PASSARINHÃO
30 de setembro de 2016

gaviao

(Gavião)
______________________________________________________

O texto abaixo, em negrito & entre aspas, foi escrito pelo querido xará Paulo Almeida:

 

“O ‘Coletivo Chama’ nos convocou [Mais e Melhores Produções e Marketing, empresa do Paulo Almeida] para cuidar do lançamento do seu primeiro CD ‘Todo Mundo é Bom’. Um trabalho muito potente e com várias possibilidades de leitura. São muitos os recortes e muitos os motivos para ficarmos atentos a esse trabalho.

Tarefa difícil abrir caminhos para um trabalho tão profundo e tão bem produzido.

Lancei uma ideia maluca, que foi prontamente comprada por todos do coletivo que estavam naquela reunião: que convidássemos compositores, atores, literatos, editores, poetas, músicos, para uma audição aleatória de uma das faixas do CD seguidas de comentários sobre o que ouviram. Essas audições e comentários seriam filmados.

Convocamos um timaço para registrar suas impressões. Para nosso espanto, a maioria aceitou sem pestanejar.

Assim, temos comentários faixa a faixa de um disco muito saboroso.”

 

Deixo pra vocês o vídeo do qual participei, vídeo da faixa “Passarinhão”, falando sobre a faixa com um timaço (honra & alegria): com a atriz Clarice Niskier, com o pianista & compositor André Mehmari, com o professor de música da UniRio Josimar Carneiro, com a cantora Áurea Martins & com o cantor & multi-instrumentista Domenico Lancellotti.

Vale o play pra ouvir a faixa & pros comentários!
______________________________________________________

Passarinhão: além do diálogo que o poeta-compositor mantém com o gavião, que ronda a sua localidade, assombra o seu quintal, o gavião, no poema-canção, é a personificação/personalização de um sentimento ruim, de um mau agouro, que sobrevoa o ser do poeta-compositor: passa, gavião; não arranha o coração do poeta-compositor; não assombra o seu quintal.

Passa, gavião. Por que tu, passarinhão, te aninhaste debaixo do pensamento do poeta-compositor, dentro de alguma dor do poeta-compositor, com teu rumor de rapina & teu silêncio de tumor, teu silêncio de algo que mata por dentro?, passarinhão ávido pra atiçar um sofrimento no poeta-compositor.

Sai, sai, passarinhão. Faz favor, tem compaixão.

O ovo gorado do passarinhão já agourou o poeta-compositor. O canto triste do gavião calou de dor a voz do poeta-compositor. Acabou que tu, passarinhão, ficaste mais vivo que a vida do próprio poeta-compositor, e o medo de viver, de amar, empalhou o poeta-compositor. Acabou que tu, gavião, penetraste o pesadelo do poeta-compositor, pássaro-invasor.

Passarinhão, larga o poeta-compositor & segue a trilha do acauã, abandone o quintal do poeta-compositor, para que a manhã rebrilhe na sua casa-ser.

Sai, sai, volta, não. Passa, passa, gavião, a fim de o poeta-compositor alcançar a sua redenção, a sua proteção, a sua salvação.

Beijo todos!
Paulo Sabino.
______________________________________________________

(do site: Youtube. artista: Coletivo Chama. álbum: Todo mundo é bom. canção: Passarinhão. música: Thiago Thiago de Mello. letra: Thiago Amud. comentários: Paulo Sabino, Domenico Lancellotti, Áurea Martins, André Mehmari, Josimar Carneiro, Clarice Niskier.)

 

PASSARINHÃO   (Thiago Amud)

Passa, passa, gavião
Todo mundo é bom e mau
Não me arranha o coração
Não assombra meu quintal
Passo-preto, passado que não passou
Que tambor te encantou?
Que ato, que palavra oculta te perpetuou?
O teu olho vazado me divisou
Tua venta ventou
Teu bico bicou bem o músculo que atrofiou
Por que te aninhaste debaixo do meu pensamento
Dentro de alguma dor
Com teu rumor de rapina e teu silêncio de tumor
Ávido pra me atiçar um sofrimento?
Sai, sai, passarinhão
Bacurau mudou de tom
Faz favor, tem compaixão
Todo mundo é mau e bom
Passo-preto, espantalho não te espantou
Tiro não te matou
Que crime dormido em meu sangue te maravilhou?
O teu ovo gorado já me agourou
Teu canto me calou
Ficaste vivo mais que a vida, o medo me empalhou
Por qual razão desconhecida botaste tocaia?
Praga ou desamor?
Tu que és metade uma harpia, metade és um estupor
Tu que penetraste o meu pesadelo, meu invasor
Passa noite, passa arribação
Passa a terçã
Passa, passa, gavião
Me larga e segue a trilha do acauã
Que a manhã rebrilha
Sai, sai, volta não
Passa, passa, gavião
Redondilha, redenção

Anúncios

INVADE-ME, Ó VERSO, E A SUA ÁUREA AURORA
17 de março de 2015

Pássaros_Amanhecer
______________________________________________________

vem, ó verso, invade-me, toma meu espírito de assalto, põe os teus olhares sobre a minha arte, deixa-me cantar-te, ó verso, dá-me astúcia & dons a fim de elaborar-te.

ó verso, vem sustentar-me com a tua carne, de palavras, metros (metro: medida que estabelece a quantidade de sílabas de cada verso) & sons, ó verso, vem confortar-me com teus ares bons. traze-me as sinapses capazes de tudo, capazes de realizar as mais belas proezas em verso (sinapse: local de contato entre os neurônios, onde ocorre a transmissão de impulsos nervosos de uma célula para outra), traze-me, ó verso, os tais tons da felicidade, tons que só a tessitura da tua carne, feita de palavras, metros & sons, é possível de trazer.

(metro: medida que estabelece a quantidade de sílabas de cada verso: o primeiro poema da seleção conta com versos de 5 sílabas, também chamados de redondilha menor.)

vem, ó verso, invade-me, toma meu espírito de assalto, põe os teus olhares sobre a minha arte, deixa-me cantar-te, ó verso, dá-me astúcia & dons a fim de elaborar-te: e é assim, dando espaço ao verso na minha vida, que um pássaro festeja a áurea aurora, um pássaro festeja o amanhecer dourado, radiante, em mim, agora. um instante raro, um instante caro, um instante de puro amor.

tudo lá fora, no mundo, a passar, e aqui, dentro de mim, o pensar se cora, o pensamento ganha um colorido, de amor tão claro.

para erato, a lira & o verso imploro (erato: na mitologia grega, uma das nove musas, filha, como todas as suas irmãs, de zeus & mnemósine, a musa da poesia lírica, particularmente a de temática amorosa).

servo do verso (verso & servo formam-se das mesmas letras), e servo canoro, servo melodioso, servo que procura cantar bem, cantar acertado, cantar no tom, moro em ritmos para erigir a voz que adquirira, moro em ritmos para erguer a voz que alcançara, voz poética que procura, acima de tudo, o verso limpo, o verso bom.

que a poesia nunca me falte à boca & que eu sempre possa comparti-la como pão, como o mais nutritivo & saboroso alimento anímico.

beijo todos!
paulo sabino.
_____________________________________________________

(do livro: Antípodas tropicais. autor: Adriano Nunes. editora: Vidráguas.)

 

 

VEM, Ó VERSO, INVADE-ME

 

Vem, ó verso, invade-me,
Põe os teus olhares
Sobre a minha Arte,
Deixa-me cantar-te,
Dá-me astúcias e dons.

Ó, vem sustentar-me
Com a tua carne
De metros e sons,
Ó, vem confortar-me,
Nesta tensa tarde,

Com teus ares bons,
Traze-me as sinapses
De tudo capazes,
Traze-me os tais tons
Da felicidade.

 

 

A ÁUREA AURORA
Para Gal Oppido

 

Festeja um pássaro
A áurea aurora
Em mim, agora.
Que instante raro!

Tudo lá fora
A passar, o
Pensar tão claro
De amor se cora.

Pra Erato a lira
E o verso imploro.
Servo canoro,

Em ritmos moro,
Pra erigir a
Voz que adquirira.

À VIDA SEM SENTIDO: POESIA
4 de novembro de 2014

Atins_Lençóis Maranhenses

082 2

__________________________________________________________________

se passar a vida, como um detetive, procurando, investigando, o sentido de cada palavra que o infinito, que é a existência, guarda, de cada palavra que é lançada no mundo, se passar a vida, como um detetive, procurando, investigando, o sentido de cada cabeça, de cada cuca pensante, que não passa de uma cabeça de fósforo, pequena, de luminosidade fugaz, incapaz de compreender a existência no seu todo, se passar a vida, como um detetive, procurando, investigando, o sentido de cada estrela mirada da janela do apartamento ou de um foguete (caso embarque em viagem espacial), a vida se foi, a vida passou, e o sentido não veio, o sentido não chegou.

porque a nossa cabeça, de fósforo, é deveras pequena & de luminosidade efêmera para abrigar entendimento tão imenso que é o da existência.

indo inda mais fundo: e será que há algum entendimento a ser buscado, a ser revelado? será que há alguma coisa a ser compreendida?

o mundo, que, segundo a ciência, nasceu da explosão de uma estrela numa sucessão de acasos, de erros (por isso a vida é errância), de mutações aleatórias, passados bilhões & bilhões de anos chegou onde chegou — até aqui.

será que ao mundo cabe entendimento, compreensão?…

o mundo não está aí para ser entendido, o mundo está aí para ser vivido.

o mundo não está aí para virar poesia, o mundo está aí para ser vivido — embora as coisas, no mundo, pareçam estar em estado de poesia.

o mundo não está aí para virar poesia, embora a árvore, com suas forma & cor & beleza plástica, sempre parada, aguarde em silêncio, apta a ser fotografada. o mundo não está aí para virar poesia, embora o gato preto de patinhas brancas ande sempre com seu melhor traje (o traje: a sua pelagem feita sob medida, como se um black tie). o mundo não está aí para virar poesia, embora os pássaros, em vôo sincronizado no céu, denunciem, pela perfeição dos movimentos, que ensaiaram durante horas (um ensaio sem pretensões de estréia).

o mundo não está aí para virar poesia, mas o vento orquestra uma sinfonia muda (com os sons que suscita a sua passagem), os panos — à passagem do vento — dançam pendurados nas janelas, as formigas — fingindo trabalhar — desfilam, com suas folhas verdes, alegorias de mão, e mesmo as paredes se deixam cobrir de limo & descascam voluntariamente (sem esforço contrário), em permanente exposição (como se num museu ou centro cultural), expostas às artes & artimanhas do tempo em sua casca.

o mundo não está aí para virar poesia, o mundo está aí para ser vivido — embora as coisas, no mundo, pareçam estar em estado de poesia.

a fim de que a vida vivida ganhe um brilho ainda mais vívido, à vida sem motivo & sentido:

poesia!

beijo todos!
paulo sabino.
__________________________________________________________________

(do livro: Metal. autor: Ricardo Silvestrin. editora: Artes e Ofícios.)

 

 

se passar a vida
como um detetive
procurando o sentido
de cada palavra
que guarda
o infinito
de cada cabeça
que não passa
de uma cabeça
de fósforo
de cada estrela
mirada da janela
do apartamento
ou de um foguete
a vida se foi
e o sentido não veio

 

 

o mundo não está aí pra virar poesia
embora a árvore parada aguarde em silêncio
pronta pra ser fotografada
o gato de preto e punhos bancos
ande sempre com seu melhor traje
e os pássaros em vôo sincronizado
denunciem pela perfeição dos movimentos
que ensaiaram durante horas

o vento orquestra uma sinfonia muda
os panos de chão dançam pendurados nas janelas
as formigas
fingindo trabalhar
desfilam com suas folhas verdes
alegorias de mão
e mesmo as paredes se deixam cobrir de limo
descascam voluntariamente
em permanente exposição

BIOGRAFIA
28 de outubro de 2014

Poesia_Nascimento

__________________________________________________________________

biografia: narração, oral, escrita ou visual, das várias fases da vida de uma pessoa ou personagem.

a biografia de um poema:

o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos, num passo que desafia, num caminhar que instiga, que incita: numa hora eu já o levo, eu transporto as palavras, eu carrego os versos, numa hora eu levo o poema porque ao poeta — a mim — cabe a arquitetura de palavras & versos, e outra vez ele — o poema — me guia, tomando-me pelas mãos & escrevendo a sua sina (num dado momento, quando o poema vai ganhando alguma forma, acontece de os próprios ritmo & versos ditarem os caminhos que o poema deve tomar, ainda que tais caminhos, ditados pelos ritmo & versos, contrariem a “opinião”, a “vontade”, do poeta, como se não mais importasse o seu desejo para com os versos).

numa hora eu já o levo, outra vez ele me guia: assim o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos, mas seu corpo lírico ainda é prematuro, ainda é precoce, ainda está em formação, letra lenta, letra que chega vagarosa, pensada, re-pensada, letra lenta que incendeia, letra lenta que queima, com a carícia de um murro (um murro-carícia: um dos grandes efeitos da poesia: efeito feito de contradição, de paradoxo, o que o deixa ainda mais poético — um murro-carícia: a sensação de ser golpeado pelas idéias abrigadas nas palavras que os versos contêm, porém golpeado de forma carinhosa, porque golpeado por palavras, “entes” que incendeiam & machucam & esmurram & ferem apenas metaforicamente).

o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos, sem o ou e que o sustente, e, nascendo sem mão (para ampará-lo no momento da saída total) ou mãe que o sustente (que tenha engravidado & que o esteja parindo), insuportavelmente perverso (a palavra perverso é formada pela palavra “verso”), insuportavelmente malvado, o poema me contradiz: como pode um poema “nascer”, como pode um poema “ser gestado”, sem mão ou mãe que o sustente?

o poeta, sabe-se, não pode ser mãe nem sua mão pode amparar o poema (num dado momento, quando o poema vai ganhando alguma forma, acontece de os próprios ritmo & versos ditarem os caminhos que o poema deve tomar, ainda que tais caminhos, ditados pelos ritmo & versos, contrariem a “opinião”, a “vontade”, do poeta, como se não mais importasse o seu desejo para com os versos).

o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos: jorro de idéias, jato de lampejos, que engole & segura o pedaço duro do grito — diferentemente do recém-nascido, que explode em choro & grito ao nascer, ao nascer o poema engole & segura o pedaço duro do grito, o poema guarda em si a parte difícil, árdua, do grito que gritam os versos (tudo, no poema, quer jorrar, quer gritar, quer explodir, quer expandir em mil sentidos & significações, a serem descobertos na leitura cuidadosa que o poema exige, porém o grito é contido, porque o grito do poema precisa ser revelado, ninguém o escuta, é grito gritado por entre versos & palavras).

o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos: pombo de pluma & granito, pássaro de pena & pedra, feito para alçar vôos nas direções as mais diversas, entretanto alçar vôos em folha de papel — o poema é um pássaro duro, imóvel, intacto, parado, bonito, como se fosse granito.

o poema vai nascendo, vai ganhando vida-versos: jorro de idéias, jato de lampejos, que engole & segura o pedaço duro do grito; pombo de pluma & granito, pássaro de pena & pedra, feito para alçar vôos nas direções as mais diversas, entretanto alçar vôos em folha de papel, duro, imóvel, intacto, parado, bonito, como se fosse granito.

não percamos a viagem: embarquemos nas asas da poesia!

beijo todos!
paulo sabino.
__________________________________________________________________

(do livro: Todos os ventos. autor: Antonio Carlos Secchin. editora: Nova Fronteira.)

 

 

BIOGRAFIA

A Ricardo Vieira Lima

O poema vai nascendo
num passo que desafia:
numa hora eu já o levo,
outra vez ele me guia.

O poema vai nascendo,
mas seu corpo é prematuro,
letra lenta que incendeia
com a carícia de um murro.

O poema vai nascendo
sem mão ou mãe que o sustente,
e perverso me contradiz
insuportavelmente.

Jorro que engole e segura
o pedaço duro do grito,
o poema vai nascendo,
pombo de pluma e granito.

TRANS
26 de agosto de 2014

Salgado Maranhão_O mapa da tribo_Capa

(Na foto, a capa do mais novo livro de Salgado Maranhão, “O mapa da tribo”. No meu exemplar, a dedicatória: “Para Paulo Sabino, que vive, sonha e respira poesia. Salgado Maranhão”.)
_____________________________________________________________________

trans: prefixo de origem latina que pode significar “através de”, “para além de”, e que engloba, entre outras, a acepção de “mudança”, de “trans-formação”, de “trans-mutação”.

trans: “através de” signos, “através de” determinados símbolos, as mudanças, as trans-formações, as trans-mutações, que operamos caminho afora.

estou grudado à pele, estou colado na superfície, destes signos que me adestram pela noite imêmore, pela noite esquecida, tantas as “noites-trans”, noites de trans-formações, noites de trans-mutações, através dos signos que me adestram.

os signos, os símbolos, que me adestram, que me condicionam, que me habilitam, que me capacitam, pela noite imêmore, esquecida (tantas as “noites-trans”): as palavras, unidades lingüísticas sem as quais não conseguiríamos sobreviver, pois, com elas, organizamos & ordenamos as coisas do mundo para que possamos nele “existir”. o mundo, sem tal ordenamento, sem tais signos, não passaria de um grande caos.

os signos, os símbolos, que me adestram, que me condicionam, que me habilitam, que me capacitam, pela noite imêmore, esquecida (tantas as “noites-trans”): as palavras, matéria do trabalho que realizo através da poesia.

por eles, pelos signos, através deles, me relâmpago, me acendo clarão intenso entre matilhas, me acendo clarão intenso entre agrupamentos ordinários, de pouco valor.

neles, nos signos, através deles, teci minhas ráfias, tramei minhas misérias de luz & sombra (estão nas palavras, na poesia, as minhas dores & as minhas alegrias, os meus dissabores & os meus fascínios).

deles, dos signos, são meus labirintos de safira, dos signos — isto é: das palavras — são meus enredamentos de safira, deles — dos signos — são meus emaranhados de caminhos nos quais me perco, emaranhados de caminhos feitos da pedra preciosa de coloração azul, cor linda & fria.

um dia, uma fênix grafou meu nome em suas asas (fênix: ave lendária, única de sua espécie, e que, por conseguinte, não pode reproduzir-se como todos os outros animais. quando percebe aproximar-se o fim da sua existência, deixa-se arder em um braseiro para, em seguida, renascer das próprias cinzas).

desde então, desde que uma fênix grafou meu nome em suas asas, me encanto (me delicio, me deslumbro, me seduzo, me enfeitiço) apenas, somente, para renascer:

desde então, desde que uma fênix grafou meu nome em suas asas, me en/canto em canto — de poesia — a/penas, a custo das minhas penas & aflições, para renascer:

trans-bordante em cada mim, indo “para além de” cada mim, ultrapassando a minha própria borda:

trans-bordante em cada mim: derramado, entornado, excedido, em cada paulo sabino que renasce “através de” trans-formações, “através de” trans-mutações, que operamos caminho afora.

(trans: prefixo de origem latina que pode significar “através de”, “para além de”, e que engloba, entre outras, a acepção de “mudança”, de “trans-formação”, de “trans-mutação”.)

os signos, os símbolos, que me adestram, que me condicionam, que me habilitam, que me capacitam: as palavras, matéria do trabalho que realizo através da poesia, com quem me relâmpago, com quem me acendo clarão intenso.

beijo todos!
paulo sabino.
_____________________________________________________________________

(do livro: O mapa da tribo. autor: Salgado Maranhão. editora: 7Letras.)

 

 

TRANS

 

Estou grudado à pele
destes signos
………………….que me adestram
pela noite imêmore.

Por eles me relâmpago
entre matilhas; neles
teci minhas ráfias de luz
…………………………………..e sombra; deles
são meus labirintos de safira.

Um dia uma fênix
grafou meu nome
…………………………em suas asas;
desde então me encanto
……………………………………(apenas)
para renascer:

transbordante de mim.

DISTRIBUIÇÃO DA POESIA: CONVITE PARA A ILHA
4 de junho de 2014

Ilha Maldivas

___________________________________________________________________

mel silvestre tirei das plantas, sal tirei das águas, luz tirei do céu.

escutai, meus irmãos: poesia tirei de tudo para oferecer à vida, para oferecer à força criadora que move este mundo.

não tirei ouro da terra nem sangue de meus irmãos.

estalajadeiros, que são os donos de estalagem, não me incomodeis.

bufarinheiros, que são vendedores ambulantes de bufarinhas (coisas bobas, insignificantes), e banqueiros, sei fabricar distâncias para vos recuar.

a vida está malograda, está fracassada, está malsucedida, e eu creio nas mágicas da força criadora do universo.

os galos não cantam, a manhã não raiou: a vida está malograda, está fracassada, está malsucedida.

vi navios irem & voltarem (não completando a sua viagem), vi infelizes irem & voltarem (não completando a sua viagem), vi ziguezagues na escuridão: a vida está malograda, está fracassada, está malsucedida.

capitão-mor, governador de capitania hereditária, homem de conhecimentos, onde é o congo? me diz, capitão-mor, governador de capitania hereditária, homem de conhecimentos, onde é a ilha de são brandão?

capitão-mor, governador de capitania hereditária, que noite escura!

(os galos não cantam, a manhã não raiou: a vida está malograda, está fracassada, está malsucedida.)

uivam molossos, uivam cães de aspecto robusto & ameaçador, na escuridão.

ó indesejáveis, ó indivíduos cuja presença não é desejável por mostrarem-se perniciosos aos interesses dos demais irmãos de terra, qual o país, qual o país que desejais?…

(os indesejáveis só sabem denegrir a vida, os indesejáveis só sabem obscurecer os caminhos dos demais irmãos de terra.)

mel silvestre tirei das plantas, sal tirei das águas, luz tirei do céu: só tenho poesia para vos dar.

abancai-vos, meus irmãos!

para vos dar, só tenho: poesia: e um convite para a ilha:

não digo em que signo se encontra esta ilha, não falo sob que forma avista-se a ilha, mas ilha mais bela não há no alto-mar.

o peixe cantor existe por lá.

ao norte dá tudo: baleias azuis, o ouriço vermelho, o boto voador.

a leste da ilha há o gêiser gigante (gêiser: fonte termal que lança no ar jatos de água ou vapor em intervalos regulares), deitando água morna. quem quer se banhar?

há plantas carnívoras sem gula, que amam & não devoram.

ao sul o que há? há rios de leite, há terras bulindo, mulheres nascendo, raízes subindo, lagunas tremendo, coqueiros gemendo, areias se entreabrindo.

a oeste o que há? não há o ocidente nem coisa de lá: a terra está nova: devemos olhar o sol se elevar.

convido os rapazes & as raparigas para ver esta ilha, correr nos seus bosques, nos vales em flor, nadar nas lagunas, brincar de esconder, dormir no areal, caçar os amores que existem por lá.

o sol da meia-noite, a aurora boreal, o cometa de halley, as moças & moços nativos, podeis desfrutar.

partamos todos, enquanto esta ilha não vai afundar, enquanto não chegam guerreiros das terras, enquanto não chegam piratas do mar.

(os indesejáveis só sabem denegrir a vida, os indesejáveis só sabem obscurecer os caminhos dos demais irmãos de terra.)

as noites! que noites de imenso luar! podeis, todos vós, no céu da ilha, contemplar constelações: a ursa maior, a lira, a órion, a luz de altair, estrelas cadentes correndo no espaço, a estrela dos magos — a tão célebre estrela de belém, que guiou os três reis magos do ocidente até o recanto onde nascera o redentor — parada no ar.

que noites de imenso luar!

e as sestas? e as horas de descanso após o almoço? que sestas! a brisa é tão mansa! há redes debaixo dos coqueirais, sanfonas tocando, o sol se encobrindo, as aves cantando canções de ninar.

partamos todos, que as noites de escuro não tardam, não demoram, a chegar na ilha.

(partamos todos, enquanto não chegam guerreiros das terras, enquanto não chegam piratas do mar.)

partamos todos! mas onde fica a ilha? em que parte exatamente do oceano? então que é da ilha, da ilha mais bela que há pelo mar & onde se pode sonhar com os amores que nunca na vida nos hão de chegar?

o jeito é partir em busca desta ilha, o jeito é partir em busca do meu paraíso aqui na terra, o jeito é partir em busca do recanto que desejo a mim, que desejo ao meu bem-estar, sem mapa ou bússola para orientar. simplesmente partir, singrando os mares da vida.

eu, o antinavegador de moçambiques, goas, calecutes.

beijo todos!
paulo sabino.
___________________________________________________________________

(do livro: Melhores poemas. seleção: Gilberto Mendonça Telles. autor: Jorge de Lima. editora: Global.)

 

 

DISTRIBUIÇÃO DA POESIA

 

Mel silvestre tirei das plantas,
sal tirei das águas, luz tirei do céu.
Escutai meus irmãos: poesia tirei de tudo
para oferecer ao Senhor.
Não tirei ouro da terra
nem sangue de meus irmãos.
Estalajadeiros não me incomodeis.
Bufarinheiros e banqueiros
sei fabricar distâncias
para vos recuar.
A vida está malograda,
creio nas mágicas de Deus.
Os galos não cantam,
a manhã não raiou.
Vi os navios irem e voltarem.
Vi os infelizes irem e voltarem.
Vi homens obesos dentro do fogo.
Vi ziguezagues na escuridão.
Capitão-mor, onde é o Congo?
Onde é a ilha de São Brandão?
Capitão-mor que noite escura!
Uivam molossos na escuridão.
Ó indesejáveis, qual o país,
qual o país que desejais?
Mel silvestre tirei das plantas,
sal tirei das águas, luz tirei do céu.
Só tenho poesia para vos dar.
Abancai-vos meus irmãos.

 

 

CONVITE PARA A ILHA

 

Não digo em que signo se encontra esta ilha
mas ilha mais bela não há no alto-mar.
O peixe cantor existe por lá.
Ao norte dá tudo: baleias azuis,
o ouriço vermelho, o boto voador.
A leste da ilha há o Gêiser gigante
deitando água morna. Quem quer se banhar?
Há plantas carnívoras sem gula que amam.
Ao sul o que há? — há rios de leite,
há terras bulindo, mulheres nascendo,
raízes subindo, lagunas tremendo,
coqueiros gemendo, areias se entreabrindo.
A oeste o que há? — não há o ocidente nem coisa de lá:
a terra está nova: devemos olhar o sol se elevar.
Convido os rapazes e as raparigas
pra ver esta ilha, correr nos seus bosques,
nos vales em flor, nadar nas lagunas,
brincar de esconder, dormir no areial,
caçar os amores que existem por lá.
O sol da meia-noite, a aurora boreal,
o cometa de Halley, as moças nativas,
podeis desfrutar. Meninas partamos
enquanto esta ilha não vai afundar,
enquanto não chegam guerreiros das terras,
enquanto não chegam piratas do mar.
As noites! Que noites de imenso luar!
Podeis contemplar a Ursa maior,
A Lira, a Órion, a Luz de Altair,
estrelas cadentes correndo no espaço,
a estrela dos magos parada no ar.
Que noites, meninas, de imenso luar!
E as sestas? Que sestas! A brisa é tão mansa!
Há redes debaixo dos coqueirais,
sanfonas tocando, o sol se encobrindo,
as aves cantando canções de ninar.
Meninas partamos que as noites de escuro
não tardam a chegar. Então que é da ilha,
da ilha mais bela que há pelo mar
e onde se pode sonhar com os amores
que nunca na vida nos hão de chegar?

PRINCIPALMENTE: A VOZ DO MAR
17 de abril de 2014

O mar & sua voz

___________________________________________________________________

sempre fui bem tratado, sempre fui tratado bem, com carinho, com respeito, sempre vontades satisfeitas. por isso mesmo, sempre fui bem tratado, sempre fui muito tratado, sempre fui bastante tratado, como um príncipe.

com isso, fui me afeiçoando aos privilégios, aos florilégios (às coleções de flores devidamente escolhidas), às vilegiaturas (às férias que se passa fora dos centros urbanos, no campo, na praia, na montanha, no deserto), que me couberam neste reino — que é a vida — etéreo (sublime, magnífico, elevado, e também vaporoso) & ao mesmo tempo deletério (aviltante, insalubre, danoso).

a vida, sabe-se, possui a sua faceta exuberante como também a faceta cariada, feia, cheia de tristezas.

além disso, neste reino que é a vida, etéreo & deletério, o esquecimento é tão inevitável quanto a vida & a morte é toda feita de mistério.

a vida é uma coisa da qual não se pode dispor. não conhecemos o suficiente para saber, apreender, o que é a existência mundana & universal — a morte, para nós, ainda é um mistério, não se sabe muito a respeito dela, para onde vamos, se é que vamos para algum lugar além das nossas sepulturas, nem nunca podemos ter a apreciação total das nossas próprias vidas, pois, pelo caminho, vamos deixando acontecimentos para trás, justamente porque o esquecimento é tão inevitável quanto a vida.

procuro ouvir a minha sorte, procuro ouvir o que me destina o destino (será que existe destino?), nos meus búzios, como o — poeta olavo — bilac ouvia suas estrelas (vide o poema feito pelo poeta, “ouvir estrelas”), coisa que nunca ouvi, mas compreendi (a minha sorte), mesmo não tendo credo acreditável, mesmo não tendo crença crível, mesmo não tendo credo no qual se possa confiar & acreditar.

assim, bicho homem sem credo no qual se possa confiar & acreditar, fui construindo meu edifício sobre essa arquitetura de quimeras (na vida, sempre fui bem tratado, sempre fui tratado bem, com carinho, com respeito, sempre vontades satisfeitas, e, por isso mesmo, sempre fui bem tratado, sempre fui muito tratado, sempre fui bastante tratado, como um príncipe), cujo arquiteto (o arquiteto dessa arquitetura de quimeras que é a vida: “deus”, ou como quer que se chame a força criadora do universo) talvez fosse cego (construindo tal arquitetura às escuras), ou gênio (construindo tal arquitetura com total entendimento do que construía), ou talvez fosse, simplesmente, ausente (simplesmente inexistente, e a vida, um grande capricho do acaso).

neste reino etéreo & deletério, fundo a minha voz, inauguro o meu canto: na nave língua em que me navego, só me navego “eu”, como “nave”, sendo língua.

(“navego”: na palavra em destaque, duas outras palavras cabem, duas outras palavras formam a palavra “navego”: “nave” + “ego”, que é o mesmo que “eu”. é na língua que posso, através das palavras, me fazer “nave”, e, com elas, o “ego” “navego”.)

na nave língua em que me navego, língua na qual em/barco, só me navego “eu” (“ego”), como “nave”, sendo língua.

a língua é minha pátria. eu canto, falo, declamo, exponho, penso, logo existo, em língua portuguesa.

me navego em língua, “nave” & “ave”.

(“navego”: na palavra em destaque, além de caberem as palavras “nave” & “ego”, uma outra também cabe: “ave”.)

em língua me navego, “nave” que me permite viajar caminho afora, “ave” que me leva em suas asas, na minha tentativa de vôos altos por sobre a vida.

eu sou sol, luz, eu esplendo, eu resplandeço, eu brilho intensamente, sendo sonhador (afinal, fui construindo meu edifício sobre essa arquitetura de quimeras), eu, sendo esplendor, sendo brilho intenso, eu espelho especiaria, sou como o conjunto de temperos que dá aroma & sabor, eu, navegante (dos mares da vida), sou o antinavegador de moçambiques, goas, calecutes, o antinavegador porque nunca me aventurei a descobertas ultramarinas, o antinavegador porque nunca me prontifiquei a vencer os mares em busca de reinos perdidos & tesouros inexplorados, eu, que dobrei & venci o cabo da esperança (sentimento de quem confia na realização daquilo que deseja), eu, que desinventei o cabo das tormentas (das tempestades violentas, das situações conturbadas & perturbadoras), eu, que inventei o vento que me carregou nas minhas andanças, eu, que inventei a “taprobana”, a ilha que só existe na minha ilusão (“taprobana” é o nome pelo qual a ilha de sri lanka era conhecida na antigüidade), eu, que inventei a ilha que não há, talvez “ceilão”, sei lá (“ceilão” foi como a ilha de sri lanka foi denominada até 1972), eu, que inventei o mapa, o astrolábio, a embarcação, a rota, só sei que fui em busca dos meus interesses & sonhos & nunca mais voltei.

me derramei & me mudei em mar — virei a sua voz, me transformei no seu canto, só sei que me morri de tanto amar na aventura das velas caravelas (por todo o fascínio que sempre me despertaram as grandes navegações & suas expedições mundo afora), só sei que morri de tanto amar em todas as saudades de aquém-mar, em todas as saudades que ficam, que permanecem, na parte de cá, neste lado daqui, de quem nunca se lançou em aventuras de além-mar, de quem, viajando em sonhos & desejos, fundou o seu edifício neste reino etéreo & deletério, fundou o seu edifício sobre essa arquitetura de quimeras, cujo arquiteto talvez fosse cego, ou gênio, ou, simplesmente, ausente.

beijo todos!
paulo sabino.
___________________________________________________________________

(do livro: Poemas reunidos. autor: Geraldo Carneiro. editoras: Nova Fronteira / Fundação Biblioteca Nacional.)

 

 

PRINCIPALMENTE

 

sempre fui bem tratado como um príncipe
e fui me afeiçoando aos privilégios
aos florilégios e às vilegiaturas
que me couberam neste reino etéreo
e deletério, porque o esquecimento
é tão inevitável quanto a vida
e a morte é toda feita de mistério.
procuro ouvir a sorte nos meus búzios
como o Bilac ouvia suas estrelas,
coisa que nunca ouvi, mas compreendi
mesmo não tendo credo acreditável.
fui construindo assim meu edifício
sobre essa arquitetura de quimeras,
cujo arquiteto talvez fosse cego,
ou gênio, ou simplesmente ausente.

 

 

A VOZ DO MAR

 

na nave língua em que me navego
só me navego eu nave sendo língua
ou me navego em língua, nave e ave.
eu sol me esplendo sendo sonhador
eu esplendor espelho especiaria
eu navegante, o antinavegador
de Moçambiques, Goas, Calecutes,
eu que dobrei o Cabo da Esperança
desinventei o Cabo das Tormentas,
eu que inventei o vento e a Taprobana,
a ilha que só existe na ilusão,
a que não há, talvez Ceilão, sei lá,
só sei que fui e nunca mais voltei
me derramei e me mudei em mar;
só sei que me morri de tanto amar
na aventura das velas caravelas
em todas as saudades de aquém-mar

A NOSSA CASA
16 de janeiro de 2014

Paulo Sabino_PerfilAmor-perfeito

 

(Na primeira foto: a minha casa. Na segunda foto: um mato que floresce, conhecido por “amor-perfeito”.)
________________________________________________________

a nossa casa é de carne & osso: porque o que, de fato, nos abriga, o que, de fato, nos dá guarida, é o corpo.

a nossa casa é de carne & osso porque a nossa casa é o nosso corpo, este, de onde se pronuncia o paulo sabino.

sem o abrigo do corpo, nada feito.

a nossa casa não é sua nem minha (não dispomos desta morada a que chamamos corpo: não compramos, não vendemos, não alugamos, não hipotecamos — simplesmente: habitamos) & também não tem campainha para quem nos chegue de visita, ou para quem venha conosco morar.

a nossa casa, diferentemente das demais (as de tijolo & concreto), tem varanda dentro (e não fora), pois o lugar onde, na nossa casa, passa o vento para ventilar — a fim de trazer vida à residência — é dentro do corpo. o ar passa numa varanda que vem dentro, e não fora, da casa.

a nossa casa tem varanda dentro & tem um “pé de vento” para respirar (assim como em quintais com um pé de manga, ou de goiaba, ou de abacate, para comer): um pé-de-vento para respirar: ventania forte, boca & narinas adentro, que traz, com seu ar, vida à residência.

por essa razão (por ser o corpo a nossa mais legítima morada):

a nossa casa é onde a gente está, a nossa casa é em todo lugar.

basta cuidar dessa casa, da sua arquitetura, deixar que nela more um pé de vento, deixar que nela entre a luz, para que ela possa estabelecer-se segura em qualquer localidade: aqui, no rio; ali, em sampa; lá, no pará; acolá, no japão:

a nossa casa é onde a gente está, a nossa casa é em todo lugar.

basta atentar à casa, à sua arquitetura, deixar que nela entre um pé-de-vento, deixar que nela more a luz, para que ela possa estabelecer-se segura em qualquer localidade: em local onde “amor-perfeito” é mato (até porque “amor perfeito”, se não for mato, inexiste) & o teto estrelado (teto com constelações que brilham no escuro de um cômodo) também tem luar; em local que pareça um ninho, onde surja um passarinho para acordar a casa; em local onde passe um rio no meio & onde o leito (a cama, o lugar de repouso) possa ser o mar:

a nossa casa é onde a gente está, a nossa casa é em todo lugar.

beijo todos!
paulo sabino.
________________________________________________________

(do encarte do cd: Saiba. artista: Arnaldo Antunes. gravadoras: Rosa Celeste / BMG.)

 

 

A NOSSA CASA

 

na nossa casa amor-perfeito é mato
e o teto estrelado também tem luar
a nossa casa até parece um ninho
vem um passarinho pra nos acordar
na nossa casa passa um rio no meio
e o nosso leito pode ser o mar
a nossa casa é onde a gente está
a nossa casa é em todo lugar
a nossa casa é de carne e osso
não precisa esforço para namorar
a nossa casa não é sua nem minha
não tem campainha pra nos visitar
a nossa casa tem varanda dentro
tem um pé de vento para respirar
a nossa casa é onde a gente está
a nossa casa é em todo lugar

________________________________________________________

(do site: Youtube. videoclipe da canção: A nossa casa. Artista: Arnaldo Antunes. gravadoras: Rosa Celeste / BMG.)

RESGATE
20 de março de 2013

Cai a tardeCai a tarde 2

 

(Na foto acima, Orlando, meu camelo azul da cor do mar, companheiro de pedaladas & paisagens nos fins de tarde.)
______________________________________________________________________

cai a tarde & não há quem o retarde (o cair da tarde).

cai a tarde, e o cair da tarde, não há quem o faça tardar a chegar, não há quem faça a tarde alongar-se, prolongar-se, não há quem faça o cair da tarde chegar ainda mais tarde, e não há quem faça a tarde tornar-se tarde novamente, não há quem nem o que: “re-tarde”, não há quem nem o que reedite a tarde.

cai a tarde, que, ao cair, me invade com seus efeitos & delírios cromáticos.

cai a tarde & não cai à parte. cai a tarde, que, ao cair, não cai separadamente de tudo que abriga. cai a tarde e, junto com ela, o canto de pássaros & os hibiscos vermelhos também caem, também escondem-se, também desaparecem, dos nossos ouvidos & das nossas vistas.

(no cair da tarde, onde caem o canto de pássaros & hibiscos vermelhos? para onde fogem, que dimensão habitam?…)

tarde de outono; tarde de começo de outono… folhas ainda nas árvores — as folhas não caíram das árvores assim como a tarde, que cai do pé do dia.

sem alarde, cai a tarde & o que com ela cai (o canto dos pássaros, os hibiscos vermelhos). e não cai pela metade (ao cair, a tarde não cai separadamente de tudo que abriga).

cai mais esta tarde de sol, finda, encerra-se. cai a tarde e, com ela, tudo o que é dia, o que é manhã.

num desenlace: noite.

cai a tarde, acéfala no céu, sem a sua cabeça coroada pela luz solar, cai a tarde, acéfala no céu quase já escuro, sem qualquer possibilidade de resgate, de retorno, de reconquista, sem qualquer possibilidade de que seja reeditada, de que: re-tarde.

(cai a tarde & não há quem retarde o cair da tarde.)

que a tarde caia caiando — pintando colorindo ornando — o fim do dia com seus delírios cromáticos.

(e que se edifiquem outras tantas!)

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________________________

(do livro: Até agora. autor: Régis Bonvicino. editora: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.)

 

 

RESGATE

 

Cai a tarde
e não há quem o retarde
o cair da tarde
Cai a tarde

que, ao cair, me invade
Cai a tarde
e não cai à parte
Cai a tarde de sábado

na tarde, de canto de pássaros e
hibiscos vermelhos
caem onde?
tarde de outono

tarde de começo de outono
folhas ainda nas árvores
as folhas não caíram das árvores
cai a tarde

e o que com ela cai
sem alarde
cai a tarde
e não cai pela metade

cai mais esta tarde de sol
cai a tarde e com ela a manhã
num desenlace
noite

cai a tarde
acéfala no céu já quase escuro
sem qualquer possibilidade
de resgate

O POETA & SUAS INVENÇÕES DE COMPORTAMENTO
16 de março de 2013

????????Livros_Manoel de Barros

(Nas fotos, o poeta Manoel de Barros & suas invenções de comportamento: alguns dos seus livros de poesia & a inscrição “Só dez por cento é mentira”, título do documentário de Pedro Cezar sobre o poeta.)
______________________________________________________________________

vão dizer que o poeta não existe propriamente “dito”: o que existe propriamente “dito” são os versos, o que existe propriamente “dito” é a poesia. afinal, o corpo, a carne, da poesia constitui-se de palavras, a poesia constitui-se de matéria verbal, constitui-se daquilo que é propriamente “dito”.

(o poeta se faz da poesia. é a poesia quem justifica a existência do poeta. um alguém só se diz poeta caso pouse nele a poesia.)

vão dizer que o poeta é um ente de sílabas, um ente formado por fonemas, um ente formado por verbos, um ente de carne, osso & palavras.

vão dizer que o poeta tem vocação para “ninguém”. o pai do poeta costumava alertá-lo: “quem acha bonito & pode passar a vida a ouvir o som das palavras, ou é ninguém ou zoró.”

(zoró: povo indígena habitante da região noroeste do mato grosso do sul & da região sul de rondônia.)

o poeta & sua vocação para “ninguém”: ele não serve para mais nada que não seja achar bonito & passar a vida a ouvir o som das palavras. um alienado do mundo, um vagabundo existencial.

o poeta & sua vocação para “ninguém”: tendo vocação para “ninguém”, o poeta pode transfigurar-se no que desejar, no que bem entender — o que, no fundo, é uma exigência da poesia.

o poeta teria treze anos. de tarde, foi olhar a cordilheira dos andes, que se perdia nos longes da bolívia, e veio uma iluminura nele.

foi a sua primeira iluminura, a sua primeira arte de ornar uma página.

daí, botou o seu primeiro verso.

mostrou a obra para sua mãe. a mãe falou: “agora você vai ter que assumir as suas irresponsabilidades.”

o poeta assumiu: entrou no mundo das imagens.

o poeta é um irresponsável da linguagem porque a poesia não possui responsabilidades. a poesia não tem que. a poesia simplesmente é. sem maiores pretensões, obrigações & expectativas. a poesia pode justamente tudo porque não deve absolutamente nada. para com a poesia não existem formalidades. não se trata de memorando, requerimento ou carta de intenção: não existe um propósito, um objetivo.

a poesia mora no mundo das imagens, das metáforas, dos jogos sintáticos, dos deslocamentos da linguagem.

o poeta não quer saber como as coisas se comportam. o poeta quer inventar comportamento para as coisas.

segundo o poeta, a tarefa mais lídima, mais genuína, mais autêntica, da poesia é a de equivocar, é a de confundir, é a de deslocar, o sentido das palavras, não havendo nenhum “descomportamento”, não havendo nenhuma falta de comportamento adequado, não havendo nenhum “desvio de conduta”, senão que alguma experiência lingüística.

é apenas um descomportamento semântico, apenas um descomportamento para com os sentidos (convencionais) das palavras.

se o poeta se desvirtua a pássaros, se o poeta se desvirtua em árvores, se o poeta se desvirtua para pedras, essa mudança de comportamento “gental” (referente à gente, a pessoas) para comportamento animal, vegetal ou pedral, é apenas um descomportamento semântico, um descomportamento ligado ao sentido convencional dessas palavras.

o poeta apenas faz, apenas cria, apenas produz, o desvio do sentido das palavras & das finalidades das coisas: se ele diz que “grota” é uma palavra apropriada para ventar nas pedras ou que os passarinhos faziam paisagens na sua infância, isso é apenas um desvio das tarefas da grota (que não é a de ventar nas pedras) & dos passarinhos (que não é a de fazer paisagens).

isso — de gerar o desvio do sentido das palavras & das finalidades das coisas — é apenas um descomportamento lingüístico que não ofende, que não fere, que não prejudica, que não viola, que não contraria, a natureza dos passarinhos nem das grotas.

se o poeta diz ainda que é mais feliz quem descobre o que não presta do que quem descobre ouro, o poeta pensa que, ainda assim, não será atingido pela bobagem, pela tolice, pela asneira. ele apenas não tem sabedoria demais, conhecimentos aprofundados: o poeta apenas não tem polimentos de ancião.

(o poeta: um inventor de comportamentos: uma sempre criança do verbo, um sempre aprendiz da palavra.)

beijo todos!
paulo sabino.
______________________________________________________________________

(do livro: Poesia completa. autor: Manoel de Barros. editora: Leya.)

 

 

O POETA

 

Vão dizer que não existo propriamente dito.
Que sou um ente de sílabas.
Vão dizer que eu tenho vocação pra ninguém.
Meu pai costumava me alertar:
Quem acha bonito e pode passar a vida a ouvir o som
das palavras
Ou é ninguém ou zoró.
Eu teria treze anos.
De tarde fui olhar a Cordilheira dos Andes que
se perdia nos longes da Bolívia
E veio uma iluminura em mim.
Foi a primeira iluminura.
Daí botei meu primeiro verso:
Aquele morro bem que entorta a bunda da paisagem.
Mostrei a obra pra minha mãe.
A mãe falou:
Agora você vai ter que assumir as suas
irresponsabilidades.
Eu assumi: entrei no mundo das imagens.

 

 

COMPORTAMENTO

 

Não quero saber como as coisas se comportam.
Quero inventar comportamento para as coisas.
Li uma vez que a tarefa mais lídima da poesia é a
de equivocar o sentido das palavras
Não havendo nenhum descomportamento nisso
senão que alguma experiência linguística.
Noto que às vezes sou desvirtuado a pássaros, que
sou desvirtuado em árvores, que sou desvirtuado
para pedras.
Mas que essa mudança de comportamento gental
para animal vegetal ou pedral
É apenas um descomportamento semântico.
Se eu digo que grota é uma palavra apropriada para
ventar nas pedras,
Apenas faço o desvio da finalidade da grota que
não é a de ventar nas pedras.
Se digo que os passarinhos faziam paisagens na
minha infância,
É apenas um desvio das tarefas dos passarinhos que
não é a de fazer paisagens.
Mas isso é apenas um descomportamento linguístico que
não ofende a natureza dos passarinhos nem das grotas.
Mudo apenas os verbos e às vezes nem mudo.
Mudo os substantivos e às vezes nem mudo.
Se digo ainda que é mais feliz quem descobre o que não
presta do que quem descobre ouro —
Penso que ainda assim não serei atingido pela bobagem.
Apenas eu não tenho polimentos de ancião.