A PANTERA

Pantera

________________________________________________________

de tanto olhar as grades, seu olhar esmoreceu. agora, seu mundo resume-se a um espaço entre grades, por trás das grades.

de tanto olhar as grades, seu olhar enfraqueceu, perdeu o entusiasmo, e nada mais aferra, nada mais o seu olhar fixa, firma, ataca.

como se houvesse só grades na terra: grades, apenas grades para olhar.

a onda andante & flexível do seu vulto, o gingado do seu caminhar, mostrando a força & a flexibilidade da sua estrutura corpórea, em círculos concêntricos (agora, seu mundo resume-se a um espaço entre grades, por trás das grades), decresce, diminui, e um grande impulso (guardado, certamente, no instinto felino que lhe resta) se arrefece, um grande impulso esfria, desanima, num ponto oculto dentro de si.

seu habitat: a amplidão dos terrenos selvagens.

de repente, bicho negro capturado, bicho negro acorrentado, posto em porão para transporte ultramarino, feito o bicho homem, negro, durante uma época da nossa história.

de repente, seu mundo resume-se a um espaço entre grades, por trás das grades.

de vez em quando, o fecho da pupila — do olhar esmorecido, de tanto olhar as grades — se abre em silêncio. uma imagem, então, na tensa paz dos músculos, na paz muscular em estado de tensão, em estado de alerta, se instila, uma imagem, então, na tensa paz dos músculos, se insinua, se insufla, para, logo em seguida, morrer no coração.

uma imagem (do seu vasto império selvagem quando livre? do seu descanso em árvores? da sua presa fresca? da sua liberdade sem fins?) se instila, para morrer no coração.

ninguém nasceu para uma vida presa entre grades, nem bicho, nem homem.

o bem mais valioso que possuímos — seja bicho, seja homem — é a vida, e, junto à vida, a liberdade para dela dispor.

se desejamos a natureza mais próxima de nós, certo não é prendê-la em aquários, gaiolas ou jaulas. certo é cuidarmos dos espaços naturais, dos espaços onde a natureza jorra, onde a natureza brota, onde a natureza nasce. certo é garantir aos meus irmãos de terra — seja bicho, seja homem — o mesmo direito de vida plena que desejo para mim. certo é termos cuidado para não ferir com a mão esta delicadeza, a coisa mais querida: a glória da vida.

beijo todos!
paulo sabino.
________________________________________________________

(do livro: Coisas e anjos de Rilke. autor: Rainer Maria Rilke. tradução: Augusto de Campos. editora: Perspectiva.)

 

 

A PANTERA

No Jardin des Plantes, Paris

De tanto olhar as grades seu olhar
esmoreceu e nada mais aferra.
Como se houvesse só grades na terra:
grades, apenas grades para olhar.

A onda andante e flexível do seu vulto
em círculos concêntricos decresce,
dança de força em torno a um ponto oculto
no qual um grande impulso se arrefece.

De vez em quando o fecho da pupila
se abre em silêncio. Uma imagem, então,
na tensa paz dos músculos se instila
para morrer no coração.

Anúncios

4 Respostas

  1. grande rilke! que texto lindo! aliás, teu blogue é lindo, paulo! os textos, as fotografias, as músicas… tudo muito tocante e inspirador. fazia um tempo que eu não aparecia por aqui, mas valeu muito a pena ter voltado. abração!

    • Puxa, Ulisses, tão bacana esse retorno, e retorno de uma pessoa como você, que, pelo pouco que percebi, escreve muito bem, português afiadíssimo, e inteligente.

      Que bom que você voltou. E espero que você volte sempre.

      Abraço grande!

  2. Olá Paulo!
    Tudo bem? Gostei muito de ler “A Pantera” nessa versão mais extensa, que eu não tinha tido acesso…
    Pois bem, veja só, cai no seu blog depois de procurar no google o seguinte verso do Rilke “todo tipo de alma é necessária para construir um mundo”.
    Será que você saberia me dizer de qual poema é este verso? Gostaria muito de lê-lo integralmente! E, bem, me pareceu que você é um leitor dedicado do Rilke.

    Desde já agradeço a postagem no blog.

    abraços
    Cris

    • Cris,

      Além do livro de onde “a pantera” saltou, eu li “Histórias do bom Deus” e “As rosas” há bastante tempo, de modo que não sei, não lembro, se o verso citado por você faz parte de algum poema dos livros que tenho ou trecho do “Histórias do bom Deus”, que não é poesia.

      Fico lhe devendo essa.

      Abraço grande!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: