PRIMEIRA LIÇÃO

Livro 2

______________________________________________________________________

a primeira lição, segundo a poeta, sobre poesia deve tratar dos gêneros que a poesia comporta.

gênero: segundo o dicionário aurélio: “nas obras de um artista, de uma escola, cada uma das categorias que, por tradição, se definem e classificam segundo o estilo, a natureza ou a técnica”.

gênero: segundo o dicionário houaiss: “cada uma das divisões que englobam obras literárias de características similares [São primordialmente três: lírico, épico e dramático.]”.

a primeira lição: conhecer os gêneros da poesia: apesar de serem primordialmente três (lírico, épico & dramático) segundo a divisão clássica, a poeta os define em mais gêneros, atendo-se, apenas, às características de um deles, às do gênero lírico, que compreende o lirismo.

lirismo: tradução de um sentimento subjetivo, sincero & pessoal. é a linguagem do coração, do amor.

é a linguagem entendida pela poeta, é o gênero que a traduz.

pois a poeta afirma que só consegue ser fiel aos acontecimentos biográficos. mais do que fiel: no fundo, a poeta sente-se “presa” aos acontecimentos biográficos, como se não tivesse escolha de criar uma poesia distante da subjetividade, declamando, assim, aos metros, versos longos & sentidos.

porém, apesar de afirmar que o gênero lírico é o gênero que a comporta, que comporta a sua poesia, a poeta, sentimental como uma portuguesa, não é, apenas, sentimentos; a poeta, sentimental como uma portuguesa, não é, apenas, severa & ríspida: mais que somente sentimentos, mais que somente severa & ríspida, a poeta agora é: profissional.

ou seja: ainda que o seu canto poético seja sentimental como uma portuguesa puramente sentimentos, esse sentimentalismo está submetido a um olhar clínico da poeta, que é uma profissional da escrita, profissional que deve dar à subjetividade a roupagem que a consagre: poesia, sem pieguismos lingüísticos & sentimentalidades baratas.

o poeta é, acima de tudo, um profissional da escrita, não um mero descritor dos acontecimentos biográficos. há que se lançar, sobre os acontecimentos biográficos, os elementos lingüísticos que transmutarão tais acontecimentos em: discurso poético.

o poeta é, acima de tudo, um profissional da escrita, não um mero descritor dos fatos & dos sentimentos. há que se lançar, sobre os fatos & sentimentos, os elementos da linguagem que transformarão tais fatos & sentimentos em: gênero poético.

mais que severa & ríspida, a poeta agora se afirma: profissional.

com todo o sentimento do mundo, asas à poesia!

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________________________

(do livro: A teus pés. autora: Ana Cristina Cesar. editora: Ática.)

 

 

PRIMEIRA LIÇÃO

 

Os gêneros de poesia são: lírico, satírico, didático, épico,
ligeiro.
O gênero lírico compreende o lirismo.
Lirismo é a tradução de um sentimento subjetivo, sincero e
pessoal.
É a linguagem do coração, do amor.
O lirismo é assim denominado porque em outros tempos os
versos sentimentais eram declamados ao som da lira.
O lirismo pode ser:
a) Elegíaco, quando trata de assuntos tristes, quase sempre a
morte.
b)Bucólico, quando versa sobre assuntos campestres.
c) Erótico, quando versa sobre o amor.
O lirismo elegíaco compreende a elegia, a nênia, a endecha, o
epitáfio e o epicédio.
Elegia é uma poesia que trata de assuntos tristes.
Nênia é uma poesia em homenagem a uma pessoa morta.
Era declamada junto à fogueira onde o cadáver era incinerado.
Endecha é uma poesia que revela as dores do coração.
Epitáfio é um pequeno verso gravado em pedras tumulares.
Epicédio é uma poesia onde o poeta relata a vida de uma
pessoa morta.

 

 

O tempo fecha.
Sou fiel aos acontecimentos biográficos.
Mais do que fiel, oh, tão presa! Esses mosquitos que não
largam! Minhas saudades ensurdecidas por cigarras! O que faço
aqui no campo declamando aos metros versos longos e sentidos?
Ah que estou sentida e portuguesa, e agora não sou mais, veja,
não sou mais severa e ríspida: agora sou profissional.

 

Anúncios

4 Respostas

  1. Belo blog, Paulo! Aqui voltarei sempre!
    Abraços do xará
    Paulo da Matha

    • Que bom saber, xará!

      Espero, então, a sua visita! Venha! A casa da poesia é a casa de todos nós!

      Aquele abraço!

  2. Paulo, gostei do texto. Sou uma admiradora da Ana Cristina. Postei um texto sobre ela hoje, se quiser olhar. Abraço!
    http://bibliotecapassional.wordpress.com/2013/06/05/ana-cristina-cesar-a-mulher-antropofagica/

    • Que maravilha saber! Lerei o seu texto, sim! Valeu!

      Aquele abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: