PALAVRAS LITORAIS: COLORIR MUNDO & LINGUAGEM

quando linguagem & mundo se casarem, eu vou ser mais feliz.

o mundo, hoje, diz apenas: nada. sua fala é elaborada em silêncio.

a linguagem é o modo que encontramos para apreensão do mundo que nos cerca.

assim sendo, o dia que se casarem linguagem & mundo, isto é, o dia que linguagem & mundo se unirem, isto é, o dia que caminharem lado a lado, direi tudo que jamais disse a linguagem.

escreverei um poema (linguagem) do tamanho do mundo (o que será perfeitamente possível, uma vez que o mundo uniu-se à linguagem).

enquanto não se juntam linguagem & mundo, sigo aproveitando o que me cabe na linguagem & o que no mundo.

na tela dos meus olhos, o mundo passa colorido: é a cor em movimento.

as coisas são em cor. o mundo é em cor. em cor é o próprio que vê: o próprio pintor desta aquarela em movimento que é o mundo.

o mundo: sempre multicor.

o mundo é multicor, multicor com cores pesadas, cores de peso (o peso das coisas mundanas), portanto, o mundo é de cores concretas:

o olhar descortina, ao cálice da janela, bordadura de gerânios, de gerânios multicoloridos, gerânios que incitam o meu olhar a descortinar as coisas para elas (as cores): uma idéia laranja; uma, azul; outra, amarela.

criando idéias multicoloridas, faço o mundo — e um mundo colorido.

fazer o mundo é acendê-lo aos meus sentidos.

fazer o mundo é descobri-lo, fazer o mundo é descortiná-lo, fazer o mundo é esclarecê-lo, é acendê-lo.

por conseguinte,

fazendo, acendo.

(fazer & acender.)

fazer: palavra-tomada, isto é, palavra-dispositivo que serve de intermediário entre uma “fonte de energia” (o mundo) e um “equipamento” alimentado por esta energia (o homem).

fazer: palavra-verbo que permite que as coisas liguem, que as coisas se acendam, se iluminem, que se ponham em movimento.

fazer: palavra tomada, isto é, palavra apoderada, palavra dominada, apanhada, no sentido litoral (no sentido “beira-mar”, no sentido “costeiro”, de borda, no sentido de margear, de tanger, de tocar, de roçar).

(“hacer” = “fazer” em espanhol.)

façamos o mundo de linguagem multicolorida, permeado por palavras-tomadas, em meio a palavras-dispositivos de acender, de ligar, de pôr em funcionamento, em meio a palavras que iluminem as nossas existências.

beijo nocês tudo!
paulo sabino / paulinho.
___________________________________________________________________________

(do blogue: A cidade sou eu. de: Alex Varella. autor dos poemas: Alex Varella.) 
 
 
 
O CASAMENTO DE LINGUAGEM E MUNDO

Quando linguagem e mundo se casarem, eu vou ser feliz.

Então prometo que vou dizer tudo que a linguagem jamais disse.

Tudo que nunca pôde ser dito.

Vou escrever um poema do tamanho do mundo.

Convoco as sereias para o banho e o concerto definitivo na ilha de Circe.

Menino, e já cantava ditirambos.

Hoje relembro o ritmo.

O dia em que a linguagem e o mundo se casarem, eu vou ser feliz.

 

CINEMA MUNDI
(OUTRA CANÇÃO DO PINTOR)

Na tela dos olhos do pintor,

o mundo passa colorido
cinema mundi:

é a cor em movimento.

As coisas são em cor

o mundo é em cor

em cor é o próprio pintor

 

CORCRETA

Bordadura de gerânios no cálice da janela

meu olhar descortina as coisas para elas

uma idéia laranja; uma azul, outra amarela

 

A PALAVRA NO SENTIDO LITORAL

Hacer — acendo

(Eis aí o exemplo da palavra

Tomada

no sentido litoral).

Anúncios

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: