FERREIRA GULLAR — UM RAIO AOS CÉUS NO DIA DA RAINHA DOS RAIOS
8 de dezembro de 2016

ferreira-gullar

ferreira-gullar_dedicatoria_toda-poesia

(Na foto, a dedicatória do poeta no meu exemplar de “Toda poesia”.)
______________________________________________________

No dia de Iansã, dia da rainha dos raios, parte um raio luminoso da poesia brasileira.

Ferreira Gullar, sem sombra de dúvidas, foi dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos. Transitou por todos os estilos poéticos, incluindo o concretismo & o neo-concretismo, com brilhantismo & escreveu artigos & ensaios sobre literatura da maior importância. Um gênio da raça.

Ferreira Gular: 10 de setembro de 1930 / 4 de dezembro de 2016. Oitenta & seis anos de plena poesia.

Salve Gullar!
Salve sua poesia em nossos corações & mentes!

Saravá!

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________

(do livro: Em alguma parte alguma. autor: Ferreira Gullar. editora: José Olympio.)

 

 

REFLEXÃO SOBRE O OSSO DA MINHA PERNA

 

A parte mais durável de mim
são os ossos
e a mais dura também

como, por exemplo, este osso
da perna
que apalpo
sob a macia cobertura

ativa
de carne e pele
que o veste e inteiro
me reveste
dos pés à cabeça
esta vestimenta
fugaz e viva

sim, este osso
a mais dura parte de mim
dura mais do que tudo o que ouço
e penso
mais do que tudo o que invento
e minto
este osso
dito perônio

é, sim,
a parte mais mineral
e obscura
de mim
já que à pele
e à carne
irrigam-nas o sonho e a loucura

têm, creio eu,
algo de transparente
e dócil
tendem a solver-se
a esvanecer-se
para deixar no pó da terra

o osso
o fóssil

futura
peça de museu

o osso
este osso
(a parte de mim
mais dura
e a que mais dura)
é a que menos sou eu?

 

 

UMA PEDRA É UMA PEDRA

 

uma pedra
(diz
o filósofo, existe
em si,
não para si
como nós)

uma pedra
é uma pedra
matéria densa
sem qualquer luz
não pensa

ela é somente sua
materialidade
de cousa:
não ousa

enquanto o homem é uma
aflição
que repousa
num corpo
que ele
de certo modo
nega
pois que esse corpo morre
e se apaga

e assim
o homem tenta
livrar-se do fim
que o atormenta

e se inventa

 

 

UM POUCO ANTES

 

Quando já não for possível encontrar-me
em nenhum ponto da cidade
ou do planeta
pensa
ao veres no horizonte
sobre o mar de Copacabana
uma nesga azul de céu
pensa que resta alguma coisa de mim
por aqui
Não te custará nada imaginar
que estou sorrindo ainda naquela nesga
azul celeste
pouco antes de dissipar-me para sempre

Anúncios

O VENTO DE LÁ IMBELEZÔ EU
18 de junho de 2014

Maria Bethânia_PB

___________________________________________________________________

hoje é o dia dela.

foi com ela, foi através da sua voz, que a poesia chegou até mim, conquistando minha sensibilidade & coração.

com ela aprendi que, na arte do verso como ofício, o que deve prevalecer, acima de tudo, é a verdade.

as escolhas devem perpassar, sempre, a emoção. as escolhas devem, sempre, despertar a atenção & emocionar a sensibilidade.

a voz que empresto à poesia, esta não deve, não pode, mentir: “eu minto mas minha voz não mente”.

a minha ambição com a palavra converge com a beleza que, nela, na aniversariante do dia, na sua carreira artística, coerente com as suas escolhas & verdades, encontro.

na arte da palavra, assim como ela, desejo seguir com o máximo de integridade.

há quase 38 anos, que é a minha quase idade, ela vem embelezando a minha existência com seu canto de amor & poesia.

a sua mão, que me tocou, embelezou eu.

embelezou eu, embelezou a vida, embelezou os palcos, com o vento da sua roda & saia a girar no compasso do seu gestual.

o vento da sua roda & saia a girar no compasso do seu gestual: o vento de iansã, dominador, que dorme & se agita no rodopio dos seus pés, sempre descalços.

a ela, à abelha-rainha, primeira-dama da canção na minha vida, esta singela homenagem pelos seus 68 anos neste 18 de junho.

salve maria bethânia!
salve a sua existência na minha!

beijo todos!
paulo sabino.
___________________________________________________________________

(do encarte do cd: Meus quintais. artista: Maria Bethânia. autor dos versos: Roque Ferreira. gravadora: Biscoito Fino.)

 

 

IMBELEZÔ EU / VENTO DE LÁ

 

Só sem amor a dor me aconteceu
Você chegou e embelezou, embelezou eu
Embelezou eu, embelezou eu
Alecrim beira d’água
Que me beijou percebeu
Alguma coisa em mim aconteceu
A mão que me tocou
Embelezou eu
Embelezou eu, embelezou eu
Embelezada no espelho da paixão
Tô amarrada no cais do coração
Que me tomou e me prendeu
Embelezou, embelezou, embelezou eu
Embelezou eu, embelezou eu, embelezou, embelezou
Embelezou eu

Foi o vento de lá
Foi de lá que chegou
Foi o vento de Iansã
Dominador que dormia nos braços da manhã
E despertou

Mestre Chico jangadeiro
Depois de olhar o céu
Guardou a rede de arrasto
Não foi pescar xaréu
Mercador que foi pra feira
Não encontrou freguesia
E não teve capoeira
Que mostrasse valentia

Foi o vento de lá
Foi de lá que chegou
Foi o vento de Iansã
Dominador que dormia nos braços da manhã
E despertou

Lia que nunca rezava
Foi rezar naquele dia
O querer por quem chorava
Voltou pra sua companhia
A barra do mar fechava
Mas a flor do amor se abria
Lia foi sambar só, foi sambar só
Lia foi sambar só na ventania

Foi o vento de lá
Foi de lá que chegou
Foi o vento de Iansã
Dominador que dormia nos braços da manhã
E despertou
Lia foi sambar só, foi sambar só
Lia foi sambar só na ventania

Lia foi sambar só, foi sambar só
Lia foi sambar só na ventania

Embelezou eu, embelezou eu
Embelezou, embelezou
Embelezou eu
___________________________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: Meus quintais. artista & intérprete: Maria Bethânia. autor da canção: Roque Ferreira. gravadora: Biscoito Fino.)