BABY TE AMO — TRIBUTO A LUIZ MELODIA: FOTOS, TEXTO E VÍDEO (PAULO SABINO)
3 de outubro de 2017

(Flyer do evento)

(No camarim, a turma muito divertida reunida — Foto: Valéria Martins)

(Turma linda, divertida e talentosa)

(Com Mary Blue)

(Com Flávia Bittencourt)

(Com Maíra Freitas)

(Com Simone Mazzer)

(Com Tyaro Maia, Taís Feijão, Jonathan Ferr e João Mantuano)

(Com Laura Lavieri, Doralyce, Ana Bispo e Tyaro Maia)

(Ingressos esgotados, casa lotada, público quente, participantes feras: Melodia curtiu — Foto: Valéria Martins)

(Paulo Sabino — Foto: Valéria Martins)

(Chamando ao palco o grande parceiro de música e vida, o grande amigo do homenageado e mestre Renato Piau — Foto: Valéria Martins)

[Todos no palco para o grande final e a grande homenagem conjunta — da esquerda pra direita: Chico Chico, Tyaro Maia (sentado), João Mantuano, Paulo Sabino, Simone Mazzer, Maíra Freitas, Silvia Machete, Jonathan Ferr, Taís Feijão, Mihay (o organizador e grande produtor da noite), Renato Piau, Raquel Coutinho, Mari Blue, Fávia Bittencourt, Duda Brack, Katia Jorgensen, Mario Wamser, Ana Bispo, Doralyce e Vandro Augusto — Foto: Valéria Martins]

(Super festa no palco ao final da apresentação — Foto: Valéria Martins)

(Da esquerda, bem no cantinho, pra direita: Jonathan Ferr, Paulo Sabino, Mihay, Taís Feijão, Tyaro Maia, Renato Piau, Raquel Coutinho, Mari Blue, Flávia Bittencourt, Katia Jorgensen e Ana Bispo — Foto: Valéria Martins)
_____________________________________________________

Coisa “marlinda” de se ver e de se viver!

A grande alegria de fazer parte do tributo em homenagem ao pérola negra do Estácio e da música popular brasileira, o imensurável Luiz Melodia!

Ingressos esgotados, casa lotada, público quente, que foi conquistado pelo talento imenso de cada participante. 30 de setembro de 2017: pra guardar na memória e no coração!

Antes de começarmos, aquecendo os gogós e absorvendo a energia linda que nos envolveu a todos neste sábado 30 de setembro, com direito à chegada do mestre dos mestres João Donato justo nesta hora!

Uma honra e um grande barato subir ao palco ao lado destas feras todas para cantar e reverenciar a obra do Luiz Melodia: o mestre João Donato, Simone Mazzer, Maíra Freitas, Silvia Machete, Taís Feijão, Mari Blue, Laura Lavieri, Duda Brack, Chico Chico, João Mantuano, Tyaro Maia, Ana Bispo, Doralyce, Ithamara Koorax, Flavia Bittencourt, Katia Jorfgensen, Jonathan Ferr, Vandro Augusto, Mihay (o grande organizador e produtor da noite), Mario Wamser (o grande músico da noite junto ao Renato Piau) e Renato Piau (parceiro de músicas e de vida do Melô): das experiências mais intensas! A gente SÓ foi feliz no palco e fora dele!

Se alguém quer matar-me de amor, que me mate no Estácio! Pérola negra, te amo, te amo!

****************

A semana passada foi de imersão na sua obra. Tratei de pegar todos os discos, reouvir quase todas as canções, e, encharcado, escrever um texto-homenagem feito de colagens — trechos de canções, referências e título dos álbuns — para abrir o tributo, na Sala Baden Powell, sábado passado (30/09), todo dedicado a ele. Foi assim que nasceu:

 

TEXTO PARA LUIZ MELODIA
(Paulo Sabino)

 

O negro gato de arrepiar do Estácio. A pérola negra do Lácio. O malandro-poeta, a voz do morro, o entendedor do auxílio luxuoso de um pandeiro. O ébano de nome, forte feito cobra coral, semente que brota em qualquer local – na escola de samba do largo do Estácio, no clarão do dia da ilha longa de Paquetá, em torno da cidade, trajes elegantes, vendo vitrines e boutiques, caminhando um pouco mais atrás da lua e da rua, voando na asa de um avião, no bico de um pássaro daqui; girando, por aí, como a bola e o peão, o seu coração. Malandro não tem salto alto, porém, no salto alto, um felino negro é bom de se ver – lá no asfalto, um momento negro de se viver. Felino que dá no calo, mas que também tem amor e muito carinho a ofertar – as pessoas que ama, ama bastante. O filho e o “feeling” da música: Melodia na voz, no canto, no nome. O poderoso gângster com as suas metralhadoras armadas de acontecimentos. Vale quanto pesa: sua voz, seu canto, suas canções, o seu legado imensurável e inestimável à música popular brasileira: 14 quilates de puro preciosismo. O Estácio, eu e todos aqui presentes podemos e queremos lhe querer. Gotas de saudade – vozes do passado vêm do coração. Escrevo num quadro em palavras gigantes: PÉROLA NEGRA, TE AMO, TE AMO.

[do site: Youtube. Texto para Luiz Melodia. autor e dizedor: Paulo Sabino. data: 30/09/2017. local: Sala Baden Powell (Rio de Janeiro). evento: Baby te amo — tributo a Luiz Melodia. direção artística: Mihay. direção musical: Renato Piau.]

Anúncios

SOMOS TROPICÁLIA — 50 ANOS DO MOVIMENTO — 3º CICLO: JULIANA LINHARES, MIHAY, HELIO MOULIN E SALGADO MARANHÃO — PARQUE INDUSTRIAL (TOM ZÉ)
25 de abril de 2017

(Os participantes com Gal e Caetano)

(Os participantes — em pé: Salgado Maranhão e Juliana Linhares, sentados: Helio Moulin e Mihay — com o busto do Guilherme Araújo e a fotografia da Gal — Todas as fotos: Elena Moccagatta)

(Na “Agenda da semana” do caderno cultural do jornal O Globo, um dia antes da estréia)

(Na coluna “Gente Boa”, do caderno cultural do jornal O Globo)
______________________________________________________

Alô alô! Alegria alegria! É chegada a hora! Amanhã, quarta-feira (26/04), estréia da 3ª etapa de encontros do projeto “Somos Tropicália”, com a atriz e cantora Juliana Linhares (cantora e integrante da banda “Pietá” e do projeto “Iara Ira”, ao lado das cantoras Júlia Vargas e Duda Brack), o cantor, compositor e videomaker Mihay (o Mihay já cantou com o Chico César, excursionou com o João Donato, e tem, no seu segundo disco, participação da Tulipa Ruiz, Mariana Aydar, do Robertinho Silva, Kassin, e do próprio João Donato, entre outros), o instrumentista-violonista Helio Moulin (o Hélio é filho do monstro violonista e guitarrista da música popular brasileira e do jazz Helio Delmiro, que tocou com Elis Regina, Clara Nunes, Milton Nascimento, a diva da música norte-americana Sarah Vaughan, entre outros), e o poeta vencedor do prêmio Jabuti de poesia (o mais importante prêmio literário, pelo seu belíssimo livro “Ópera de nãos”) Salgado Maranhão.

Abaixo: o serviço completo (datas, horário, local), um vídeo feito pelo Mihay depois de um dos ensaios que ele, a Juliana Linhares (a musa do vídeo) e o Helinho Moulin fizeram para as apresentações, e um poema-canção de um gênio tropicalista.

Venham todos!

 

Serviço:

Gabinete de Leitura Guilherme Araújo apresenta –

SOMOS TROPICÁLIA – 50 anos do movimento

Juliana Linhares, Mihay, Helio Moulin e Salgado Maranhão / Pocket-show e leitura de poesias
Dias 26/04 (4ª-feira) e 27/04 (5ª-feira)
A partir das 19h30
Rua Redentor, 157 Ipanema
Tel infos. 21-2523-1553
Entrada franca c/ contribuição voluntária
Lotação: 60 lugares
Classificação: livre

Link do evento no Facebook: http://www.facebook.com/events/1881892262099199/
Página do projeto no Facebook: http://www.facebook.com/somostropicalia/

______________________________________________________

(do site: Youtube. projeto: Somos Tropicália. participações: Juliana Linhares, Mihay, Helio Moulin e Salgado Maranhão. vídeo: Mihay. no vídeo: Juliana Linhares.)

______________________________________________________

parque industrial: área urbanizada destinada a indústrias. mas, sob a luz tropicalista, “parque industrial” pode ser entendido como um lugar de diversão (a que são destinados os parques não-industriais), um lugar de distração, porém distração tamanha que chega a ser alienante.

parque industrial: lugar de desenvolvimento tecnológico, porém, no brasil, sob a luz tropicalista, um lugar de desenvolvimento subdesenvolvido, capenga, deficitário, pois abandona a sua população à miséria e ao subdesenvolvimento.

o “parque” industrial, o avanço da industrialização, como a salvação da lavoura: é o que vem trazer nossa redenção, nossa salvação.

temos as propagandas da indústria, enganosas, vendendo felicidade em prestações a perder de vista, distribuindo alegria padronizada e enlatada, produzindo alienação com seus reality shows e seus debates que em nada interessam.

a revista moralista, veja você, a revista lida e mantida pelo cidadão de bem, traz uma lista dos pecados da vedete, mulher que cantava e dançava nos antigos teatros-revistas e musicais. porém, não lista a violência que escorre solta nas páginas dos jornais (um banco de sangue encadernado), a violência, essa, sim, capaz de machucar, maltratar, torturar, sangrar, matar.

e, no fim das contas, tudo isso, todos os (d)efeitos colaterais são feitos aqui, no brasil, ou, como se coloca nos produtos industrias a fim de identificar a sua origem de fabricação, “made in brazil”, feito no brasil, todos os (d)efeitos colaterais desse tipo de organização econômica (que acaba por ditar a social) são produzidos pelo avanço industrial, pelo parque industrial, por esse tipo de organização consumista, onde tudo, no fim das contas, não passa de “venda e compra”.

o parque industrial: vem trazer nossa redenção?…

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________

(do encarte do álbum: Tropicália ou Panis et circenses. autor: Tom Zé.)

 

 

PARQUE INDUSTRIAL

 

Retocai o céu de anil
Bandeirolas no cordão
Grande festa em toda a nação
Despertai com orações
O avanço industrial
Vem trazer nossa redenção

Tem garotas-propaganda
Aeromoças e ternura no cartaz
Basta olhar na parede minha alegria
Num instante se refaz

Pois temos o sorriso engarrafado
Já vem pronto e tabelado
É somente requentar e usar
É somente requentar e usar
Porque é made, made, made, made in Brazil

Retocai o céu de anil
Bandeirolas no cordão
Grande festa em toda a nação
Despertai com orações
O avanço industrial
Vem trazer nossa redenção

A revista moralista
Traz uma lista
Dos pecados da vedete
E tem jornal popular
Que nunca se espreme
Porque pode derramar

É um banco de sangue encadernado
Já vem pronto e tabelado
É somente folhear e usar
É somente folhear e usar

Porque é made, made, made, made in Brazil
Porque é made-made-made-made in Brazil
Porque é made-made-made-made in Brazil
Made in Brazil
______________________________________________________

(do site: Youtube. álbum: Tropicália ou Panis et circenses. artista: Vários. canção: Parque Industrial. autor: Tom Zé. intérpretes: Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso e Mutantes. gravadora: PolyGram.)

SOMOS TROPICÁLIA — 50 ANOS DO MOVIMENTO — 3º CICLO: JULIANA LINHARES, MIHAY, HELIO MOULIN E SALGADO MARANHÃO — MÃE DA MANHÃ (GILBERTO GIL)
18 de abril de 2017

(Os participantes desta 3ª etapa do projeto: em pé, Juliana Linhares e Salgado Maranhão; sentados, Helio Moulin e Miray junto ao Guilherme Araújo e à Gal Costa — Foto: Rafael Millon)
______________________________________________________

“Bravo, Paulo Sabino. Aqueceram-me o coração sua desenvoltura e alta voltagem poética. Grato. Abs. RCAlbin”.

(Ricardo Cravo Albin — musicólogo & membro da Academia Carioca de Letras — ACL)

 

“Que massa que o Helinho vai tocar contigo [Mihay]! Adorei.”

(Tulipa Ruiz — cantora e compositora)

 

 

Alô Alô! Alegria Alegria!

Aqui para anunciar os participantes da 3ª etapa de encontros do projeto “Somos Tropicália”, em homenagem aos 50 anos do movimento que chacoalhou a música popular brasileira. O projeto vem reunindo, desde fevereiro, mensalmente, artistas da nova geração da nossa música, para a releitura das canções tropicalistas, com poetas consagrados, para a leitura de textos/poemas de bossa tropicalista.

Para esta edição de abril, o imenso prazer de receber só feras: a atriz e cantora Juliana Linhares (cantora e integrante da banda “Pietá” e do projeto “Iara Ira”, ao lado das cantoras Júlia Vargas e Duda Brack), o cantor, compositor e videomaker Mihay (o Mihay já cantou com o Chico César, excursionou com o João Donato, e tem, no seu segundo disco, participação da Tulipa Ruiz, Mariana Aydar, do Robertinho Silva, Kassin, e do próprio João Donato, entre outros), o instrumentista-violonista Helio Moulin (o Hélio é filho do monstro violonista e guitarrista da música popular brasileira e do jazz Helio Delmiro, que tocou com Elis Regina, Clara Nunes, Milton Nascimento, a diva da música norte-americana Sarah Vaughan, entre outros), e o poeta vencedor do prêmio Jabuti de poesia (o mais importante prêmio literário, pelo seu belíssimo livro “Ópera de nãos”) Salgado Maranhão.

Tudo divino-maravilhoso! Certeza de mais noites lindas para a música e para a poesia! E toda essa maravilhosidade “di grátis”!

Depois deste texto sobre o “Somos Tropicália”, um poema-canção que não é tropicalista porém foi composto por um mestre tropicalista e cantado pela musa tropicalista — Gilberto Gil e Gal Costa. Isso porque a Juliana Linhares, que é a grande cantora e intérprete que terei o prazer e a honra de receber no projeto, no espetáculo “Iara Ira”, canta com a Julia Vargas e a Duda Brack o poema-canção da publicação, poema-canção que é o meu preferido do álbum em que foi lançado, “O sorriso do gato de Alice”, da Gal. A Juliana, a Julia e a Duda abrem o “Iara Ira” com este poema-canção.

Sobre o “Somos Tropicália”: espalhem a notícia! Compartilhem a boa nova!

Esperamos todas e todos!

 

Serviço:

Gabinete de Leitura Guilherme Araújo apresenta –

SOMOS TROPICÁLIA – 50 anos do movimento

Juliana Linhares, Mihay, Helio Moulin e Salgado Maranhão / Pocket-show e leitura de poesias
Dias 26/04 (4ª-feira) e 27/04 (5ª-feira)
A partir das 19h30
Rua Redentor, 157 Ipanema
Tel infos. 21-2523-1553
Entrada franca c/ contribuição voluntária
Lotação: 60 lugares
Classificação: livre

Link do evento no Facebook: http://www.facebook.com/events/1881892262099199/
Página do projeto no Facebook: http://www.facebook.com/somostropicalia/
______________________________________________________

(Extraído do livro “Gil — todas as letras”, organizado por Carlos Rennó, editora Companhia das Letras.)

 

para Gal Costa & Juliana Linhares

 

 

gilberto gil fez este poema-canção para gal costa, que foi dedicado à mãe da cantora, mariah costa penna, amiga do poeta-compositor & que havia morrido há pouco tempo.

a perda de uma pessoa que muito se ama, a que mais se ama, a grande amiga, aquela que sentimos ser a única pessoa a fazer absolutamente tudo & qualquer coisa para o bem-estar da cria, dos filhos: uma dor profunda, uma tristeza abissal, o recolhimento, o luto, a escuridão.

meu canto em momentos de escuridão é o meu grande amparo. minha voz é meu amparo em momentos difíceis.

minha voz, que é um aro de luz da manhã, que é um aro de luz que nasce do dia, voz solar, iluminada, voz brilhante, num momento de dor, de perda de alguém tão caro, a minha voz brota na gruta da dor.

mãe da manhã, mãe do raiar do dia, mãe da luz nascente do dia, mãe maria, mãe de todos nós, eu faria de tudo pra conservar vosso amor.

uma espécie de súplica, de pedido, à mãe da manhã, à mãe do raiar do dia, à mãe da luz nascente do dia, à mãe maria, à mãe de todos nós: pra conservar vosso amor, mãe da manhã, eu faria de tudo — a cada ano, eu faria uma romaria, eu faria uma oferenda, eu faria uma prenda, eu daria a vós uma flor. faria uma romaria, uma oferenda, uma prenda, daria uma flor — tudo para conservar o amor da mãe da manhã.

assim, na minha existência, a cada instante, teria direito a um grão, a um momento, a um pedaço, de alegria — e todos os grãos de alegria, por conservar o amor da mãe da manhã, seriam lembranças do vosso amor, lembranças do amor que a mãe da manhã me dedica.

santa virgem maria — mãe maria, mãe de todos nós —, vós que sois mãe do filho daquele que nos permite o nascer do dia, vós que sois mãe do filho daquele que nos possibilita a vida, daquele que nos determina a morte, santa virgem maria, mãe da manhã, mãe da luz, mãe solar: abençoai minha voz, meu cantar.

na escuridão da nostalgia causada pela perda de alguém que muito se ama, pela perda de alguém que nos é tão importante, tão caro, dai-nos a luz do luar.

na noite, na escuridão, na dor, na perda, no momento difícil: luz, sempre. seja qual for: solar ou lunar: luz, quero luz.

mãe da manhã, que assim seja.

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________

(do livro: Gil — Todas as letras. organização: Carlos Rennó. autor: Gilberto Gil. editora: Companhia das Letras.)

MÃE DA MANHÃ

Meu canto na escuridão
Minha voz, meu amparo
Aro de luz nascente do dia
Brota na gruta da dor
Mãe da manhã, de tudo eu faria
Pra conservar vosso amor

A cada ano, uma romaria
Uma oferenda, uma prenda, uma flor
A cada instante, um grão de alegria
Lembranças do vosso amor

Santa Virgem Maria
Vós que sois Mãe do Filho do Pai do Nascer do Dia

Abençoai minha voz, meu cantar
Na escuridão dessa nostalgia
Dai-nos a luz do luar.

______________________________________________________

(do site: Youtube. áudio extraído do álbum: O sorriso do gato de Alice. gravadora: BMG Ariola. artista e intérprete: Gal Costa. canção: Mãe da manhã. autor: Gilberto Gil.)