MAIS

Paulo Sabino_Tem muito azul em torno dele

 

___________________________________________________________________________________________________

onda: do mar, meu bem maior. onda: de som, de luz, de magnetismo.

onda: do momento: a vontade, o desejo da hora: desejo de sol, de calor: e o calor é fome; de tudo, mor (maior) é o calor da hora.

sendo o desejo de calor o desejo mor, isto é, o maior desejo, o calor é fome e, sendo faminto, morde tudo, tudo quer, tudo clama.

o verso? bem, o verso quer ver só, o verso quer apenas olhar, entregue à vez (do instante), entregue à voz (do momento), entregue à vida deste mistério, deste singrante segundo, deste segundo navegante, segundo que chega & que passa & onde o desejo é entregar-se ao calor do instante.

entregando-se o poeta ao calor do instante, passa ao segundo passo: passa pra o plano “p” (“p” de ponderação, “p” de palavra, “p” de poesia, “p” de “prosa em poema”, “p” de presente, “p” de “paulo sabino”): sonda o ser do poeta, ronda a sua mente: o nome: paulo. o nome, que lhe é cosmo familiar, que lhe é universo conhecido (dadas a amizade & afinidades que unem o poeta & o nome que lhe sonda o ser, o meu, paulo), sonda o ser do poeta o nome, que lhe é uma espécie de ímã-irmão do signo aceso, ímã-irmão do símbolo luzente (pois o paulo poda palavras na prosa com poesia), sonda o ser do poeta o nome, brasa da alma do agora (o paulo pesa & pondera o presente como a parte primordial do seu papo), sonda o ser do poeta o nome, ponte (o paulo é ponte entre poesia & prosa, o paulo é ponte para palavras).

o poeta põe-se a ver & a ter todo instante, o poeta põe-se a ver & a ter todo presente que o cerca, e justamente por ver & ter todo presente, o poeta põe-se a verter todo instante que o cerca em versos que vai formulando no singrante segundo — segundo navegante, que chega & que passa — ao qual se entrega: na intenção de que seu canto, que diz ser quântico, mínimo, canto que é a sua (grande) poesia, alcance o nome que sonda o seu ser: o nome: o meu: paulo sabino.

adriano nunes, meu poeta das alagoas, ao receber estes seus versos eu só fiz chorar. de alegria. porque eles dizem muito respeito a nós: à nossa amizade, às nossas afinidades, à nossa admiração mútua.

para mim é um luxo sem fim contar com seu talento imenso & sua sensibilidade abissal.

(te amo.)

beijo todos!
paulo sabino.
___________________________________________________________________________________________________

(autor: Adriano Nunes.)

 

 

MAIS  –  Para Paulo Sabino

 

Onda. O calor
É fome, mor-
De tudo, tudo
Quer, tudo clama.
O verso? O ver-

So entregue à vez,
À voz, à vida
Deste mistério,
Deste singrante
Segundo: passo

Pra o plano P:
Sonda-me o ser,
Teu nome, cosmo
Familiar,
Ímã-irmão

Do signo aceso,
Brasa da alma
Do agora, ponte.
E o sonho é mais
Adentro e além.

Ponho-me a ver-
Ter todo instante,
Pra que te alcance o
Meu canto quântico,
A poesia.

Anúncios

2 Respostas

  1. De-mais a mais! Bravo!

    Abraço forte,
    Adriano Nunes

  2. Meu poeta,

    Que maravilha saber! Sensação de dever (bem) cumprido!

    Beijão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: