SEI LÁ, NÃO SEI…
9 de junho de 2015

Cine Olaria_PB

Cine Olaria_2015

(Na primeira foto, o Cine Olaria, em funcionamento, como o conheci na infância & parte da adolescência; na segunda foto, o Cine Olaria nos dias atuais, desativado & abandonado.)
______________________________________________________

Dias atrás, pensei com os meus botões: se existe uma vantagem em nascer em bairro do subúrbio, bairro periférico, portanto, bairro mais pobre, e eu enxergo outras tantas vantagens, é a oportunidade, mais contundente, de entender, através da razão & do sentimento, que a riqueza material — a grana, as ações, as apólices — nada tem a ver com a riqueza de sentimentos que se pode ter para doar.

Toda vez que escuto este poema-canção, toda vez que leio os seus versos, me vem à cabeça Olaria, bairro onde, depois de nascido (no Estácio) & saído do hospital, fui morar.

Um suburbano coração.

Os versos deste poema-canção me vêm à cabeça porque, quando penso em determinada área de Olaria, área que não acho esteticamente bonita mas que ao mesmo tempo acho bela, feliz, aprazível ao olhar, consigo me ver nas linhas poéticas, me espelho na voz do poeta, me digo nos versos do poema-canção.

Porque determinados lugares, que, a princípio, não agradam esteticamente, podem conter uma atmosfera, uma sintonia, uma espécie de “calmaria” & “alegria”, indescritíveis, que não estão na arquitetura, que não estão propriamente na “matéria”, nas construções avistadas.

Em Olaria, a poesia, feito o mar, se alastrou; e a beleza de um lugar no bairro, para entender, tem que se achar que a vida não é só isso que se vê; a vida é um pouco mais do que o percebido pelos olhos, a vida é um pouco mais do que o tocado pelas mãos, a vida é um pouco mais do que o pisado pelos pés.

A beleza de certo local do lugar não me parece “palpável”, “material”. Eu vejo, sinto, percebo, determinado trecho de Olaria em todo o poema-canção.

A incerteza, a dúvida, o desconhecimento da razão de tamanho sentimento por um lugar, em Olaria, que esteticamente seria julgado como feio: sei lá, não sei… Não sei se, toda a beleza de que lhes falo, sai tão-somente do meu coração. Em Olaria, a poesia, num sobe & desce constante, anda descalça, de pé no chão, pobre, primordial, ensinando um modo novo de viver, de sonhar, de pensar, e sofrer.

Olaria: a sua calmaria, o seu silêncio, as suas muitas ruas de casarões, a sua face interiorana, a sua face feia & feliz, a sua pobreza, a sua despreocupação, me formam, me moldam, me conduzem.

Olaria é tão grande que nem cabe explicação.

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________

(do livro: De onde vêm as palavras. autor: Deonísio da Silva. editora: Lexikon.)

 

 

FAVELA: é controvertida a origem deste vocábulo. Pode ter vindo do latim “favilla”, cinza quente, ou de “favu”, o conjunto de alvéolos de uma colmeia, que também se chama cortiço. Nos dois casos, alude-se, por metáfora, a conjuntos de habitações precárias. Quanto à origem, na clássica oposição entre cru e cozido, que segundo alguns teóricos definiu as civilizações, a cinza quente lembra o fogo feito no chão, com o fim de assar ou cozinhar. Os antecessores dos modernos fogões a gás ou elétricos, feitos de ferro, substituíram os fogões de pedra. Mas entre uns e outros dominou um tipo especial de fogão de correntes, afixadas num tripé ou no teto das cozinhas. Ganchos apropriados serviam para que panelas e chaleiras fossem ali dependuradas, embaixo das quais crepitava o fogo do chão, depois tornado brasa e cinza. Vistos de longe, pelas frestas dos barracos ou ao ar livre, onde também eram feitos, esses fogos teriam dado àquele amontoado de casas a aparência de uma colmeia. Outra explicação para o significado de habitação popular é dada por Antenor Nascentes e acolhida pelo “Dicionário Houaiss”: na campanha de Canudos, os soldados ficaram instalados no Morro da Favela, localidade daquela região assim chamada porque ali havia grande quantidade da planta que leva este nome (favela). Quando voltaram ao Rio de Janeiro, “pediram licença ao Ministério da Guerra para se estabelecerem com suas famílias no alto do Morro da Providência e passaram a chamá-lo Morro da Favela.”
______________________________________________________

(autor: Hermínio Bello de Carvalho.)

 

 

SEI LÁ, MANGUEIRA

 

Vista assim do alto
Mais parece um céu no chão
Sei lá…
Sei lá, em Mangueira a poesia
Feito um mar se alastrou
E a beleza do lugar
Pra se entender
Tem que se achar
Que a vida não é só isso que se vê
É um pouco mais
Que os olhos não conseguem perceber
E as mãos não ousam tocar
E os pés recusam pisar

Sei lá, não sei…
Sei lá, não sei…
Não sei se toda a beleza de que lhes falo
Sai tão somente do meu coração
Em Mangueira a poesia
Num sobe e desce constante
Anda descalça ensinando
Um modo novo da gente viver
De sonhar, de pensar e sofrer

Sei lá, não sei…
Sei lá, não sei, não…
A Mangueira é tão grande
Que nem cabe explicação

______________________________________________________

(do site: Youtube. do álbum: Cantoria. canção: Sei lá, Mangueira. versos: Hermínio Bello de Carvalho. música: Paulinho da Viola. intérprete: Caetano Veloso. Participação especial: Paulinho da Viola / Chico Buarque. gravadora: Biscoito Fino.)

Anúncios

“CARNELEVAMEN”
13 de fevereiro de 2015

Paulo Sabino_Boitatá Cortejo_Carnaval 2015

(Cortejo do Cordão do Boitatá — 08/02/2015.)
______________________________________________________

e eis que, na cidade do rio de janeiro, cidade de cariocas, já é tempo de folia momesca, ainda que a folia momesca, oficialmente, comece no sábado.

blocos de rua, confete, serpentina & purpurina espalhados pelo chão: eis que o tempo das fantasias chegou.

o tempo das fantasias chegou: é carnaval: não me diga mais quem é você: amanhã tudo volta ao normal: as diferenças existentes, hoje, não importam: hoje, eu sou da maneira que você me quer, seja você quem for.

o tempo das fantasias chegou: as fantasias mais revelam que escondem: fantasiados, sentimo-nos livres para realizar desejos encobertos: o que fica guardado durante o ano inteiro, no carnaval, revela-se, ganha destaque, e tudo através das fantasias.

o tempo das fantasias chegou: eu quero saber o seu jogo: eu quero morrer no seu bloco: eu quero me arder no seu fogo.

o tempo das fantasias chegou: deixe a festa acabar: deixe o barco correr: deixe o dia raiar.

(revelamo-nos mais nas fantasias do que na realidade pura & dura.)

(a realidade pura & dura é quem nos põe as máscaras, máscaras utilizadas todos os dias, no convívio social.)

que esta alegria fugaz, que esta ofegante epidemia, que se chama carnaval, encha os nossos corações de força, a fim de seguirmos bem nas nossas andanças, apesar dos pesares, mesmo com todos os dissabores que nos reserva a vida.

que, passado o carnaval, sigamos tomados de uma vertigem que conclame um mundo melhor, menos violento & virulento, para todos nós.

divirtam-se!
até a volta!

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________

(do livro: De onde vêm as palavras — origens e curiosidades da língua portuguesa. autor: Deonísio da Silva. editora: Lexikon.)

 

 

CARNAVAL  do italiano carnevale. Primitivamente designava a terça-feira gorda, a partir da qual a Igreja passava a suprimir o uso da carne. Outros estudiosos veem na expressão latina carne, vale (carne, adeus) o étimo mais coerente. Mas carnelevamen, também do latim (prazeres da carne), antes das tristezas e continências da Quaresma, também é uma explicação plausível. Antes de o Carnaval ser a festa que é, chamava-se entrudo (do latim introitu, entrada), porque aqueles três dias são a porta de entrada para a Quaresma. Era pouco mais do que o ato inocente de uns jogarem água nos outros. Bem que muitos estavam precisando de água, pois a higiene pessoal e caseira era deficitária no Brasil de nossos dois Pedros príncipes, que também participavam da folia.

 

 

CARIOCA  do tupi kari’oka, pela composição kara, de kara’iwa, caraíba, homem branco, e oka, casa, casa de branco. A moradia do português, de pedra e cal, foi uma novidade para os índios. As primeiras construções que deram tal qualificação ao habitante do Rio de Janeiro foram erguidas na praia do Flamengo, em 1503, ao lado de um rio que nascia na Tijuca, mas que recebeu também o nome de Carioca. O Largo da Carioca tem este nome porque as águas do rio chegavam ali, no chafariz. Carioca passou a denominar o habitante do município do Rio de Janeiro, e fluminense o do estado. Carioca designa também um tipo de café expresso.
______________________________________________________

(do livro: Tantas palavras. autor: Chico Buarque. editora: Companhia das Letras.)

 

 

NOITE DOS MASCARADOS

 

Quem é você?
Adivinhe, se gosta de mim
Hoje os dois mascarados
Procuram os seus namorados
Perguntando assim:
Quem é você, diga logo
Que eu quero saber o seu jogo
Que eu quero morrer no seu bloco
Que eu quero me arder no seu fogo

Eu sou seresteiro
Poeta e cantor
O meu tempo inteiro
Só zombo do amor
Eu tenho um pandeiro
Só quero violão
Eu nado em dinheiro
Não tenho um tostão
Fui porta-estandarte
Não sei mais dançar
Eu, modéstia à parte
Nasci pra sambar
Eu sou tão menina
Meu tempo passou
Eu sou Colombina
Eu sou Pierrot

Mas é carnaval
Não me diga mais quem é você
Amanhã, tudo volta ao normal
Deixe a festa acabar
Deixe o barco correr
Deixe o dia raiar
Que hoje eu sou
Da maneira que você me quer
O que você pedir
Eu lhe dou
Seja você quem for
Seja o que Deus quiser
Seja você quem for
Seja o que Deus quiser
______________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: Chico Buarque de Hollanda — volume 2. artista & intérprete: Chico Buarque. participação especial: Os 3 Morais. canção: Noite dos mascarados. autor: Chico Buarque. gravadora: Som Livre.)

NO “FLA X FLU”, POESIA: A CASA QUE NÃO É MINHA
22 de outubro de 2014

Chave & Fechadura

__________________________________________________________________

a vida, impreterivelmente, é feita de escolhas.

a fim de alcançar determinado objetivo, muitas vezes, algumas outras possibilidades, possibilidades de outros tantos caminhos, têm de ser deixadas para trás.

escolher é viver. o tempo inteiro, na vida, somos expostos a escolhas, aceitemos ou não. porém, as escolhas, em muitos casos, são inteiramente dispensáveis.

nos casos em que as escolhas são inteiramente dispensáveis & que, mesmo assim, escolhemos, podemos criar, ainda que sem intenção, verdadeiras disputas futebolísticas entre as coisas, onde nos obrigamos a escolher uma delas como quando escolhemos um time de futebol — flamengo OU fluminense — para vibrar & torcer & se emocionar.

determinadas questões não carecem de escolhas.

para determinadas questões, escolhas erguem muros espessos no caminho.

ao meu olhar, as belezas dispostas no mundo não carecem de escolhas. ao meu olhar, as belezas dispostas no mundo nasceram para serem complementares & não excludentes.

costumo dizer isto aqui sempre: a existência é um grande barato pela variedade de belezas que apresenta: variedade de bichos, de plantas, de mares, de rios, de rochas, de cores, de sons, de cheiros, de pessoas.

não seria diferente com as artes: com a arte da palavra, com a arte da música, com a arte do esporte.

portanto, por que escolher:

drummond ou joão cabral? chico ou caetano? anderson silva ou minotauro?

pepê ou rico de souza (dois grandes surfistas brasileiros)? mário de andrade ou oswald de andrade?

pepeu gomes ou armandinho (dois exímios guitarristas)? selton mello ou wagner moura? cartola ou nelson cavaquinho?

nelson piquet ou ayrton senna? clarice lispector ou cecília meireles? paula ou hortênsia (duas feras do basquete)?

mônica ou cebolinha? titãs ou os paralamas do sucesso? joão gilberto ou tom jobim? chacrinha ou sílvio santos? maysa ou elis regina?

antonio cicero ou waly salomão? renato russo ou cazuza? mundo livre s.a. ou nação zumbi?

determinadas questões não carecem de escolhas.

para determinadas questões, escolhas erguem muros espessos no caminho.

ao meu olhar, as belezas dispostas no mundo não carecem de escolhas. ao meu olhar, as belezas dispostas no mundo nasceram para serem complementares & não excludentes.

assim como, na vida, algumas coisas se tratam de escolhas, outras coisas, não; há aquelas para as quais não há o poder de escolha, não há opção: trata-se de sina ou maldição, não se pode afirmar ao certo o que seja.

não fui eu quem escolhi a poesia, não fui eu quem optei por ela. foi a poesia quem me escolheu, foi a poesia quem optou por mim. porque não está nas minhas mãos o poder de decidir quando adentrar a casa da poesia. é a poesia quem escolhe a hora da visita do poeta. não é o poeta o responsável pela decisão.

desse modo, a casa da poesia, essa casa não é minha: a casa da poesia pertence somente à poesia.

minha chave, a chave da minha casa, não serve à casa da poesia, não cabe em sua casa. desconheço a fechadura, desconheço o dispositivo de destrancar a sua porta, e, conseqüentemente, desconheço a metragem, o tamanho, da sua sala (até porque a sala de estar muda de metragem, altera de tamanho, a cada visita realizada).

tudo me é estranho, tudo me é diferente, tudo me é irreconhecível, na casa da poesia.

a cada visita, uma nova casa, uma grande surpresa: nunca se sabe o que encontrar na casa: metragem desconhecida, o teto que nada me diz, o ar estranho da cozinha, o quarto que não é meu, a cama em que nunca dormi, um ambiente que causa certo desconforto — não é certamente confortável estar entre as paredes da casa poética, sem saber se tal construção lírica é segura ou se pode desabar a qualquer momento.

essa casa não é minha.

ser poeta não é opção: é sina ou é maldição.

às coisas que não se tratam de sina, de maldição, nem de escolhas (como quando escolhemos um time de futebol — flamengo OU fluminense — para vibrar & torcer & se emocionar), abrigá-las todas dentro da morada do ser: a existência é um grande barato pela variedade de belezas que apresenta: variedade de bichos, de plantas, de mares, de rios, de rochas, de cores, de sons, de cheiros, de pessoas.

aproveitemos todas!

beijo todos!
paulo sabino.
__________________________________________________________________

(do livro: A sombra do faquir. autor: Mauro Sta. Cecília. editora: 7Letras.)

 

 

FLA X FLU

 

Drummond ou João Cabral
Caetano ou Chico
Anderson Silva ou Minotauro
Pepê ou Rico

Mário ou Oswald
Pepeu ou Armandinho
Selton ou Wagner
Cartola ou Nelson Cavaquinho

Piquet ou Senna
Clarice ou Cecília
Paula ou Hortênsia
Mônica ou Cebolinha

Titãs ou Paralamas
João Gilberto ou Tom Jobim
Chacrinha ou Sílvio Santos
Maysa ou Elis

FHC ou Lula
Antonio Cicero ou Waly
Renato Russo ou Cazuza
Mundo Livre ou Nação Zumbi.

Escolhas erguem muros espessos no caminho.

 

 

ESSA CASA NÃO É MINHA

 

Minha chave aqui não cabe
desconheço a fechadura
e a metragem desta sala.
O teto não me diz nada
o ar da cozinha é estranho.
Claro que não é o meu quarto
onde me deparo agora.
Nunca dormi nesta cama,
nem me sinto bem aqui
depois de todos esses anos.

Ser poeta não é opção
é sina ou é maldição.

O FUTEBOL
19 de junho de 2014

Campo de futebol

___________________________________________________________________

para Chico Buarque, pelo seu aniversário de 70 anos hoje

 

à parte toda a (des)organização promovida pelo comitê responsável pela realização do mundial de futebol, aqui no brasil, & todos os gastos, ainda mal explicados à população, com a produção da copa 2014, num mundial de futebol, o que interessa a quem o mundial interessa é: o futebol.

o futebol, a bola em campo, o rolar da partida.

confesso aos senhores que não sou um grande entusiasta do esporte, mas sei admirar uma bela disputa futebolística. e a copa é um grande momento, momento propício, a grandes partidas de futebol.

e toda grande partida de futebol costuma ser recheada de gols, alguns, de fato, pela precisão & tiro certeiro, verdadeiras obras de arte.

um chute a gol com precisão de flecha & folha seca: pintura mais fundamental.

pintura mais fundamental é um chute a gol com precisão de flecha & folha seca: e que pintura alcançaria toda a beleza que compreende um chute a gol com precisão de flecha & folha seca?

como emplacar o momento do chute a gol, tão belo & tão instantâneo, em que pinacoteca emplacá-lo, como captá-lo para sempre em moldura, nega?

um belíssimo chute a gol é pintura que se perde no ar, vaporosa.

o poeta-compositor sonha em conseguir, na sua canção, efeito igual ao de um belíssimo chute a gol, com precisão de flecha & folha seca, o poeta-compositor sonha em conseguir, com a sua canção, captar o visual de um chute a gol & a emoção da idéia quando ginga — a emoção da idéia do jogador, ao pensar, em milésimos de segundos, junto com sua emoção, junto com sua adrenalina, tática para seu chute a gol, de acordo com sua posição em campo & a dos demais colegas & rivais. e, assim, começam os passes & dribles: para mané, para didi, para mané (a troca de bola entre os jogadores, cavando oportunidades de ataque), mané para didi para mané, para didi, para pagão, para pelé, e canhoteiro (e, de repente, estufa-se o filó da rede, um belíssimo gol).

mas o poeta-compositor não acha que sua canção alcance a beleza de um chute a gol com precisão de flecha & folha seca, considerando-a capenga & desejando anular a natural catimba (a natural manha, astúcia, malícia) do cantor (que é o próprio poeta-compositor).

capenga aos olhos do poeta-compositor, mas, aos olhos deste que festeja, hoje, 19 de junho, os seus 70 anos, os 70 anos do poeta-compositor, uma obra-prima, uma belíssima pintura, emplacada em música & versos.

o futebol, a bola em campo, o rolar da partida: a arte de uma bela partida futebolística: que belos chutes a gol, em campeonatos diversos, nos permitam pinturas que ficarão eternamente emplacadas em nossas memórias.

salve chico buarque!
salve a sua existência na minha!

beijo todos!
paulo sabino.
___________________________________________________________________

(Do livro: Tantas palavras. autor: Chico Buarque. editora: Companhia das Letras.)

 

 

O FUTEBOL

Para Mané, Didi, Pagão, Pelé e Canhoteiro

 

Para estufar esse filó
Como eu sonhei

Se eu fosse o Rei
Para tirar efeito igual
Ao jogador
Qual
Compositor
Para aplicar uma firula exata
Que pintor
Para emplacar em que pinacoteca, nega
Pintura mais fundamental
Que um chute a gol
Com precisão
De flecha e folha seca

Parafusar algum joão
Na lateral
Não
Quando é fatal
Para avisar a finta enfim
Quando não é
Sim
No contrapé
Para avançar na vaga geometria
O corredor
Na paralela do impossível, minha nega
No sentimento diagonal
Do homem-gol
Rasgando o chão
E costurando a linha

Parábola do homem comum
Roçando o céu
Um
Senhor chapéu
Para delírio das gerais
No coliseu
Mas
Que rei sou eu
Para anular a natural catimba
Do cantor
Paralisando esta canção capenga, nega
Para captar o visual
De um chute a gol
E a emoção
Da idéia quando ginga

(Para Mané para Didi para Mané
Mané para Didi para Mané
para Didi para Pagão
para Pelé e Canhoteiro)
___________________________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: Uma palavra. artista & intérprete: Chico Buarque. autor da canção: Chico Buarque. gravadora: BMG.)

QUANDO O CARNAVAL CHEGAR
28 de fevereiro de 2014

Confetes_Carnaval

 

________________________________________________________

carnaval: eis que chegou: festa pagã, de rua, onde, durante dias (que parecem infindáveis), as pessoas dançam, bebem, brincam & vestem suas fantasias.

a gente trabalha o ano inteiro por um momento de sonho, para fazer a fantasia de rei, ou de pirata, ou jardineira. a gente se guarda para quando o carnaval chegar.

eu acredito, piamente, que a gente se desnuda mais quando mascarado. eu acredito, piamente, que a gente se revela mais quando acobertado. eu acredito, piamente, que a gente se mostra mais quando fantasiado.

as fantasias mais revelam que escondem.

na verdade, fantasiados, sentimo-nos livres para realizar desejos encobertos. o que fica guardado durante o ano inteiro, no carnaval, revela-se, ganha destaque, e tudo através das fantasias.

a gente se guarda, o ano inteiro, por um momento de sonho, para fazer a fantasia, para quando o carnaval chegar.

paradoxalmente, é no carnaval, travestindo-se, mascarando-se, que o corpo & o rosto estão mais expostos, mais limpos, mais nus.

revelamo-nos mais nas fantasias do que na realidade pura & dura.

a realidade pura & dura é quem nos põe as máscaras, máscaras utilizadas todos os dias, no convívio social.

nas fantasias, revelamo-nos mais porque, nelas, cabem desejos encobertos que permitimos vir à tona somente por causa das máscaras, somente por causa da maquiagem exagerada, caricatural, somente por causa dos personagens encarnados. e com a grande desculpa na ponta da língua: “quem realiza não sou eu, é a personagem. quem quer, quem deseja, é a personagem, quem age é ela, não sou eu”.

então tá bom…

vamos revelarmo-nus!

um ótimo carnaval para quem a carne é de carnaval!

beijo todos!
paulo sabino.
________________________________________________________

(do livro: Tantas palavras. autor: Chico Buarque. editora: Companhia das Letras.)

 

 

QUANDO O CARNAVAL CHEGAR

 

Quem me vê sempre parado, distante
Garante que eu não sei sambar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu tô só vendo, sabendo, sentindo, escutando
E não posso falar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu vejo as pernas de louça da moça que passa e
não posso pegar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
Há quanto tempo desejo seu beijo
Molhado de maracujá
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
E quem me ofende, humilhando, pisando,
………………………………………….[pensando
Que eu vou aturar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
E quem me vê apanhando da vida duvida que
………………………………………….[eu vá revidar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu vejo a barra do dia surgindo, pedindo pra
………………………………………….[gente cantar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
Eu tenho tanta alegria, adiada, abafada, quem
………………………………………….[dera gritar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar
________________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: Quando o carnaval chegar. gravadora: Universal Music. artistas: Chico Buarque / Nara Leão / Maria Bethânia. canção: Quando o carnaval chegar. autor & intérprete: Chico Buarque.)

POSSIBILIDADES: ALGUNS GOSTAM DE POESIA
20 de fevereiro de 2013

Paulo Sabino_Amante da poesia

_____________________________________________________________

 preferência / predileção: ação de escolher uma coisa entre outras.
 
se a preferência / predileção implica em escolha, o escolhido é uma possibilidade entre outras possibilidades.
 
a preferência / predileção implica em possibilidades de escolha:
 
prefiro os parques de área verde.
 
prefiro os cachorros.
 
prefiro chico buarque a cole porter.
 
prefiro-me gostando das pessoas do que amando a humanidade (amar a humanidade é amar todos. e, no mundo, há pessoas de que não gosto, pessoas com quem não simpatizo).
 
prefiro a cor azul.
 
prefiro não achar que a razão é a culpada de tudo (os impulsos & arroubos têm o seu lugar no mundo).
 
prefiro conversar, se encontro algum médico (amigo ou apenas conhecido), sobre outra coisa que não seja doença.
 
prefiro, no amor, os aniversários não marcados — para celebrá-los todos os dias.
 
prefiro a bondade astuta (que não se deixa enganar, esperta, matreira) à bondade confiante demais (a bondade que confia em si demasiadamente não pondera, não questiona, se, de fato, está sendo boa).
 
prefiro a terra à paisana, prefiro a terra sem fardas & armas & toques de recolher.
 
prefiro os países conquistados aos conquistadores.
 
prefiro o inferno do caos ao inferno da ordem (ao menos no caos estou em ordem com o mundo: confuso desordenado desarrumado inexplicável).
 
prefiro os contos de machado de assis às manchetes dos jornais.
 
prefiro os cães sem a cauda cortada.
 
prefiro os olhos claros porque os tenho escuros.
 
prefiro muitas coisas que não mencionei aqui a muitas outras também não mencionadas.
 
prefiro os zeros soltos do que postos em fila para formar cifras.
 
prefiro o tempo dos insetos (breve) ao das estrelas (eterno).
 
prefiro desvirar o chinelo com a sola para cima.
 
prefiro não perguntar quanto tempo ainda & quando (desejo apenas viver o quanto me for permitido viver).
 
prefiro, inclusive, ponderar, prefiro questionar, a própria possibilidade do ser ter sua razão: será o homem, de fato, um ser pensante, um ser racional? ou, no fundo, um lunático, ser que fundou um mundo de fábulas & fantasias, recheado de deuses, significações absurdas & acontecimentos desastrosos (guerras, escravidões, fome, depredação do meio ambiente)? 
 
porém, independentemente de tudo & mais um pouco:
 
prefiro o ridículo de escrever poemas ao ridículo de não escrevê-los.
 
alguns gostam de poesia. “alguns” — ou seja: nem todos.
 
e esses “alguns” — que gostam de poesia — não chegam a ser a maioria de todos, mas a minoria.
 
(sem contar a escola, onde o estudo de literatura é obrigatório & os próprios poetas seriam talvez uns dois num universo de mil alunos.)
 
alguns — a minoria de todos — gostam de poesia. mas também se gosta de canja de galinha, gosta-se de galanteios, gosta-se da cor azul, gosta-se de fazer o que se tem vontade.
 
no mundo, gosta-se de inúmeras coisas. a poesia — para muitos dos “alguns” que gostam — está apenas entre as tantas outras coisas de que se gosta. desse modo, a poesia — para muitos dos “alguns” que gostam — pode tornar-se um “item” apreciado porém esquecido no fundo de uma gaveta empoeirada ou de um velho baú.
 
alguns gostam de poesia… mas o que é isso: “poesia”?
 
muita resposta já foi dada a essa pergunta & até hoje não se chegou a um consenso. portanto, qualquer resposta é vaga, qualquer resposta deixa a desejar, qualquer resposta não responde exatamente:
 
o que é isso — “poesia”?
 
pois eu digo que não sei, não sei & não sei, e, mesmo não sabendo a resposta, me agarro a ela como a uma tábua de salvação.
 
(a poesia aguça minha inteligência, a poesia melhora meu humor, a poesia me livra das azias existenciais, a poesia imprime ritmo à minha vida.)
 
salve a sua existência na minha!
 
beijo todos!
paulo sabino.
_____________________________________________________________
 
(do livro: Poemas. autora: Wislawa Szymborska. seleção & tradução: Regina Przybycien. editora: Companhia das Letras.)
 
 
 
POSSIBILIDADES
 
 
Prefiro o cinema.
Prefiro os gatos.
Prefiro Dickens a Dostoiévski.
Prefiro-me gostando das pessoas
do que amando a humanidade.
Prefiro ter agulha e linha à mão.
Prefiro a cor verde.
Prefiro não achar
que a razão é culpada de tudo.
Prefiro as exceções.
Prefiro sair mais cedo.
Prefiro conversar sobre outra coisa com os médicos.
Prefiro as velhas ilustrações listradas.
Prefiro o ridículo de escrever poemas
ao ridículo de não escrevê-los.
Prefiro, no amor, os aniversários não marcados,
para celebrá-los todos os dias.
Prefiro os moralistas
que nada me prometem.
Prefiro a bondade astuta à confiante demais.
Prefiro a terra à paisana.
Prefiro os países conquistados aos conquistadores.
Prefiro guardar certa reserva.
Prefiro o inferno do caos ao inferno da ordem.
Prefiro os contos de Grimm às manchetes dos jornais.
Prefiro as folhas sem flores às flores sem folhas.
Prefiro os cães sem a cauda cortada.
Prefiro os olhos claros porque os tenho escuros.
Prefiro as gavetas.
Prefiro muitas coisas que não mencionei aqui
a muitas outras também não mencionadas.
Prefiro os zeros soltos
do que postos em fila para formar cifras.
Prefiro o tempo dos insetos ao das estrelas.
Prefiro bater na madeira.
Prefiro não perguntar quanto tempo ainda e quando.
Prefiro ponderar a própria possibilidade
do ser ter sua razão.
 
 
 
ALGUNS GOSTAM DE POESIA
 
 
Alguns —
ou seja nem todos.
Nem mesmo a maioria de todos, mas a minoria.
Sem contar a escola onde é obrigatório
e os próprios poetas
seriam talvez uns dois em mil.
 
Gostam —
mas também se gosta de canja de galinha,
gosta-se de galanteios e da cor azul,
gosta-se de um xale velho,
gosta-se de fazer o que se tem vontade
gosta-se de afagar um cão.
 
De poesia —
mas o que é isso, poesia.
Muita resposta vaga
já foi dada a essa pergunta.
Pois eu não sei e não sei e me agarro a isso
como a uma tábua de salvação.

FUTUROS AMANTES
8 de dezembro de 2011

_____________________________________________________________
 
só,
 
de frente para o mar,
 
ouvindo o seu lento & duradouro canto,
 
observando o seu sempre movimento de chegada & partida,
 
sou levado a pensamentos imprevisíveis.
 
de olhos liqüefeitos, de repente, não mais que de repente, estes versos à boca:
 
“não se afobe, não / que nada é pra já / o amor não tem pressa / ele pode esperar em silêncio”.
 
carregava uma tristeza. não pensava em outro amor. e esses versos me fizeram despertar para um sentimento gostoso, confortável, de apaziguamento.
 
como que dizendo a mim:
 
“paulo sabino,
 
“não se afobe, não, que nada é para ‘já’, não se afobe, não, que nada é exatamente para ‘agora’, para ‘este instante’. na vida, existe a espera; as coisas não estão dispostas no mundo ao meu bel-prazer, as coisas não estão dispostas no mundo ao bel-prazer de ninguém.
 
“muito menos o amor.
 
“por isso,
 
“não se afobe, não, paulo sabino, que nada é para ‘já’. 
 
“o amor, este não tem pressa, ele pode esperar; esperar, por exemplo, num fundo de armário, esperar, por exemplo, na posta-restante (‘indicação que se escreve no envelope de uma carta para significar que ela deve permanecer na repartição do correio até que a reclamem’ — dicionário aurélio), o amor pode esperar milênios & milênios, no ar, sem ser captado, em silêncio absoluto.
 
“milênios & milênios no ar: passado tanto tempo, criando a distância existente entre os antigos impérios & os dias atuais, passado tanto tempo, viajo, imagino, suponho: o rio de janeiro sendo invadido por este mar, que agora miro, e transformando-se numa cidade submersa, feito a lendária ilha de atlântida. por sobre a cidade do rio submersa em mar, novas civilizações. mais tempo passado. os escafandristas do futuro, então, virão explorar a minha casa, a casa de todos que habitavam a cidade submersa, os escafandristas do futuro virão explorar minha casa, meu quarto, minhas coisas, minha alma, desvãos…
 
“os escafandristas do futuro levarão aos sábios futuros todo o material recolhido nas expedições, e esses sábios, em vão, tentarão decifrar: o eco de antigas palavras, fragmentos de cartas, poemas, mentiras, retratos — vestígios de estranha civilização, civilização com os seus pertences até então milênios & milênios no ar, sem serem captados.
 
“os vestígios resgatados da estranha civilização (fragmentos de cartas, poemas, mentiras, retratos) perdurarão nas civilizações futuras, assim como perduram diversos textos & poemas de impérios antigos na civilização que hoje se vivencia.
 
“já que as coisas, de alguma forma, podem perdurar milênios & milênios no ar, não se afobe, não, paulo sabino, que nada, no mundo, é para logo, é para já.
 
“amores (as suas histórias), estes serão sempre amáveis, amores serão sempre encantadores, sempre afáveis, sempre lisonjeiros, amores serão sempre merecedores de amor, amores serão sempre dignos de serem amados, e, por essa característica que os amores contêm (a de serem sempre amáveis), futuros amantes de civilizações futuras, quiçá, futuros amantes de civilizações futuras, talvez, amar-se-ão, sem saber nem sequer suspeitar, com o amor que eu, um dia, através de cartas, poemas, textos variados, deixei para os que amo.
 
“é, paulo sabino, não se afobe, não, mantenha-se sereno, tranqüilo, que nada é para já…”
 
beijo todos!                                                                                                                                                                   
____________________________________________________________
 
(do livro: Tantas palavras. autor: Chico Buarque. editora: Companhia das Letras.)
 
 
 
FUTUROS AMANTES
 
 
Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios
No ar
 
E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos
 
Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização
 
Não se afobe, não
Que nada é pra já
Amores serão sempre amáveis
Futuros amantes, quiçá
Se amarão sem saber
Com o amor que eu um dia
Deixei pra você
____________________________________________________________
 
(do site: Youtube. canção: Futuros amantes. autor & intérprete: Chico Buarque.)
 

OBSESSÃO
12 de junho de 2010

obsessão:
 
compulsão mania atração fixação motivação.
 
obsessão:
 
a doença no homem.
 
no artista, a saúde.
 
(os temas & assuntos & acontecimentos nas peças de nelson rodrigues, os temas & assuntos & situações nos filmes de woody allen & pedro almodóvar, os traços de picasso, os paradoxos em pessoa, a secura & exatidão nos versos de cabral, a porra-louquice lúcida de waly, o suingue nas músicas de benjor, o esmero nos efeitos poéticos das letras de chico buarque, a precisão das notas na voz & no violão de joão gilberto:
 
a tudo isso: obsessão.)
 
ali a ilha nesse mar tão desmedido, ali a luz no escuro inexpressivo: obsessão diária, renitente, recorrente (minha).
 
 
(a obsessão dos poetas: por mais viciantes o cigarro, o sexo, o álcool, viciam, ainda mais: as palavras.)
 
 
beijo bom & carinhoso em vocês,
paulo sabino / paulinho.
_____________________________________________________________________
 
(do livro: Belvedere [1971-2007]. autor: Chacal. editora: 7Letras / Cosac Nairfy.)
 
 
OBSESSÃO
 
ali a linha
que atravessa
o labirinto
ali o fio
da meada
interminável
 
obsessão
 
(toda peça
— adultérios, incestos, tabus —
a mesma peça
em nelson
todo poema a mesma pancada
em cabral
toda canção a mesma levada
em benjor)
 
obsessão
 
o cara só pensa nisso
a mina não entra em outra
 
obsessão
 
ali a ilha
nesse mar
tão desmedido
ali a luz
no escuro
inexpressivo
 
obsessão 

AVISO AOS NAVEGANTES: A IDA À ILHA – OS ILHÉUS
20 de abril de 2010

navegantes,
 
como na cidade do rio de janeiro teremos dois feriados seguidos (quarta-feira, dia 21, e sexta, dia 23), este que vos escreve decretará seu recesso (rs).
 
ficarei uns dias ilhado, num lugar onde a internet está longe de chegar, cercado por um belíssimo mar, com direito a rio & queda d’água, muito mato e grandes amigos.
 
segunda, dia 26, estamos na área.
 
aproveitando que a viagem será para uma ilha, deixo-os com este belíssimo poema do meu querido amigo, e filósofo e poeta e letrista e ensaísta, antonio cicero. 
 
nunca disse ao cicero, e aproveito para dizer-lhe: sempre que leio este seu poema, chegam-me, de assalto, os versos da belíssima canção “futuros amantes”, do mestre chico buarque. 
 
toda vez imagino os escafandristas das linhas do chico como os ilhéus dos versos do cicero, que pisarão as ruínas de nossas cidades-luzes (rs). vejo-os, os ilhéus, como os exploradores das neo-Atlântidas, como os vasculhadores da cidade submersa na qual o rio se transformará, procurando, esta nova civilização, os vestígios de outra, estranha (& remota).
 
assistam a esta película poética desenhada pela inventividade de antonio cicero! porém, antes, o trecho da canção que sempre me ocorre:
 
 
 
os escafandristas virão
explorar sua casa
seu quarto, suas coisas
sua alma, desvãos
 
sábios em vão
tentarão decifrar
o eco de antigas palavras
fragmentos de cartas, poemas
mentiras, retratos
vestígios de estranha civilização
 
(chico buarque, futuros amantes)
 
 
 
até a volta, benvindos!
beijo grande nocês!
o preto,
paulo sabino / paulinho.
_____________________________________________________________
 
(do livro: A Cidade e os Livros. autor: Antonio Cicero. editora: Record.)
 
 
 
OS ILHÉUS
 
Uma sombra pode vir do céu,
imponderável como as nuvens,
e cair no dia feito um véu
ou a tampa de um ataúde.
E nada impede que se afundem
neo-Atlântidas e arranha-céus
ou que nossas cidades-luzes
submersas se tornem mausoléus.
Em arquipélagos, os ilhéus
pisarão ruínas ao lume
do mar, maravilhados e incréus
e devotados a insolúveis
questões, espuma, areia, fúteis
e ardentes caminhadas ao léu.

REGRA
16 de março de 2010

ela me chegou através de um cunhado seu que já foi um cunhado meu (no meu coração, meu eterno cunhadinho – rs). ela é poeta. ela mora em paris. leciona & pesquisa, estuda, literatura em língua portuguesa. ela possui dois livros publicados.
 
via e-mail, recebi esta bonita, singela e sábia “regra” poética, que me levou a pensar numa questão relacionada a escolhas.
 
na vida, para quaisquer tipos de coisas, vejo pessoas fazendo das suas preferências um grande “ranque”, um tipo de “pódio de chegada”. pessoas que precisam afirmá-las — nos termos do “pódio de chegada”, vale o esclarecimento — para mostrarem, aos outros e a si, que têm muita personalidade (rs). se dependerem de mim, imaginarão sempre que sou um “sem personalidade” (rs).
 
eu, sinceramente, parei com esse jogo.
 
“quem é a maior cantora do brasil, gal costa ou maria bethânia?” “qual é a maior banda de todos os tempos, beatles ou rolling stones?” “quem é o mais foda, chico ou caetano?” “você gosta mais de doce ou de salgado?” “prefere o frio ou o calor?” “é mais rueiro ou mais caseiro?” “quem é o maior poeta brasileiro na sua (personalíssima, evidentemente – rs) opinião, drummond ou joão cabral?” “e o maior escritor, machado de assis ou graciliano ramos?”
 
chega!, cansei (rs). não quero ter que preferir entre uma e outra coisa, não quero ter que escolher o primeiro, o segundo e o terceiro lugares. lugares do quê?, da onde?, do sentimento?, do meu sentimento? mas para o meu sentimento não é preciso esse tipo de “escala dos mais-mais”. não! no meu sentimento todos têm espaço, todos têm as suas grandes importância & contribuição.
 
esse tipo de olhar, o que abriga todos, é claro, não nasceu comigo. somos criados num mundo de muitas competições. as pessoas, muitas vezes, perdem o prumo e passam a competir por quaisquer razões. não considero saudável essa postura.
 
observando o entorno, percebi que as belezas são tamanhas e tantas, que se tornam ainda mais belas porque convivem, coabitam, porque: complementares.
 
belezas não nasceram para exclusão, para catalogação de importâncias, ao contrário: belezas: sempre sempre sempre complementares, e complementares porque singulares, únicas, ímpares.
 
(e viva a diversidade!)
 
seguindo esse viés, tenho, por regra, assim como a autora dos versos a seguir, abarcar o todo-encanto, abarcar tudo que comove como: preferências, nada de fora:
 
de dia, sorver a sua transparência, sequioso.
 
de noite, ab-sorver o impenetrável da noite, esta formosura, escura.
 
isto é: (ir) a tudo!
 
inês cavalcanti, muitíssimo obrigado pelo poemeto. agora aguardo o seu livro.
 
(pensem a respeito das suas escolhas.)
 
beijo em você, poeta.
um outro nos senhores.
o preto,
paulo sabino / paulinho.
_____________________________
 
REGRA (autora: Inês Cavalcanti.)
 
De noite absorver a pura
formosura impenetrável
da noite escura.
 
De dia sorver sequiosa
a transparência formosa
do meio-dia.