PALAVRAS LITORAIS: COLORIR MUNDO & LINGUAGEM

quando linguagem & mundo se casarem, eu vou ser mais feliz.

o mundo, hoje, diz apenas: nada. sua fala é elaborada em silêncio.

a linguagem é o modo que encontramos para apreensão do mundo que nos cerca.

assim sendo, o dia que se casarem linguagem & mundo, isto é, o dia que linguagem & mundo se unirem, isto é, o dia que caminharem lado a lado, direi tudo que jamais disse a linguagem.

escreverei um poema (linguagem) do tamanho do mundo (o que será perfeitamente possível, uma vez que o mundo uniu-se à linguagem).

enquanto não se juntam linguagem & mundo, sigo aproveitando o que me cabe na linguagem & o que no mundo.

na tela dos meus olhos, o mundo passa colorido: é a cor em movimento.

as coisas são em cor. o mundo é em cor. em cor é o próprio que vê: o próprio pintor desta aquarela em movimento que é o mundo.

o mundo: sempre multicor.

o mundo é multicor, multicor com cores pesadas, cores de peso (o peso das coisas mundanas), portanto, o mundo é de cores concretas:

o olhar descortina, ao cálice da janela, bordadura de gerânios, de gerânios multicoloridos, gerânios que incitam o meu olhar a descortinar as coisas para elas (as cores): uma idéia laranja; uma, azul; outra, amarela.

criando idéias multicoloridas, faço o mundo — e um mundo colorido.

fazer o mundo é acendê-lo aos meus sentidos.

fazer o mundo é descobri-lo, fazer o mundo é descortiná-lo, fazer o mundo é esclarecê-lo, é acendê-lo.

por conseguinte,

fazendo, acendo.

(fazer & acender.)

fazer: palavra-tomada, isto é, palavra-dispositivo que serve de intermediário entre uma “fonte de energia” (o mundo) e um “equipamento” alimentado por esta energia (o homem).

fazer: palavra-verbo que permite que as coisas liguem, que as coisas se acendam, se iluminem, que se ponham em movimento.

fazer: palavra tomada, isto é, palavra apoderada, palavra dominada, apanhada, no sentido litoral (no sentido “beira-mar”, no sentido “costeiro”, de borda, no sentido de margear, de tanger, de tocar, de roçar).

(“hacer” = “fazer” em espanhol.)

façamos o mundo de linguagem multicolorida, permeado por palavras-tomadas, em meio a palavras-dispositivos de acender, de ligar, de pôr em funcionamento, em meio a palavras que iluminem as nossas existências.

beijo nocês tudo!
paulo sabino / paulinho.
___________________________________________________________________________

(do blogue: A cidade sou eu. de: Alex Varella. autor dos poemas: Alex Varella.) 
 
 
 
O CASAMENTO DE LINGUAGEM E MUNDO

Quando linguagem e mundo se casarem, eu vou ser feliz.

Então prometo que vou dizer tudo que a linguagem jamais disse.

Tudo que nunca pôde ser dito.

Vou escrever um poema do tamanho do mundo.

Convoco as sereias para o banho e o concerto definitivo na ilha de Circe.

Menino, e já cantava ditirambos.

Hoje relembro o ritmo.

O dia em que a linguagem e o mundo se casarem, eu vou ser feliz.

 

CINEMA MUNDI
(OUTRA CANÇÃO DO PINTOR)

Na tela dos olhos do pintor,

o mundo passa colorido
cinema mundi:

é a cor em movimento.

As coisas são em cor

o mundo é em cor

em cor é o próprio pintor

 

CORCRETA

Bordadura de gerânios no cálice da janela

meu olhar descortina as coisas para elas

uma idéia laranja; uma azul, outra amarela

 

A PALAVRA NO SENTIDO LITORAL

Hacer — acendo

(Eis aí o exemplo da palavra

Tomada

no sentido litoral).

There are no comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: