UMA ALEGRIA EXCELSA PRA VOCÊ: ABRAÇAÇO, O SHOW
25 de março de 2013

Caetano Veloso_Abraçaço

______________________________________________________________________

O show da nova turnê do Caetano, Abraçaço, realizado sábado (23/03), no Circo Voador (Rio de Janeiro), foi do caralho!

No palco, continua cheio de vigor & disposição. É bom, bonito, feliz, ver o homem velho feito um menino, desferindo suas novas & antigas canções.

O show, vigoroso em sua possança, não esconde o estado emocional atual do poeta-compositor — na verdade, a minha leitura do espetáculo diz que Caetano, no fundo, ainda que intuitivamente, quer demarcar, definir, afirmar, com suas composições, este seu momento.

Não podemos esquecer que dona Canô, mãe & mulher de primordial importância na sua formação (sob todos os aspectos), faleceu há pouquíssimo tempo.

Então, ainda que haja espaço garantido à alegria excelsa (tudo mega-bom, giga-bom, tera-bom!), o espaço à melancolia & tristeza não foi poupado.

Um dos momentos mais emocionantes, ao meu ver, é quando Caetano canta Mãe, pungente canção gravada por Gal Costa em 1978 para o álbum Água viva, canção que soa, diretamente, como uma homenagem à mãe, à falta dela em sua existência. Chorei baixinho, no meu re-canto escuro.

Outro momento muito emocionante (e emocionado) é quando Caetano canta Reconvexo, canção lançada por Bethânia (feita para Bethânia) no seu álbum Memória da pele. Ao entoar o verso: “quem não rezou a novena de dona Canô”, uma lindíssima enxurrada de palmas era lançada ao poeta-compositor.

Um terceiro momento de bastante emoção é quando o poeta-compositor dispara Um índio em homenagem à aldeia Maracanã. Todos nós — o público — estávamos /estamos muito tocados com todo aquele absurdo ocorrido na desocupação do espaço onde moravam os índios da aldeia, bem próximo ao estádio Maracanã, absurdo envolvendo a polícia militar do estado do Rio de Janeiro & sua truculência, tratando a população civil, completamente desarmada, fosse índio, fosse manifestante, fosse pessoa que simplesmente passava na rua, à base de porrada, cacetete & spray de pimenta. Então, quando Caetano entoa Um índio, esse desbunde de poema-canção, dizendo, antes, o que ele disse sobre a aldeia & o Brasil, com aquela lucidez, cantei a música inteira todo arrepiado, embargando a voz.

Caetano, apesar de passar por um momento difícil de perda, apesar da sua tristeza, está feliz com seu canto, eu sei. Esta turnê, de alguma maneira, com a receptividade & o acolhimento dos espectadores, funciona como um afago, um carinho, do público, àquele com quem cantamos tantas lindas & emblemáticas canções. Um abraçaço da platéia. Isso é muito bonito.

Parti para o abraçaço de peito aberto. O público do Circo Voador também. Show memorável para todos os envolvidos.

Caetano segue firme & forte, cravado no centro da minha sensibilidade, como sempre foi, como sempre será.

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________________________

(do livro: Letra só. autor: Caetano Veloso. editora: Companhia das Letras.)

 

 

MÃE

 

Palavras, calas, nada fiz
Estou tão infeliz
Falasses, desses, visses, não
Imensa solidão

Eu sou um rei que não tem fim
E brilhas dentro aqui
Guitarras, salas, vento, chão
Que dor no coração

Cidades, mares, povo, rio
Ninguém me tem amor
Cigarras, camas, colos, ninhos
Um pouco de calor

Eu sou um homem tão sozinho
Mas brilhas no que sou
E o meu caminho e o teu caminho
É um nem vais, nem vou

Meninos, ondas, becos, mãe
E, só porque não estás
És para mim e nada mais
Na boca das manhãs

Sou triste, quase um bicho triste
E brilhas mesmo assim
Eu canto, grito, corro, rio
E nunca chego a ti
______________________________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: Água viva. artista & intérprete: Gal Costa. canção: Mãe. autor da canção: Caetano Veloso. gravadora: PolyGram.)

ASSISTAM: “MARIA BETHÂNIA – MÚSICA É PERFUME”
28 de outubro de 2009

(texto de apresentação do documentário Maria Bethânia — Música é perfume, dirigido por Georges Gachot, lançado em dvd pelo selo Quitanda)
 
Tudo começou no Festival de Montreux, na Suíça, em 1996, quando o documentarista francês Georges Gachot foi a um show de Maria Bethânia pela primeira vez. A perplexidade diante do que viu, o “choque com a presença dela em cena, sua concentração incrível de emoção, seus pés nus”, segundo ele próprio, resultou na vontade imediata de fazer um documentário sobre a cantora. A imersão do cineasta num universo musical completamente desconhecido para ele, o de Bethânia, e por extensão o brasileiro, desaguou na sensibilidade crua de “Maria Bethânia — Música é perfume”.
 
Decidido a fazer o filme, Gachot gastou sete anos, de 1996 a 2003, num processo de pesquisa sobre a cantora e toda a história da música brasileira. “Música é perfume” é, antes de mais nada, uma análise do processo criativo de Bethânia na formação da música popular brasileira. Além da própria Bethânia, que conta curiosidades de família, há depoimentos do irmão Caetano, da mãe Dona Canô, dos amigos Chico Buarque, Nana Caymmi e Gilberto Gil, e também do fiel maestro Jaime Alem.
 
A voz de Bethânia é isso, é aquela que está presente em cada um de nós e, ao mesmo tempo, é a expressão humana e síntese de todo um país. “Música é perfume” capta a simbiose única entre uma voz e um país, até que não se saiba mais onde termina um e começa outro.
____________________________
 
assino embaixo do que foi escrito acima.
(fica a dica.)
 
beijo em todos,
paulo sabino / paulinho.