SOMOS TROPICÁLIA — 50 ANOS DO MOVIMENTO — 9° CICLO: PATRICIA MELLODI, CHRISTOVAM DE CHEVALIER E ALEXANDRE RABELLO — FOTOS, TEXTO SOBRE O EVENTO E POEMA (CHRISTOVAM DE CHEVALIER)
17 de outubro de 2017

(Todas as fotos: Luciana Queiroz)

(Alexandre Rabello, Patricia Mellodi e Christovam de Chevalier)


___________________________________________________________________

*** Nesta edição a cantora e compositora Patricia Mellodi e o multi-instrumentista Alexandre Rabello apresentarão músicas do repertório tropicalista com ênfase nas canções de Torquato Neto, com intervenções do poeta Christovam Chevalier ***
 
Nos dias 25 e 26 de outubro (quarta e quinta-feira), a partir das 20h, acontece a nona (9ª) etapa do ciclo de encontros “Somos Tropicália – 50 anos do movimento”, no Gabinete de Leitura Guilherme Araújo, em homenagem aos 50 anos da Tropicália: as surpreendentes e eletrificadas apresentações de Caetano Veloso e Gilberto Gil no Festival da TV Record em 1967 são consideradas o marco inicial do movimento na música, que se consolidou com a gravação de “Tropicália Ou Panis Et Circenses”, álbum-manifesto lançado no ano seguinte.
 
Para a nova edição, inédita, desta celebração poético-musical, os artistas foram convidados a montar um roteiro no qual interpretarão alguns clássicos da Tropicália, incluindo, também, obras autorais que se inspiram ou conversem com as influências do movimento. Junto às canções, poemas onde percebemos o legado constituído pelo Tropicalismo.
 
Para esta edição de outubro, o projeto traz a cantora e compositora Patricia Mellodi, que vai explorar o repertório deixado pelo seu conterrâneo Torquato Neto, um dos principais autores e compositores da Tropicália, morto prematuramente. “Somos todos filhos da Tropicália, e participar de um evento que homenageia essa geração, esse movimento, não só nos enriquece como renova o novo compromisso em ousar, em inovar, em fazer da nossa obra algo mobilizador e novo. Minha intenção é representar o meu conterrâneo Torquato Neto dentro desse projeto tão bacana, porque sou uma artista piauiense tropicalista por formação e inspiração”, declara a artista, que em 2014 apresentou o show “Anjo Torto – Patricia Mellodi canta Torquato Neto”, com apresentações no Rio e no Piauí, e que agora volta a entrar em turnê.
 
Junto com ela estará o poeta e jornalista Christovam de Chevalier, que ao longo da apresentação fará intervenções poéticas com textos autorais e tropicalistas. Ambos serão acompanhados pelo multi-instrumentista Alexandre Rabello: “É bom reacender o tropicalista que vive em cada um de nós. Contra a caretice, fazendo arte, provocando, questionando sempre os caminhos estéticos e conceituais do fazer artístico. Viva o Brasil, viva a loucura tropical!”, diz o músico.
 
 
Serviço:
Gabinete de Leitura Guilherme Araújo
SOMOS TROPICÁLIA – 50 anos do movimento
Outubro (9ª edição): com Patricia Mellodi, Christovam de Chevalier e Alexandre Rabello / Pocket-show e leitura de poesias
Dias 25 e 26/10 (4ª e 5ª-feira)
A partir das 20h
Rua Redentor, 157 Ipanema
Tel infos. 21-2523-1553
Entrada: R$ 1,00
Lotação: 60 lugares
Classificação: livre
******
 
Aos interessados, abaixo, um poema do Christovam, acerca dos dias e de tudo que passa e morre com o passar dos dias: a barba, as unhas, a gengiva, a pele, os olhos, o coração, o homem que morre a cada dia em mim.
 
Beijo todos!
Paulo Sabino.
(do livro: No escuro da noite em claro. autor: Christovam de Chevalier. editora: 7Letras.)
Anúncios

SOMOS TROPICÁLIA — 50 ANOS DO MOVIMENTO — 8° CICLO: ALINE PAES, ANTONIO GUERRA, ELISIO FREITAS E NUNO RAU — FOTOS, TEXTO SOBRE O EVENTO E POEMA (NUNO RAU)
17 de outubro de 2017

(Antonio Guerra, Aline Paes, Elisio Feitas e Nuno Rau — Foto de divulgação: Luciana Queiroz)

(Foto de divulgação: Luciana Queiroz)

(Foto de divulgação: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Foto: Luciana Queiroz)

(Nuno Rau, Paulo Sabino, Rafael Millon, Aline Paes, Antonio Guerra e Elisio Freitas — Foto: Luciana Queiroz)
_____________________________________________________

Algumas lindas fotos de divulgação e da linda noite da 8ª edição do projeto Somos Tropicália, ocorrida no dia 27 de setembro, que reuniu esta turma divina-maravilhosa no Gabinete de Leitura Guilherme Araújo: a cantora Aline Paes, o pianista Antonio Guerra, o multi-instrumentista Elisio Freitas (na guitarra) e o poeta Nuno Rau nas intervenções poéticas! Artistas incríveis, que fizeram mais uma noite desbunde na homenagem à Tropicália! Amor da cabeça aos pés! É muito orgulho deste projeto! Nos dias 25 e 26 de outubro (quarta e quinta) voltamos com mais uma edição. É só aguardar! Oba! Junto aos artistas, os produtores e curadores do projeto Rafael Millon e Paulo Sabino.

********

“Queridos e lindos e bem vindos, aqui apenas para agradecer agradecer e agradecer a presença e o talento de vocês no projeto! A minha vontade é de correr pra produzir alguma coisa com vocês, pra não perder o ‘feeling’! Tô muito feliz. E eu, já fã do trabalho de cada um, tirando o Nuno, que conheço e é um amigo, virei fã das pessoas que vocês são. Que galera mais maravilhosa e gente boa! Que alegria trabalhar assim! Como se não bastassem talentosos, também são simpáticos, calorosos e generosos! É muita lindeza, ô gloria!

Aline Paes, Antonio Guerra, Elisio Freitas e Nuno Rau, por causa de vocês, hoje eu sou amor da cabeça aos pés! Valeu demais!

Beijo nocês tudo! Agradecer e abraçar!”

********

Aos interessados, o poema do Nuno que li nesta noite do projeto e que é uma pérola em forma de versos, que trata do grande silêncio que é o mundo, o mundo mudo, a existência que, por uma necessidade vital, temos que organizar em sentidos, signos e significados. Pura sofisticação!

Beijo todos!
Paulo Sabino.
___________________________________________________________________

(do livro: Mecânica aplicada. autor: Nuno Rau. editora: Patuá.)

 

POR DENTRO, POR FORA

 

BABY TE AMO — TRIBUTO A LUIZ MELODIA: FOTOS, TEXTO E VÍDEO (PAULO SABINO)
3 de outubro de 2017

(Flyer do evento)

(No camarim, a turma muito divertida reunida — Foto: Valéria Martins)

(Turma linda, divertida e talentosa)

(Com Mary Blue)

(Com Flávia Bittencourt)

(Com Maíra Freitas)

(Com Simone Mazzer)

(Com Tyaro Maia, Taís Feijão, Jonathan Ferr e João Mantuano)

(Com Laura Lavieri, Doralyce, Ana Bispo e Tyaro Maia)

(Ingressos esgotados, casa lotada, público quente, participantes feras: Melodia curtiu — Foto: Valéria Martins)

(Paulo Sabino — Foto: Valéria Martins)

(Chamando ao palco o grande parceiro de música e vida, o grande amigo do homenageado e mestre Renato Piau — Foto: Valéria Martins)

[Todos no palco para o grande final e a grande homenagem conjunta — da esquerda pra direita: Chico Chico, Tyaro Maia (sentado), João Mantuano, Paulo Sabino, Simone Mazzer, Maíra Freitas, Silvia Machete, Jonathan Ferr, Taís Feijão, Mihay (o organizador e grande produtor da noite), Renato Piau, Raquel Coutinho, Mari Blue, Fávia Bittencourt, Duda Brack, Katia Jorgensen, Mario Wamser, Ana Bispo, Doralyce e Vandro Augusto — Foto: Valéria Martins]

(Super festa no palco ao final da apresentação — Foto: Valéria Martins)

(Da esquerda, bem no cantinho, pra direita: Jonathan Ferr, Paulo Sabino, Mihay, Taís Feijão, Tyaro Maia, Renato Piau, Raquel Coutinho, Mari Blue, Flávia Bittencourt, Katia Jorgensen e Ana Bispo — Foto: Valéria Martins)
_____________________________________________________

Coisa “marlinda” de se ver e de se viver!

A grande alegria de fazer parte do tributo em homenagem ao pérola negra do Estácio e da música popular brasileira, o imensurável Luiz Melodia!

Ingressos esgotados, casa lotada, público quente, que foi conquistado pelo talento imenso de cada participante. 30 de setembro de 2017: pra guardar na memória e no coração!

Antes de começarmos, aquecendo os gogós e absorvendo a energia linda que nos envolveu a todos neste sábado 30 de setembro, com direito à chegada do mestre dos mestres João Donato justo nesta hora!

Uma honra e um grande barato subir ao palco ao lado destas feras todas para cantar e reverenciar a obra do Luiz Melodia: o mestre João Donato, Simone Mazzer, Maíra Freitas, Silvia Machete, Taís Feijão, Mari Blue, Laura Lavieri, Duda Brack, Chico Chico, João Mantuano, Tyaro Maia, Ana Bispo, Doralyce, Ithamara Koorax, Flavia Bittencourt, Katia Jorfgensen, Jonathan Ferr, Vandro Augusto, Mihay (o grande organizador e produtor da noite), Mario Wamser (o grande músico da noite junto ao Renato Piau) e Renato Piau (parceiro de músicas e de vida do Melô): das experiências mais intensas! A gente SÓ foi feliz no palco e fora dele!

Se alguém quer matar-me de amor, que me mate no Estácio! Pérola negra, te amo, te amo!

****************

A semana passada foi de imersão na sua obra. Tratei de pegar todos os discos, reouvir quase todas as canções, e, encharcado, escrever um texto-homenagem feito de colagens — trechos de canções, referências e título dos álbuns — para abrir o tributo, na Sala Baden Powell, sábado passado (30/09), todo dedicado a ele. Foi assim que nasceu:

 

TEXTO PARA LUIZ MELODIA
(Paulo Sabino)

 

O negro gato de arrepiar do Estácio. A pérola negra do Lácio. O malandro-poeta, a voz do morro, o entendedor do auxílio luxuoso de um pandeiro. O ébano de nome, forte feito cobra coral, semente que brota em qualquer local – na escola de samba do largo do Estácio, no clarão do dia da ilha longa de Paquetá, em torno da cidade, trajes elegantes, vendo vitrines e boutiques, caminhando um pouco mais atrás da lua e da rua, voando na asa de um avião, no bico de um pássaro daqui; girando, por aí, como a bola e o peão, o seu coração. Malandro não tem salto alto, porém, no salto alto, um felino negro é bom de se ver – lá no asfalto, um momento negro de se viver. Felino que dá no calo, mas que também tem amor e muito carinho a ofertar – as pessoas que ama, ama bastante. O filho e o “feeling” da música: Melodia na voz, no canto, no nome. O poderoso gângster com as suas metralhadoras armadas de acontecimentos. Vale quanto pesa: sua voz, seu canto, suas canções, o seu legado imensurável e inestimável à música popular brasileira: 14 quilates de puro preciosismo. O Estácio, eu e todos aqui presentes podemos e queremos lhe querer. Gotas de saudade – vozes do passado vêm do coração. Escrevo num quadro em palavras gigantes: PÉROLA NEGRA, TE AMO, TE AMO.

[do site: Youtube. Texto para Luiz Melodia. autor e dizedor: Paulo Sabino. data: 30/09/2017. local: Sala Baden Powell (Rio de Janeiro). evento: Baby te amo — tributo a Luiz Melodia. direção artística: Mihay. direção musical: Renato Piau.]

AO NOSSO AMOR, UMA ETERNA ESTRÉIA
19 de outubro de 2016

paulo-sabino-jurema-armond

(Há pouco tempo, indo votar — ela, já desobrigada.)

figa

(A figa, antes do meu pai, agora minha.)
______________________________________________________

“PAULO SABINO, meu irmão,

Que lindo o seu poema para a ‘nossa mãe’! Desejo para a ‘CABOCLA JUREMA’ uma longa e boa vida, alegria e… Axé! Muito Axé! Com abraços, MARTINHO DA VILA.”

(Martinho da Vila — cantor & compositor)

 

 

Que alegria! Vê-la completar o seu septuagésimo quarto ano novo (74) lúcida, recém-recuperada de um problema no cérebro.

Em junho, há exatos 4 meses, me perguntava como seria este dia para ela & para mim, com o medo de que ela ainda estivesse doente.

Escrevi o texto que segue em itálico para amigos bem no início do mês de julho:

 

Queridos & Queridas,

Há quase 2 meses, a minha mãe, peça fundamental da minha existência, a grande responsável pelo meu amor à literatura e, mais especificamente, à poesia, a minha cabocla Jurema Armond, não anda bem da saúde.

Estamos na luta para diagnosticar o que, há quase 2 meses, vem causando nela uma fraqueza grande nas pernas & nos braços (precisa de ajuda para absolutamente tudo: para levantar, sentar, deitar, comer, tomar banho) & uns desnorteios de tempo & espaço (agora há pouco tive que consolá-la, ela estava aos prantos, desejando chegar em casa, chegar no lugar de onde ela não sai há quase 2 meses, não contando as saídas para consultas médicas & exames).

Tem sido bem difícil para mim. Sou filho único, meu pai já não está mais entre nós, e sou eu só a tomar as decisões sobre a saúde da minha cabocla, a gerir a casa & as contas. Cansaço emocional & físico imensos.

Hoje, procurando travessas & potes aqui em casa, a fim de organizar a cozinha para a pessoa que me ajudará com a casa duas vezes na semana, me deparei com esta figa de madeira do meu pai, de cuja existência nem mais me lembrava. Chorei tanto ao vê-la, ao tocá-la, tudo tão simbólico neste momento — encontrar na estante da sala uma figa, e que era do meu pai, de quem, pela sensibilidade & humor ímpar, sinto tanta falta, inda mais num momento como este…

Agora ela está na minha mesa de trabalho, acompanhada das minhas outras pequenas preciosidades. Está, na mesa, exatamente de frente para mim.

Tomara que esta figa, antes do meu pai, agora minha, me traga a sorte & o axé necessários na melhoria desta situação.

E conto com as preces & orações & energia positiva de quem acredita em preces & orações & energia positiva. Incluam a minha cabocla Jurema Armond em seus pedidos de saúde & recuperação. Torçam comigo.

E vamos que vamos. A vida urge, o tempo não pára.

 

Depois de muitos medos, muitas incertezas, muitas dificuldades, muitas lágrimas, e muitos exames, no início de agosto conseguimos o diagnóstico & desde então ela só faz melhorar.

O poema que segue, eu o escrevi para ela há muitos anos. Mais do que nunca, faz todo o sentido publicá-lo hoje, 19 de outubro, em homenagem à minha cabocla.

Mais do que nunca, depois deste mau tempo que atravessamos, o sol da saúde desponta com a sua luz & o seu calor, mostrando-nos que a vida renova-se a cada instante, que, por isso, a vida é uma eterna estréia. Nunca sabemos que momento da trama nos aguarda no próximo capítulo; o script/roteiro é escrito no decorrer de cada cena.  Com isso, o amor também faz-se & refaz-se a cada vivência nossa.

Mãe, depois de tanto, depois de tudo, eu só posso desejar que o céu aberto de dias azuis permaneça límpido, sem mudanças tão bruscas.

Mãe, depois de tanto, depois de tudo, a conclusão de que, aqui, o amor existe — firme, forte, em riste.

Graças!

Feliz aniversário! Feliz 74 primaveras vencidas!

Beijo todos & especialmente a minha cabocla Jurema Armond!
Paulo Sabino.
_____________________________________________________

(autor: Paulo Sabino.)

 

 

ESTRÉIA

 

te  escrevo  porque

te  mereço,

porque  és  diva,

a  dama  divina

—  mulher  maravilha

da  minha  ilha

cercada  de  carinhos

por  todos  os  lados —.

todos  os  cafunés,  todas  as  lágrimas  e  desabafos

é  onde  me  acabo  em  ti.

por  ti  meu  riso  ri,

por  isso  minha  prece,

minha  missa.

minha  oração  se  aquece

em  teus  escaninhos,  teus  desalinhos,  teus  achados.

assim  é  que  te  amasso,

te  acho,

te  cato.

porque  humana  sem  desacato.

eu  te  amo  e  é  outra  estréia,

sem  vida  histérica,

sem  amor  estéril.

pelo  contrário,  é  amor  de  império,

o  carinho  sem  enterro  e  cemitério,

a  poesia  livre  de  impropério.

és  o  meu  hemisfério,

o  meu  norte,

os  versos  sem  corte.

eu  te  amo  e  não  há  miséria,

há  beleza,  há  estética

—  revelação, reverberação

que  insiste

em  mostrar  ao  mundo  triste

que,  aqui,  o amor  existe:

firme

forte

em  riste —.

OCUPAÇÃO POÉTICA — TEATRO CÂNDIDO MENDES: OS VÍDEOS
11 de agosto de 2015

WP_20150802_21_19_20_Pro

(Os poetas participantes do projeto “Ocupação Poética”: Salgado Maranhão, Adriano Espínola, Antonio Carlos Secchin, Alex Varella, Antonio Cicero, Paulo Henriques Britto & Paulo Sabino.)
______________________________________________________

Aos interessados, alguns vídeos de algumas leituras realizadas durante o projeto “Ocupação Poética”, no teatro Cândido Mendes, em Ipanema (Rio de Janeiro), ocorrido nos dias 31/07, 01/08 & 02/08.

No dia em que foram feitos estes vídeos, no terceiro & último (domingo, 02/08), com a participação dos grandes Antonio Carlos Secchin & Paulo Henriques Britto, prestei uma homenagem ao maior poeta da língua portuguesa, o imensurável & incontornável português Fernando Pessoa. Recitei três poemas em sua homenagem & um poema de sua autoria sob o heterônimo de Bernardo Soares.

Além da homenagem a Pessoa, esta publicação traz o encerramento do projeto, com o mestre Antonio Carlos Secchin recitando um poema inédito de sua autoria, aprontado especialmente para o nosso recital. Poema de cem versos, todo em redondilha menor (versos de cinco sílabas).

Mais vídeos da nossa “Ocupação Poética” serão disponibilizados neste espaço. É só aguardar.

Divirtam-se!

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Ocupação Poética — Teatro Cândido Mendes. local: Rio de Janeiro. data: 02/08/2015. Paulo Sabino recita Dita, poema de Antonio Cicero.)

 

DITA  (Antonio Cicero)

Qualquer poema bom provém do amor
narcíseo. Sei bem do que estou falando
e os faço eu mesmo pondo à orelha a flor
da pele das palavras, mesmo quando

assino os heterônimos famosos:
Catulo, Caetano, Safo ou Fernando.
Falo por todos. Somos fabulosos
por sermos enquanto nos desejando.

Beijando o espelho d’água da linguagem,
jamais tivemos mesmo outra mensagem,
jamais adivinhando se a arte imita

a vida ou se a incita ou se é bobagem:
desejarmo-nos é a nossa desdita,
pedindo-nos demais que seja dita.
______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Ocupação Poética — Teatro Cândido Mendes. local: Rio de Janeiro. data: 02/08/2015. Paulo Sabino recita A Fernando Pessoa, poema de Antonio Carlos Secchin.)

 

A FERNANDO PESSOA  (Antonio Carlos Secchin)

Ser é corrigir o que se foi,
e pensar o passado na garganta do amanhã.
É crispar o sono dos infantes,
com seus braços de inventar as buscas
em caminhos doidos e distantes.
É caminhar entre o porto e a lenda
de um tempo arremessado contra o mar.
Domar o leme das nuvens, onde mora
o mito e a glória de um deus a naufragar.
______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Ocupação Poética — Teatro Cândido Mendes. local: Rio de Janeiro. data: 02/08/2015. Paulo Sabino recita Pessoana, poema de Paulo Henriques Britto.)

 

PESSOANA  (Paulo Henriques Britto)

Quando não sei o que sinto
sei que o que sinto é o que sou.
Só o que não meço não minto.

Mas tão logo identifico
o não-lugar onde estou
decido que ali não fico,

pois onde me delimito
já não sou mais o que sou
mas tão-somente me imito.

De ponto a ponto rabisco
o mapa de onde não vou,
ligando de risco em risco

meus equívocos favoritos,
até que tudo que sou
é um acúmulo de escritos,

penetrável labirinto
em cujo centro não estou
mas apenas me pressinto

mero signo, simples mito.
______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Ocupação Poética — Teatro Cândido Mendes. local: Rio de Janeiro. data: 02/08/2015. Paulo Sabino recita o fragmento 451, de Bernardo Soares, heterônimo de Fernando Pessoa.)

 

451.  (Bernardo Soares – heterônimo de Fernando Pessoa)

Viajar? Para viajar basta existir. Vou de dia para dia, como de estação para estação, no comboio do meu corpo, ou do meu destino, debruçado sobre as ruas e as praças, sobre os gestos e os rostos, sempre iguais e sempre diferentes, como, afinal, as paisagens são.

Se imagino, vejo. Que mais faço eu se viajo? Só a fraqueza extrema da imaginação justifica que se tenha que deslocar para sentir.

“Qualquer estrada, esta mesma estrada de Entepfuhl, te levará até ao fim do mundo.” Mas o fim do mundo, desde que o mundo se consumou dando-lhe a volta, é o mesmo Entepfuhl de onde se partiu. Na realidade, o fim do mundo, como o princípio, é o nosso conceito do mundo. É em nós que as paisagens têm paisagem. Por isso, se as imagino, as crio; se as crio, são; se são, vejo-as como às outras. Para quê viajar? Em Madrid, em Berlim, na Pérsia, na China, nos Pólos ambos, onde estaria eu senão em mim mesmo, e no tipo e género das minhas sensações?

A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos.
______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Ocupação Poética — Teatro Cândido Mendes. local: Rio de Janeiro. data: 02/08/2015. Antonio Carlos Secchin recita Translado, poema inédito de sua autoria.)

 

TRANSLADO (Antonio Carlos Secchin)

“o lado além do outro lado”

 

Tem um lado com

Tem um lado zen

Tem um lado zoom

Outro desfocado

Tem um lado chão

Outro lado alado

Tem um lado não

Tem um lado vim

Tem um lado voz

Tem um lado mim

Tem um lado algoz

Tem um lado sim

Tem um lado sou

Tem um lado quem?

Tem um lado zero

Tem um lado nem

Do lado de lá

Tem um lado além

Tem um lado lei

Toma então cuidado

Vem para apagar

O teu braseado

Tem um lado solto

Tem lado soldado

Esse lado aí

Te deixa confuso

Pronto pra arrochar

Feito um parafuso

O lado soldado

Me deixa lelé

Me imobilizando

Do pescoço ao pé

Frente à solda dura

Eu virei banido

Preso na armadura

Me senti fundido

Quero me sentir

Desencadeado

Com meu lado em

Tudo quanto é lado, a-

brindo um  contrabando na

Contramão da pista eu

Finjo que sou cego

Pra não dar na vista

Eu procuro enfim

Qualquer endereço

Que não me dê um  nó no

Meio do começo

Tem um lado aquém

Bem descontrolado

Tem um lado assim

Tem um lado assado

Um fermenta ali

Outro deste lado

Tem um lado sem

Mesmo acompanhado

Tem um lado tem

Com mais nada ao lado

No meu lado 1

Não fico à vontade

Ele só me dá o

Dobro da metade

Entre o não e o sim

Não quero o talvez, me-

lhor me embaralhar

Junto com esses três

Tem o lado 3

Lado bem  bacana

Desde que caibamos

Quatro numa  cama

Tem o lado light

Esse me seduz

Pois além de leve

Me cobre de luz

Lá no lado dark

Nada é tão festivo

Mas até no inferno

Eu me sinto vivo

Tem um lado mas

Que chega atrasado

Avisando a mim

Que tudo somado

Só resta a raiz

De um metro quadrado

Todo o resto é lero

Para o boi dormir

Múltiplo de zero

Pra me dividir

Entre o lado bom

E meu  lado B

Entre o aqui e o lá

Fico lá e aqui

Sem saber dizer

Onde vou chegar

Nem tentar saber

Que lado seguir

E neste translado

Eu só quero quem

Queira vir comigo a-

lém do verso 100.

AUTO-RETRATO FALADO
13 de novembro de 2014

Manoel de Barros 05

Manoel de Barros_Sorriso

______________________________________________________

Hoje, 13/11, aos 97 anos, nos deu adeus aquele que foi, é & sempre será um dos maiores poetas da língua portuguesa, Manoel de Barros.

Desde que tive contato com sua figura física & sua poesia, quis o Manoel para meu avô.

Um mestre, um exímio cantador, o homem das ignorãças, das grandezas do ínfimo, o gramático do chão, o arranjador de assobio, o homem que conhecia o “nada” como ninguém, o guardador de águas, o pantaneiro que se dava concertos a céu aberto para solos de ave, o menino do mato, o fazedor de amanhecer.

Manoel de barro lindo, divino, agora voa que nem passarinho, na asa da sua poesia.

Vivas ao Manoel, vivas à sua existência, vivas à sua obra poética!

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________

(do livro: O livro das ignorãças. autor: Manoel de Barros. editora: Record.)

 

 

AUTO-RETRATO FALADO

 

Venho de um Cuiabá garimpo e de ruelas entortadas.
Meu pai teve uma venda de bananas no Beco da
……..Marinha, onde nasci.
Me criei no Pantanal de Corumbá, entre bichos do
……..chão, pessoas humildes, aves, árvores e rios.
Aprecio viver em lugares decadentes por gosto de
……..estar entre pedras e lagartos.
Fazer o desprezível ser prezado é coisa que me apraz.
Já publiquei 10 livros de poesia; ao publicá-los me
……..sinto como que desonrado e fujo para o
……..Pantanal onde sou abençoado a garças.
Me procurei a vida inteira e não me achei — pelo
……..que fui salvo.
Descobri que todos os caminhos levam à ignorância.
Não fui para a sarjeta porque herdei uma fazenda de
……..gado. Os bois me recriam.
Agora eu sou tão ocaso!
Estou na categoria de sofrer do moral, porque só
……..faço coisas inúteis.
No meu morrer tem uma dor de árvore.

SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO
20 de janeiro de 2010

End of the Afternoon Mirante Dona Marta
_
_____________________________________________________

hoje, 20 de janeiro, é dia de são sebastião,  padroeiro da cidade de do rio de janeiro, padroeiro da cidade onde nasci & me criei.

o rio é uma cidade de cidades misturadas. é ao mesmo tempo bela & banguela, feito a (baía de) guanabara.

no asfalto, luxo & glamour. nos morros, pobreza & violência.

mesmo com todos os problemas existentes, gosto de viver aqui. céu & mar, mar & montanha, montanha & queda d’água: uma cidade mágica por abrigar muitas possibilidades de convívio com belezas naturais. esse aspecto, no rio, me fascina.

sempre que, pela via expressa do aterro do flamengo, passo pelo pão de açúcar, este bloco maciço, empedernido, gigante pela própria natureza, canto, para mim, estes versos do oswald de andrade:


ESCAPULÁRIO

No Pão de Açúcar
De Cada Dia
Dai-nos Senhor
A Poesia
De Cada Dia

 

não há um dia que não passe por esse monumento à beira-mar e não repare na sua lindeza quotidiana. a cada dia uma novidade que o próprio dia arquiteta, repaginando, a cada momento, a (belíssima) paisagem.

então, de presente à cidade (ainda) maravilhosa, seguem estes dois poemas que adoro.

(rio de janeiro, gosto de você. gosto de quem gosta deste céu, deste mar, desta gente feliz.)

beijo festivo!
paulo sabino.
______________________________________________________ 

 

RIO DE JANEIRO

 

Louvo o Padre, louvo o Filho
E louvo o Espírito Santo.
Louvado Deus, louvo o santo
De quem este Rio é filho.
Louvo o santo padroeiro
— Bravo São Sebastião —
Que num dia de janeiro
Lhe deu santa defensão.

Louvo a cidade nascida
No morro Cara de Cão,
Logo depois transferida
Para o Castelo, de então
Descendo as faldas do outeiro,
Avultando em arredores,
Subindo a morros maiores,
— Grande Rio de Janeiro!

Rio de Janeiro, agora
De quatrocentos janeiros…
Ó Rio de meus primeiros
Sonhos! (A última hora
De minha vida oxalá
Venha sob teus céus serenos,
Porque assim sentirei menos
O meu despejo de cá.)

Cidade de sol e bruma,
Se não és mais capital
Desta nação, não faz mal:
Jamais capital nenhuma,
Rio, empanará teu brilho,
Igualará teu encanto.
Louvo o Padre, louvo o Filho
E louvo o Espírito Santo.

(extraído do livro: Estrela da Vida Inteira. autor: Manuel Bandeira. editora: Nova Fronteira.)

____________________________________________________

 

 

SÃO SEBASTIÃO

 

São Sebastião
Tua cidade tem as curvas
Quais as curvas de um nobre violão
Não será razão de tanta música bonita
Ter-se feito em sua mão?
Ó Pai Odé
Protege as matas que circundam esse altar
Que da maré vazante ou cheia
Já se ocupa Yemanjá

São Sebastião do Rio flechado
Em seu peito atravessado
Pelas setas dos seus filhos
Queira Deus que os meninos
Achem a trilha nos seus trilhos
Inspirados na beleza do seu verde e seu anil
E mereçam a cidade estandarte do Brasil
E que outros mil poetas
Venham te cantar, meu Rio

São Sebastião
Tua cidade cor de rosa
Fez da prosa um belo samba de Noel
Se eu fosse Gardel cantaria um tango
Pelo tanto dos encantos de Isabel
Ó meu São Tomé, se alguém duvida
Passe os olhos pela Urca e o Sumaré
Onde a Imperatriz beijou a flor
Porta-bandeira da cidade mais feliz

São Sebastião do Rio flertado
Ribeirão puro, encantado
Sol no casco dos navios
Te naveguem as mais belas
E os mais belos dos bravios
Nessas águas que fizeram de Machado
Suas letras imortais
Entre copas de Salgueiros e Mangueiras tropicais
E que novas musas venham te inspirar a paz

(extraído do cd: Menino do Rio. artista: Mart’nália. selo: Quitanda. gravadora: Biscoito Fino. autor dos versos: Totonho Villeroy.)

______________________________________________________

(do site: Youtube. Áudio extraído do álbum: Menino do Rio. artista & intérprete: Mart’nália. canção: São Sebastião. autor: Totonho Villeroy. participação especial: Maria Bethânia recita trechos de Cartão Postal. autor do poema: Vinicius de Moraes. selo: Quitanda. gravadora: Biscoito Fino.)