O POETA & O RINOCERONTE

o rinoceronte — bicho grande, forte, imponente, e: exato. exato em suas linhas, exato em suas formas, exato em suas funções.

o poeta, ao contrário do rinoceronte — inexato, com os seus sobejos & sua escassez, com o seu corpo perdido pelos cantos das palavras alojadas. ainda que precário, ainda que inexato, o vate pode apropriar-se da voz anginosa do rinoceronte. pode, exatamente por sua indefinição, também ser definido: rinoceronte. o poeta consegue suas formas pela multidão exatamente por sua posição disforme; ele pode ser tudo por ser exatamente: nada (ou quase).

o corpo do poeta: disforme, angaria faltas & excessos por onde anda — um guindaste se apropria do sexo do poeta, o chifre lhe cresce pelo nariz, o queixo começa a se empinar, o bardo guincha o que nunca escutou: a voz do rinoceronte.

o poeta & a sua voz — que é a poesia — podem transfigurar-se em tudo & qualquer coisa.

na voz do poema cabem quaisquer vozes, inclusive a voz anginosa, voz dolorosa, de um rinocerante.

(salve a arte poética!)

beijo todos!
paulo sabino.
__________________________________________________________________________

(extraído do blog: Acontecimentos / http://antoniocicero.blogspot.com. blog de: Antonio Cicero. autor da poesia: Alberto Pucheu.)

(poesia contida no livro: A fronteira desguarnecida — poesia reunida 1993 – 2007. editora: Azougue.)

 

POEMA UNGULADO Nº 2

Nenhuma gordura empanturra o corpo
do rinoceronte, varando suas cercas.
Nenhum couro escorrega em torno
da carne. Nenhuma dúvida quanto
a seu peso, quanto à coragem
ou a sua tranqüilidade. A armadura
talhada nos músculos, os chifres,
o rabo espanando qualquer súplica.
Olhos para ver. Boca para comer.
Patas para pisar. Orelhas para ouvir.
O corpo… na medida exata do corpo.
E o meu, tão distante, perdido pela multidão, pelos cantos das
palavras alojadas, angaria faltas e excessos por onde anda: um
guindaste se apropria de meu sexo, o combustível escasso para mais
alguns quilômetros, o chifre crescendo pelo nariz. Quando o queixo
começa a se empinar, guincho o que nunca escutei: a voz anginosa
do rinoceronte.

Anúncios

2 Respostas

  1. Salve a arte poética e tua alegria sempre!!!

    beijos.

    carmen.

    • Salve a arte poética!

      Beijo, querida!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: