MEU MUNDO, MINHA MOEDA

___________________________________________________________________

Este poema eu fiz pensando em todas as pessoas que fazem do seu corpo o seu território, a sua bandeira — porque sabemos que o corpo também é político.

Às pessoas que moldam e enfeitam ao seu bel-prazer este veículo que nos leva à vida: o corpo, esta carcaça de carne, sangue, osso e aparências.

Meu corpo, minha regra.

Beijo todos!
Paulo Sabino.
___________________________________________________________________

 

Anúncios

6 Respostas

  1. Lindo. Adoro ler você!

    • Martinha,

      Que bom saber, que bom o seu retorno!

      Muito obrigado! Sigamos juntos! 2018 tem livro de estréia!

      Beijo grande!

  2. Belos e profundos Dizeres!!!!!

    • Que bom saber, Horácio!

      Grande abraço!

  3. Linda!!​

    • Que bom saber que gostou, Vanda de Paula!

      Por favor, apareça para mais visitas! Sempre digo que a poesia é a morada de todos que nela desejam abrigar-se.

      Grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: