ansiolíticos, esquecer os comprimidos que podem levar a um sono eterno, esquecer o que já foi perdido (afinal, a vida é feita de perdas & ganhos, a vida é, também, perder).

esquecer a navalha a faca a adaga a gilete o canivete.

esquecer o edifício mais alto — os nossos vôos devem ser mais altos que o vôo do edifício alto, vôos libertos na imaginação, nos sonhos.

esquecer o trem que passa rápido — as nossas viagens não devem terminar nos trilhos; estes são o início de tudo.

esquecer o mar, o imenso abismo que é o mar — os nossos mergulhos devem ser os mais profundos nas águas da existência.

esquecer o harakiri (ritual suicida, praticado por guerreiros samurais, como forma de expiar & pedir desculpas pelos erros cometidos) — ainda há tanto o que tecer por aqui!, ainda há tantas tramas, histórias tantas, a serem urdidas no pano da vida!

esquecer a gasolina o querosene o álcool — o nosso combustível deve ser o sentimento de mudanças, sentimento que lance fogo àquilo que traz culpa & a (maléfica) sensação de fracasso.

esquecer a pedra no pescoço, as chantagens, o fim do poço.

esquecer o trinta-e-oito & sua bala nada doce, nada saborosa, bala que, posta na boca, sem dissolver em saliva, dispara um sabor de sangue coagulado. (e a porta que abriu jamais se fecha…)

esquecer a forca, a corda no pescoço, esquecer o fogo (que chamusca & machuca).

pensar mais um pouco, um pouco mais…

para, então, com razão, perceber quão distinta (& vibrante & inédita & única & múltipla & sem chances de repetição) é a vida.

a natureza — coloque-a em sua cabeça.

ponha-me em seu coração.

que satisfação seria para mim, algo sem fim!

depois?

bem, depois de esquecer a cicuta, a culpa, o gás cianídrico, os ansiolíticos, a navalha, a faca, a adaga, a gilete, o canivete, a gasolina, o querosene, o álcool, as chantagens, o trinta-e-oito, o fogo, a corda no pescoço, não esquecer que a vida é mais que problemas, não esquecer que a vida é mais que perdas, não esquecer que a vida é mais que fracassos, não esquecer que a vida é também o bicho a flor a criança, e, sobretudo: não esquecer do filme que estreou sábado, para não chegar atrasado!

a vida são quedas. assim sendo:

reconhecer a queda & não desanimar. levantar, sacudir a poeira & dar a volta por cima.

(resistir é preciso se se pensa em tornar mais solidário este nosso mundo cão.)

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________________________

(do blog: QUEFAÇOCOMOQUENÃOFAÇO, de: Adriano Nunes. autor do poema: Adriano Nunes.)

 

 

PROPOSTA  –  para Pedro Nava

 

Esqueça a cicuta, a culpa
Esqueça o barbante, as coisas de antes
Esqueça o gatilho, o que for preciso
Esqueça o salto da ponte, pra que ir tão longe?
Esqueça o gás cianídrico, o dia está tão lindo!
Esqueça os mesmos ansiolíticos, o que já foi perdido
Esqueça os tantos comprimidos, os perigos do íntimo
Esqueça a estricnina, a malícia da esquina
Esqueça os barbitúricos, os muros do mundo
Esqueça a navalha, a faca, a adaga, a gilete, o canivete
Esqueça o cloreto de potássio
Esqueça o edifício mais alto
Esqueça o trem que passa rápido
Esqueça o mar, o imenso abismo que é o mar
Esqueça o harakiri, ainda há tanto o que tecer por aqui
Esqueça a gasolina, o querosene, o álcool
Esqueça o lance súbito sobre o movimentado asfalto
Esqueça os cumarínicos
Esqueça as descargas elétricas, para que pressa?
Esqueça a pedra no pescoço, as chantagens, o fim do poço
Esqueça o trinta-e-oito
Esqueça a forca, esqueça o fogo
Pense mais um pouco,
Um pouco mais…
Então com razão, perceba
Quão distinta é a vida, a natureza,
Coloque-a em sua cabeça,
Ponha-me em seu coração…
— Que satisfação
Seria para mim,
Algo sem fim! —
Depois? Nós dois e o cosmo
Mergulhados no mais intenso propósito.
Não se esqueça, Não se esqueça
Do filme que estreou sábado,
Para não chegarmos atrasados

Anúncios

2 Respostas

  1. Querido Paulo Sabino, poeta amigo,

    tua leitura, sempre atenta, atinge-me o âmago. O âmago de tudo aquilo que quer dizer o poema, e, através de ti, diz mais e além. Muito grato!

    Adriano Nunes

  2. Meu querido & amado & bem-vindo & bem-lindo poeta das Alagoas,

    Sempre eu a agradecer todo o seu talento & sua usina de produção poderosa & luxuosa!

    É um grande prazer & um grande orgulho contar com os seus versos, com seu requintado trabalho poético. Obaaa!

    Beijo grande!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: