AOS DESILUDIDOS DO AMOR
2 de março de 2012

_____________________________________________________________
 
sempre sempre sempre digo:
 
carlos drummond de andrade é deus.
 
não. mais que deus.
 
por sobre. acima:
 
um sobredeus.
 
aos senhores, vídeo com a magistral (eu a adoro, morro de paixão!) fernandinha torres interpretando a obra-prima do mestre:
 
necrológio dos desiludidos do amor.
 
o poema gira em torno da ilusão que a desilusão gera no peito de quem se mata por amor na esperança de que a pessoa amada sofra os remorsos do ato suicida & viva, dessa maneira, a história antes deixada para trás.
 
com boa dose de ironia, drummond atenta à inutilidade do ato, pois, com ou sem morte, a vida segue o seu destino & as pessoas, os seus rumos, inclusive a pessoa a quem tanto se queria (a imagem de que se utiliza o poeta, ao final do poema, para tratar da inuitilidade do suicídio, é fantástica!).
 
num outro poema seu intitulado não se mate, drummond ratifica esta sua posição:
 
(trecho)
 
 
Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo
e segunda-feira ninguém sabe
o que será.
 
Inútil você resistir
ou mesmo suicidar-se.
Não se mate, oh não se mate,
reserve-se todo para
as bodas que ninguém sabe
quando virão,
se é que virão. 
 
 
não morram o amor, vivam-no! 
 
beijo todos!
paulo sabino. 
____________________________________________________________
 
(do livro: Antologia poética. autor: Carlos Drummond de Andrade. editora: Record.) 
 
 
 
NECROLÓGIO DOS
DESILUDIDOS DO AMOR
 
 
Os desiludidos do amor
estão desfechando tiros no peito.
Do meu quarto ouço a fuzilaria.
As amadas torcem-se de gozo.
Oh quanta matéria para os jornais.
 
Desiludidos mas fotografados,
escreveram cartas explicativas,
tomaram todas as providências
para o remorso das amadas.
Pum pum pum adeus, enjoada.
Eu vou, tu ficas, mas nos veremos
seja no claro céu ou turvo inferno.
 
Os médicos estão fazendo a autópsia
dos desiludidos que se mataram.
Que grandes corações eles possuíam.
Visceras imensas, tripas sentimentais
e um estômago cheio de poesia…
 
Agora vamos para o cemitério
levar os corpos dos desiludidos
encaixotados competentemente
(paixões de primeira e de segunda classe).
Os desiludidos seguem iludidos,
sem coração, sem tripas, sem amor.
 
Única fortuna, os seus dentes de ouro
não servirão de lastro financeiro
e cobertos de terra perderão o brilho
enquanto as amadas dançarão um samba
bravo, violento, sobre a tumba deles.
____________________________________________________________
 
(do site: Youtube. Fernanda Torres interpreta o poema Necrológio dos desiludidos do amor, de Carlos Drummond de Andrade.)
 
Anúncios